Pesquisar
Pesquisar

Após mentiras, cientistas cubanos propõem a Biden uma cooperação maior do que confronto

Os signatários do documento - em poucos dias já conta com o apoio de 5.593 pessoas no mundo - expõem que a declaração "não reflete a realidade cubana"
Juan Carlos Díaz Guerrero
Prensa Latina
Havana

Tradução:

Enquanto as verdades expostas por cientistas cubanos em uma carta ao presidente Joe Biden ganham credibilidade com o aumento sistemático de assinaturas, um relatório revela as falácias dos Estados Unidos diante da pandemia.

As acusações do presidente dos Estados Unidos de qualificar Cuba como um “Estado falido” em 15 de julho e de questionar seu sistema de saúde vão de encontro aos argumentos apresentados por especialistas caribenhos.

Os signatários do documento – em poucos dias já conta com o apoio de 5.593 pessoas no mundo – expõem que a declaração de Biden “não reflete a realidade cubana” e lamentam que a desinformação de “mal-intencionados” influencie suas decisões políticas.

No texto, os cientistas cubanos mencionam marcos da Saúde Pública da ilha promovidos desde os primeiros anos da Revolução, como o Programa Nacional de Imunizações, que abrange todo o país, e que Cuba hoje possui com vacinas únicas no mundo alcançadas pela ciência nacional.

Sobre o tema:
“Repita uma mentira e ela se transformará em verdade”: os discípulos de Goebbels voltam a atacar Cuba

“A vacinação faz parte do sistema de saúde pública universal de nosso país, gratuita para todos os cubanos, independentemente de sua condição socioeconômica, política, religião, sexo ou raça”, destacam os especialistas.

Entre os exemplos, a carta se refere ao desenvolvimento em 1989 da primeira vacina eficaz do mundo contra a meningite B, doença que mata 300 mil pessoas no mundo a cada ano e deixa sequelas para um em cada cinco afetados, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) .

Os signatários do documento - em poucos dias já conta com o apoio de 5.593 pessoas no mundo - expõem que a declaração "não reflete a realidade cubana"

Prensa Latina
Cientistas cubanos rebatem falsas acusações de Joe Biden.

Embora derrotar a meningite seja uma das metas da OMS para 2030, na ilha essa doença não é um problema de saúde há muito tempo.

O documento também se refere ao fato de que desde 1999 todos os cubanos estão protegidos “contra 13 doenças fatais”, incluindo difteria, tétano e coqueluche, das quais oito vacinas são fabricadas em Cuba, enquanto as taxas de vacinação infantil ultrapassam os 99%.

Os especialistas, diante das ameaças compartilhadas pela mortal doença, propõem a Biden uma cooperação maior do que o confronto e afirmam que se o governo dos Estados Unidos realmente quiser “ajudar os cubanos”, reverterá as 243 medidas punitivas aprovadas por Donald Trump.

Após as tiradas do presidente contra Havana, um relatório divulgado em 9 de agosto pelo Instituto Chongyang de Estudos Financeiros da Universidade Renmin da China (RDCY), juntamente com seus homólogos Taihe e Intellisia, relatou a situação no norte do país.

Intitulada “Os Estados Unidos são o número um? A verdade sobre a resposta dos Estados Unidos ao COVID-19”, a investigação aborda cinco aspectos associados à resposta de Washington à pandemia SARS-CoV-2, que causa a Covid-19.

São eles: competição entre partidos, não para a vida; medidas anti-científicas e anti-senso comum; as falhas do sistema tornam a pandemia difícil de controlar; a pandemia exacerbou a lacuna social e a destruição deliberada da resistência global à pandemia.

O estudo dos três centros do pensamento chinês mostra que o fracasso estadunidense em enfrentar a pandemia decorre do caráter lucrativo do capitalismo, por reconhecer que ele atua no interesse do capital e a favor dos “mais fortes” confrontados com a atual crise de saúde.

Nesse sentido, ele destaca que entre março de 2020 e janeiro de 2021, a riqueza combinada de mais de 600 bilionários estadunidenses aumentou 38,65%, de 2.947.000.000 de dólares para 4.085.000.000, enquanto o hiato entre ricos e pobres a diferença aumentou ainda mais.

Em relação às taxas de vacinação contra a Covid-19, a RDCY e seus pares afirmam que nos Estados Unidos até março passado, em 38 estados da União e no Distrito de Columbia, três brancos foram vacinados para cada dois afro-americanos e um hispânico.

Leia também:
Com vacina própria, Cuba iniciará fase de testes para vacinar crianças contra Covid-19 em setembro

Um estudo realizado no ano passado pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças revelou que, como consequência da pandemia e da contração econômica, 10,7% dos estadunidenses consideraram o suicídio como uma opção, 40,9% disseram ter problemas de saúde mental e 13,3% disseram que começaram ou aumentaram uso de drogas.

Talvez o que foi dito pelo reitor executivo da RDCY, Wang Wen, resuma a investigação afirmando que colocar os Estados Unidos como o primeiro país a lidar com a pandemia é um desrespeito pela história e até pela ética humana.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Carlos Díaz Guerrero

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU