Pesquisar
Pesquisar
Foto: Ala Kheir / ACNUR

Após 1 ano em guerra, Sudão sofre com maior crise de deslocamento forçado e fome do mundo

Nos últimos meses, conflito levou quase 9 milhões de pessoas a abandonar suas casas e causou o colapso do sistema de saúde do país
Amy Goodman, Juan Gonzalez
Democracy Now
Nova York

Tradução:

Guilherme Ribeiro

Abril marcou um ano desde o início do devastador conflito interno no Sudão, desencadeado pela ruptura de uma frágil aliança entre as Forças Armadas Sudanesas e as Forças de Apoio Rápido.

Inicialmente, a guerra se concentrou em Cartum, a capital do país, mas logo se espalhou rapidamente para outras regiões, como Darfur, Porto Sudão e o estado de Gezira, o coração agrícola do Sudão. Ao longo deste ano, o conflito levou quase nove milhões de pessoas a abandonar suas casas e causou o colapso do sistema de saúde do país.

Leia também | “Catástrofe geracional”: 14 milhões de crianças no Sudão precisam de ajuda urgente

Atualmente, o Sudão enfrenta a maior crise de fome e deslocamento populacional do mundo. “Essencialmente, esta é uma guerra entre dois generais”, diz Khalid Mustafa Medani, presidente do Programa de Estudos Africanos da Universidade McGill, em Montreal, Canadá.

Medani explica por que as duas partes em conflito “não têm absolutamente nenhuma legitimidade na sociedade civil” e como a ajuda internacional está sendo usada como arma nesta guerra: “Apesar da gravidade deste conflito, a única solução possível e o único interesse da maioria dos sudaneses, 99% da população sudanesa, é a restauração da democracia civil plena“.

Leia também | Imperialismo, golpe, sanções, refugiados: como conflito no Sudão impacta ordem multipolar

A seguir, confira a transcrição da entrevista concedida por Khalid Mustafa Medani aos jornalistas Amy Goodman e Juan González, do veículo independente estadunidense Democracy Now!

*   *   *

Amy Goodman | Há um ano, uma devastadora guerra civil eclodiu no Sudão quando uma frágil aliança entre as Forças Armadas Sudanenses e o grupo paramilitar Forças de Apoio Rápido entrou em colapso, colocando os dois lados um contra o outro. A guerra começou inicialmente em torno da capital, Khartoum, mas rapidamente se espalhou para outras partes do Sudão, incluindo Darfur, Port Sudan e o estado de Gezira, situado no coração agrícola do país.

Um ano depois, o conflito criou o que o alto comissário da ONU para refugiados chamou de “uma das piores crises humanitárias e de deslocamento do mundo, e uma das mais negligenciadas e ignoradas”. Mais de 8,6 milhões de pessoas foram forçadas a deixar suas casas, criando a maior crise de deslocamento do mundo. Um novo relatório da Organização Internacional para as Migrações descobriu que 20.000 pessoas são forçadas a fugir de suas casas no Sudão todos os dias, sendo metade delas crianças.

A crise foi agravada pela insegurança alimentar, com o Programa Mundial de Alimentos recentemente alertando que o Sudão está enfrentando a maior crise de fome do mundo. O número de sudaneses enfrentando níveis de fome de emergência — um estágio antes da fome — mais que triplicou em um ano para quase 5 milhões, de acordo com a Classificação Integrada de Fase de Segurança Alimentar, um índice apoiado pela ONU. A Save the Children alertou que 230.000 crianças, mulheres grávidas e mães recém-nascidas podem morrer de desnutrição nos próximos meses.

Enquanto isso, o sistema de saúde do Sudão entrou em colapso, permitindo surtos de doenças, incluindo sarampo e cólera.

A guerra eclodiu em 15 de abril de 2023, quando uma transição política planejada após a deposição, em um levante popular, do presidente Omar al-Bashir, após 30 anos no poder, desmoronou entre o exército sudanês e as Forças de Apoio Rápido.

Para mais informações, juntamo-nos a Khalid Mustafa Medani, professor associado de ciência política e estudos islâmicos da Universidade McGill, presidente do programa de estudos africanos lá. Seu recente artigo para a MERIP tem o título “A Luta pelo Sudão: Um Guia”.

Bem-vindo de volta ao Democracy Now! É ótimo tê-lo aqui no estúdio em Nova York, professor. Se você puder começar dizendo onde o Sudão está, um ano após o início da guerra?

Khalid Mustafa Medani | Bem, antes de mais nada, obrigado, Amy, por me receber no programa. É uma verdadeira honra. Obrigado pela sua cobertura sobre o Sudão.

Eu acho que onde estamos é uma espécie de falha incrível, o que os Médicos Sem Fronteiras chamaram de uma falha da humanidade. Eu acho que há poucas crises no mundo historicamente, incluindo na África, onde houve tal aceleração, em apenas um ano, do tipo de devastação que você acabou de listar — 9 milhões de deslocados internamente, mais de um milhão atravessando as fronteiras, os sete limites do Sudão, principalmente no Chade, Egito e Sudão do Sul, e a completa destruição da infraestrutura.

Além disso, em dezembro do ano passado, ocorreu algo que acelerou a fome, basicamente — não apenas a insegurança alimentar, mas a expansão da fome. E isso é o ataque ao estado de Gezira no centro do Sudão, que realmente produz mais de 60% dos produtos agrícolas do país.

Além disso, é claro, 70% dos hospitais estão destruídos. O sistema educacional entrou em colapso completamente.

E então, a aceleração desse tipo de devastação, eu não acho que tenhamos visto desde talvez o genocídio em Ruanda. E acho que, somando-se a isso, para aqueles de nós, é claro, preocupados com a situação, é a falta de atenção ao conflito. Claro, os olhos estão em outros lugares, mas isso tem sido um aspecto realmente problemático desse conflito até agora.

Juan González | E, professor, você observou que esta é uma guerra que não tem apoio de nenhum lado entre o povo sudanês. Você poderia falar sobre isso e também sobre as raízes deste conflito, remontando à revolução de 2017 e 2018, e como isso informou as atuais partes em guerra?

Khalid Mustafa Medani | Sim, absolutamente. Eu acho que um dos aspectos muito únicos desta guerra em particular, e os sudaneses locais têm insistido, incluindo em Darfur, uma das regiões mais devastadas, é que esta não é uma guerra civil, mas essencialmente uma guerra entre dois generais: de um lado, Abdel Fattah al-Burhan, que é o chefe das Forças Armadas do Sudão, e do outro lado, o líder da milícia Mohamed Hamdan Dagalo, conhecido como Hemedti.

E enquanto, em geral, as guerras civis são caracterizadas por dois grupos com algum tipo de significativo apoio da sociedade civil e da sociedade civil apoiando um lado ou outro, neste caso particular, a guerra não tem absolutamente nenhuma legitimidade na sociedade civil e nenhum real apoio para nenhum lado. E isso, eu acho, é único na história dos conflitos na África e, eu argumentaria, em outros lugares também.

O motivo para isso tem muito a ver com o que você disse, e isso é que a origem e a raiz da guerra realmente está na revolução de 2018, 2019, que muitas pessoas acompanharam em todo o mundo. E o que foi único sobre essa particular revolução pró-democracia é que ela abrangeu todo o país. Não foi apenas nas áreas urbanas. Não foi apenas nas áreas rurais. Não foi apenas sudaneses de classe média.

Mas sudaneses de todas as classes sociais, sudaneses de todas as regiões, de todas as etnias, se levantaram no final de 2018 como resultado da implementação de políticas econômicas que aumentaram o preço dos bens de consumo, e se expandiu ao longo de um período de seis meses, levando, como vocês provavelmente sabem, à queda e à deposição de um regime autoritário liderado por Omar al-Bashir que durou 30 anos e executou ou conduziu três diferentes guerras no país.

Essa é realmente a origem, para os telespectadores e ouvintes entenderem, porque esta guerra é essencialmente uma guerra contra aquela revolução. É uma guerra contra o povo sudanês. Ambos esses generais, embora tenham uma grande competição por recursos, por poder político, têm uma coisa em comum, e é o medo desse tipo de potencial revolucionário, e essencialmente, o medo da sociedade civil sudanesa.

É por isso que, além de toda a devastação que temos falado, um aspecto chave do direcionamento tem sido civis. Civis, é claro, têm sido as maiores vítimas, e não aleatoriamente. Estou falando não apenas de médicos e jornalistas, mas também de ativistas e membros daquilo que chamamos no Sudão e são bem conhecidos por serem os comitês de resistência de base que lideraram a revolução. Essas pessoas estão sendo alvo e mortas ou expulsas do país ou forçadas a sair do país. E isso se torna um aspecto realmente importante da raiz desse tipo particular de conflito no Sudão.

Juan González | E você poderia também falar sobre a influência dos governos estrangeiros no conflito em impedir um cessar-fogo, e especialmente o Egito e os Emirados Árabes Unidos? E onde está a União Africana nisso?

Khalid Mustafa Medani | Bem, é muito importante entender que as forças externas tiveram muito a ver com o apoio a uma frágil coalizão entre líderes civis e líderes militares. Naquele momento, havia uma aliança entre esses dois generais em guerra, o que eu acho que é muito importante entender. Devido ao contínuo protesto pela democracia no Sudão, até o final de 2022, houve algo chamado acordo-quadro, basicamente conversas para reunir líderes civis e esses generais a fim de supervisionar uma transição para a democracia.

Isso foi supervisionado pela comunidade internacional — em particular, os Estados Unidos, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, a UE. E a gênese do envolvimento externo e o fracasso em levar o Sudão a uma transição pacífica e democrática realmente precisam ser entendidos nesse contexto.

Foi nesse ponto, eu argumentaria, que o fracasso em alcançar uma transição civil ocorreu, e foi, é claro, resultado das maquinações desses dois generais, mas também da falta de visão com relação aos atores externos na época, especificamente a falta de inclusão das próprias forças e grupos e juventude e comitês de resistência e organizações da sociedade civil que realmente foram aqueles que se mobilizaram pela revolução.

Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), milhares de pessoas atravessam as fronteiras para sair do Sudão todos os dias (Foto: Tiksa Negeri / ACNUR)

Então, isso é realmente importante. O fracasso do acordo-quadro, ele foi acelerado. Ele não foi inclusivo. E, é claro, como você sabe, o catalisador para esta guerra começou no contexto de uma questão controversa sobre a fusão das milícias no exército permanente. Isso, é claro, teria levado à falta de autonomia e poder do líder da milícia que foi para a guerra contra as Forças Armadas do Sudão, e ao mesmo tempo, é claro, as Forças Armadas do Sudão, Burhan à frente, estavam muito preocupadas em ter duas instituições de comando e controle.

Na essência, ele queria controlar o país. Então, para responder à sua pergunta sobre os atores externos atualmente, essa é a gênese da falta de visão deles em realmente apoiar a revolução, em minha opinião.

E para trazer até hoje, a variedade de interesses — o interesse do Egito e o apoio às Forças Armadas do Sudão, o apoio dos Emirados Árabes Unidos à milícia, o apoio da Arábia Saudita também às Forças Armadas do Sudão — levou à situação em que temos até três ou quatro diferentes iniciativas de paz — uma na Arábia Saudita liderada pelos EUA, uma em Djibouti liderada pela IGAD, o bloco regional, outra liderada pelos Emirados Árabes Unidos que foi realizada recentemente no Bahrein — basicamente, iniciativas de paz concorrentes que obstruíram, em primeiro lugar, uma resolução para o conflito em termos de implementação de um cessar-fogo, mas também motivaram esses dois generais, porque, basicamente, eles estão utilizando seus patronos, sejam forças externas, para perpetuar a guerra contra o povo sudanês.

Então, espero que faça sentido. Mas nós realmente temos que voltar e entender os fracassos iniciais da comunidade internacional em realmente implementar um acordo de paz que realmente satisfaria, você sabe, meio que as raízes dos problemas no Sudão, mas mais especificamente essas forças, incluindo comitês de resistência, jovens, organizações da sociedade civil, que se mobilizaram para a revolução.

A razão pela qual menciono isso é que qualquer resolução para este conflito exigiria voltar a isso e entender, dado que esta é uma guerra contra a população civil, o apoio deve ser dado à população civil e imediatamente ser incluído em qualquer iniciativa de paz que busque resolver este conflito.

Amy Goodman | Professor, na segunda-feira, o presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que doadores prometeram mais de US$ 2 bilhões para o Sudão. Ele estava falando em uma conferência internacional em Paris com o objetivo de aumentar a ajuda humanitária ao Sudão.

Presidente Emmanuel Macron | “Mesmo que hoje haja muitos conflitos e existam conflitos que são mais cobertos pela imprensa e pelos esforços diplomáticos, nosso dever era deixar claro que não estamos esquecendo o que está acontecendo no Sudão, que permanecemos mobilizados, que não há dois pesos e duas medidas. … Podemos anunciar que mais de 2 bilhões de euros serão mobilizados para as mulheres e homens do Sudão. Antes desta conferência, tínhamos um compromisso de 190 milhões de euros. Esta noite, estamos em 2 bilhões de euros para o Sudão.”

Amy Goodman | Então, esse é o presidente francês Emmanuel Macron nesta conferência internacional em Paris. Se você puder falar também sobre o papel da França, mas, de forma geral, o que a comunidade internacional pode fazer para ser mais solidária na conclusão desta guerra?

Khalid Mustafa Medani | Bem, é claro que são boas notícias. A prioridade, é claro, é enfrentar a crise humanitária. Não há absolutamente nenhuma dúvida sobre isso. Os 2 bilhões de euros são importantes. Houve muitas iniciativas diferentes por parte das Nações Unidas. Muito poucas atingiram as metas. E esta é uma das razões pelas quais Médicos Sem Fronteiras chamaram isso de um fracasso da humanidade, por causa da falta de compromissos e apoio dos doadores.

Os 2 bilhões de euros são importantes, mas é muito importante entender que um dos aspectos centrais deste conflito é a maneira como essas duas partes estão usando a entrega de alimentos e ajuda como arma de guerra, não apenas em termos de direcionamento a trabalhadores humanitários, mas também criando bloqueios burocráticos, recusando autorizações para trabalhadores humanitários.

E a razão pela qual menciono isso é que os 2 bilhões são extremamente importantes, mas o problema é que sem uma intervenção política realmente vigorosa, sem entender que esta ajuda deve ser realmente implementada ou utilizada no contexto simultâneo com uma intervenção política vigorosa que busque parar a guerra — e a razão pela qual digo isso é que um dos problemáticos mais importantes no momento, como mencionei, é a falta de uma coordenação coerente por parte dos atores externos, com França e a UE, é claro, prometendo esse dinheiro, Canadá e Estados Unidos aplicando sanções contra esses dois generais, mas uma falta de coordenação que incluiria, A, organizações da sociedade civil para definir a agenda de um cessar-fogo e implementar esse tipo de cessar-fogo. E também, este tipo de compromisso, embora seja tão importante, realmente não compensa a destruição das redes de distribuição no Sudão.

A ajuda é um aspecto absolutamente importante, mas o que está acontecendo agora é tão grave em termos de insegurança alimentar e a fome, que o apoio dos sudaneses locais, incluindo organizações que foram transformadas de comitês de resistência em associações voluntárias, como salas de resposta de emergência.

Então, o que precisamos é, A, uma intervenção política muito vigorosa, coordenação entre os diferentes atores. E estou falando dos países do Golfo, dos Estados Unidos, da Europa e dos países africanos. Todos eles têm interesse neste conflito. A razão pela qual este compromisso foi realizado — uma das razões — é o reconhecimento por parte dos atores externos, para ser bem honesto, Amy, de que não apenas há uma enorme crise humanitária, mas o efeito de derramamento pela região, a região do Mar Vermelho, as áreas estratégicas que são de tanta preocupação para os países do Golfo, para os Estados Unidos, para a Europa, a questão da migração.

Tudo isso exige um entendimento coordenado do problema ou da intervenção, que todos têm muito a perder com este conflito. Portanto, o compromisso é importante e muito, muito útil e vital, mas sem uma intervenção política coordenada que inclua forças da sociedade civil e apoie organizações sudanesas locais, como as salas de resposta de emergência, a Associação de Darfur e outras, realmente não veremos a restauração da paz.

Juan González | E, professor, eu só tenho uma pergunta que talvez você possa abordar brevemente. Uma guerra dessa duração obviamente requer armas. Quem está fornecendo armas para ambos os lados? E o que poderia ser feito para pressionar os fornecedores de armas das partes em guerra?

Khalid Mustafa Medani | Bem, o problema é que na região do Sahel, na África, em geral, o contrabando de armas é algo muito difícil de controlar completamente, o que chamamos de comércio de armas leves, que realmente abrange toda a região do Sahel. Uma das questões sobre o fornecimento de armas para as milícias tem a ver anteriormente com o fornecimento de armas que foi trazido pelos Emirados Árabes Unidos.

Isso é algo bem conhecido. O grupo Wagner russo também facilitou armas para a milícia. As armas que as Forças Armadas do Sudão têm, é claro, em primeiro lugar têm a ver com seu próprio estoque. São as Forças Armadas do Sudão e receberam muitos suprimentos de armas recentemente à medida que começaram a perder a guerra, principalmente após a queda de Gezira, o estado central. Eles têm recebido armas e drones do Irã como último recurso por causa da grave situação em que se encontram.

Portanto, temos países do Golfo envolvidos, o Irã envolvido, o comércio de armas leves. Isso requer, é claro, muita atenção. Foram implementadas sanções contra o financiamento dessas armas pelas corporações dos líderes das milícias e das Forças Armadas do Sudão, que são apoiados, quero acrescentar, por islâmicos extremistas, como a única pequena coalizão restante para apoiá-los. Então, há um complexo de atores externos e comércio informal de armas.

Isso é importante prestar atenção, mas sem realmente olhar para as formas de implementar um cessar-fogo e restaurar a paz, é apenas uma política ou intervenção paliativa. Portanto, é importante, mas, mais uma vez, temos que realmente trazer esses atores regionais para o jogo.

Os Estados Unidos, como você sabe, finalmente nomearam um enviado especial para o Sudão, que tem, interessantemente, reiterado muito do que estou dizendo. E isso é que precisa haver uma coordenação entre os atores regionais, o fim do fornecimento de armas por certos atores às diferentes partes em guerra. E, interessantemente, ele também enfatizou a importância de levar a sociedade civil a sério. E eu também gostaria de mencionar isso — e isso é muito importante — que ele também mencionou, como a maioria dos sudaneses mencionou, apesar da gravidade deste conflito, há apenas uma solução e apenas um interesse por parte da maioria dos sudaneses — 99% dos sudaneses — e isso é a restauração da plena democracia civil.

Eu sei que é contra-intuitivo. Parece difícil nesta fase pensar pós-guerra no Sudão. Mas há, eu acho, que mesmo se o enviado americano reconheceu, como eu disse neste programa algumas vezes, que por causa da falta de constituência, da falta de legitimidade, dos objetivos políticos e econômicos venais, instrumentais e interesseiros desses dois lados em guerra, não há absolutamente nenhuma outra maneira de resolver esse conflito senão apoiar a vasta maioria da população civil e sudanesa, dentro e fora, e continuar com o que chamamos de objetivos do que os sudaneses chamam de al-Thawrah Majida, a Revolução Gloriosa.

Isso é realmente a única solução. E isso é o que até mesmo o enviado especial dos EUA reiterou, e eu argumentaria, principalmente porque ele tem conversado com sudaneses.

Amy Goodman | Khalid Mustafa Medani, queremos agradecer muito por estar conosco, professor associado de ciência política e estudos islâmicos na Universidade McGill, também presidente do programa de estudos africanos.

Democracy Now!
Revisão: Carolina Ferreira


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Amy Goodman

LEIA tAMBÉM

Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
Joseph-Stiglitz
Nobel de Economia defende reforma tributária nos EUA que cobre mais dos super riscos
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente