Pesquisar
Pesquisar

Após Cúpula das Américas, reunião da Otan é próximo teste ao imperialismo dos EUA

Em Madri, entre os dias 28 e 30 de junho, estrategistas da derrota no Donbass terão que pôr a culpa um nos outros pelo fracasso de seus planos belicistas
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul
Lima

Tradução:

Neste sugestivo mês de junho, o mundo tem a possibilidade de conhecer dois eventos, quase em paralelo, iluminados por um mesmo signo. A IX Cúpula de Chefes de Estado, concluída na sexta-feira passada sem pena nem glória, e a da OTAN, que terá lugar de 28 a 30 de junho em Madri, orientada a “coordenar ações” para salvar Zelensky e enfrentar a guerra na Ucrânia.

Não há dúvida que ambos os eventos foram inscritos na ideia de servir ao Governo dos Estados Unidos para alimentar a tradição imperial e fazê-la mais ostensiva diante dos olhos do mundo. Na América, reeditando as ilusões de James Monroe, e na Europa alentando o renascimento do Nazismo como forma de recuperar – com uma estratégia belicista – a iniciativa global.

Cúpula das Américas: EUA se enganam ao tentar curvar América Latina aos seus serviços

Debilitada desde seu início pela ausência de um triângulo que tira o sono à Casa Branca, o encontro da Califórnia registrou notáveis ausências. Oito presidentes da América hispânica deixaram vazio um lugar que não pode ser ocupado por ninguém. 

Como ocorreu em outros casos, o silêncio que acompanhou seu gesto, resultou mais eloquente que todos os discursos que foram pronunciados em um evento no qual o único que brilhou foram as luzes do palco. Pelo resto, Almagro pagou caro, porque lhe perfilaram, uma a uma, suas falcatruas. 

Em Madri, rangerão também as arestas de uma aliança militar que tem tudo a perder, e que se empenha em prolongar uma guerra usando a Ucrânia como bucha de canhão para sua estratégia de domínio mundial. 

Quando for narrada a história de IX Cúpula das Américas, deverá ser admitido que a ausência dos Chefes de Estado de Cuba, Venezuela, Nicarágua, México, Bolívia, Honduras, El Salvador e até Uruguai, que faltou por outras razões, resultou mais sonora que a ordinária vertigem falante de quem esteve aí, uns para acomodar-se placidamente à sombra do anfitrião e outros para expressar seu desacordo com uma “linha de trabalho” hegemônica, excludente e sectária, profundamente ferida pelo que inquestionavelmente constitui um rechaço às suas velhas práticas imperiais. 

Em Madri, entre os dias 28 e 30 de junho, estrategistas da derrota no Donbass terão que pôr a culpa um nos outros pelo fracasso de seus planos belicistas

Reprodução – Twitter

Este não é já o momento do passado em que a voz de Washington era norma e lei para todos

Pedro Castillo se equivocou de reunião. Devia concluir sua tímida alocução com uma precisa frase de Bolívar: “Para nós, a Pátria é a América. Nossa consigna, a Independência e a Liberdade!”. 

Em Madri as coisas não marcharão como desejariam os chefetes dessa guerreira armação. Os estrategistas da derrota no Donbass terão que pôr a culpa um nos outros pelo fracasso de seus planos belicistas.

Após cúpula esvaziada, EUA dizem ser “força mais potente em guiar ações” das América

Os grandes temas, regem um e outro certame. Em Los Angeles, desde diversos ângulos, foi expressado o desacordo de muitos com a exclusão de países da região por razões de ordem política ou ideológica. Ninguém tem o direito de discriminar, foi dito, e menos de impor ausências forçadas. A “lei do mais forte” é incompatível com a democracia que se apregoa, mas, sobretudo, com a realidade que nosso tempo impõe. 

Porque este não é já o momento do passado em que a voz de Washington era norma e lei para todos. Nem tampouco a etapa na qual o servilismo e a obediência constituíam o comum denominador entre governos párias e mandatários submissos.

Nesse aspecto, de Cuba se falou com meridiana clareza em torno ao bloqueio genocida que já cumpriu mais de 60 anos e adicionalmente, se sublinhou o avanço que em temas de saúde e medicina alcançou o maior das Antilhas, que superou largamente inclusive aos próprios Estados Unidos de América do Norte, não só no plano da Medicina-Ciência, mas sim também no papel social que cumprem os médicos cubanos em diversos confins do planeta. 

Mas nem a Venezuela nem a Nicarágua estiveram ausentes do interesse e da preocupação dos hóspedes da Califórnia. Ninguém que se respeite minimamente se mostrou de acordo com a discriminação de que foram objeto as pátrias de Bolívar e de Sandino. 

Ausência de propostas concretas de Biden confirma irrelevância da Cúpula das Américas

E quanto à primeira, ficou claro que nem sequer o Presidente dos Estados Unidos reconhece Juan Guaidó.  E é que hoje, esse obscuro personagem de fancaria não está em capacidade de vender aos EUA nem um barril de petróleo. 

No encontro que haverá de celebrar-se na Península Ibérica, não faltarão tampouco as discrepâncias. O fracasso das “sanções” contra a Rússia será motivo de preocupação mais do que severa; a perda de material de guerra entregue pelos Estados Unidos e outras potências à Ucrânia, gerará um clima de insegurança absoluta; mas para os vendedores de armas, o tema aparecerá como um reluzente negócio. 

Não obstante, uns e outros, ouvirão as palavras de Angela Merkel e a retirada da Chanceler germana, contra as pretensões de Kiev. Elas constituem um mínimo de realismo, tanto nos líderes do ocidente quanto na hora atual. Suécia, Finlândia e Ucrânia ficarão na lista de espera porque as portas do consórcio militar não se lhe abrirão. 

Hoje, nem a América nem o Mundo estão para alimentar ódios, manter bloqueios nem alentar conflitos. A hora dos povos marcha por um caminho distinto. É o momento de falar de paz, portanto, aqui cabe desativar a política genocida na América e pôr fim à estratégia belicista na Ucrânia. 

Uma e outra quebraram nos fatos, e infligiram danos imensos à humanidade do nosso tempo. 

E é que só levaram sangue e morte a distintos confins do planeta.

Gustavo Espinoza M. é colaborador da Diálogos do Sul em Lima, Peru.
Tradução Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes