Pesquisar
Pesquisar

As meninas mães do Paraguai

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Javier Rodríguez*

BebeManos_JlhopgoodCC-BY-ND-2.0_Flickr_050315Nos últimos anos continuaram multiplicando-se as pesquisas, as análises e as preocupações no Paraguai com relação ao crescente número de meninas e adolescentes que engravidam em situações irregulares, transformando-se em mães em idade excessivamente precoce.

Estudos de organizações internacionais, de entidades não governamentais, defensores de direitos humanos de crianças e jovens deram o alarme diante de uma situação admitida pelo Governo e evidentemente fora de controle.

As últimas estatísticas mostram, às vezes até de forma incompleta, segundo os especialistas, o drama das que muitos já chamam de as “meninas mães” do Paraguai, com seu indubitável impacto social, econômico e psicológico, não só sobre elas como sobre amplos setores da população.

Segundo os últimos dados publicados, uma em cada quatro mulheres grávidas no Paraguai é adolescente, com 15 a 19 anos, enquanto as de 20 a 23 anos já tiveram, pelo menos, mais de uma gravidez.

O Paraguai tem a segunda maior taxa de adolescentes grávidas, com 63 nascimentos para cada mil mulheres, sendo que 38% dessas jovens mães começam a ter seus bebês antes de fazer 20 anos, segundo o Fundo de População das Nações Unidas.

Por sua parte, a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), alertou sobre o contínuo aumento de situações desse tipo entre meninas e adolescentes do país guarani, não deixando de indicar a urgência de que as consequências sociais e econômicas sejam enfrentadas com políticas públicas integrais, para evitar duros cenários, facilmente visíveis nas zonas rurais, mas também nas ruas de grandes cidades e desta capital.

As taxas de gestação precoce no Paraguai são muito altas, pois cada ano o sistema de saúde registra cerca de 600 partos em meninas de 10 a 14 anos, cuja gravidez é, na maioria das vezes, resultado de abuso sexual, poucas vezes denunciado ou castigado, explicou à imprensa a responsável da ONU no Paraguai pela Saúde Sexual e Reprodutiva, Adriane Salinas.

Outros 20 mil casos são registrados anualmente em adolescentes entre 15 e 19 anos, algo que constitui um problema social e econômico com consequências diretas para a jovem grávida e para a sociedade.

A vida prova continuamente que o risco de morte para as meninas entre 10 e 14 anos é cinco vezes maior do que para uma mulher  biologicamente preparada para desenvolver um processo sadio, enquanto no caso das adolescentes entre 15 e 19 anos as possibilidades de falecimento são duas vezes mais altas.

Em boa parte, senão na maioria dos casos, as meninas mães enfrentam o perigo de que seus filhos morram, porque podem ter problemas de baixo peso, consequência da situação biológica da mãe e das altas taxas de pobreza existentes no país, que afetam tanto a alimentação de progenitoras e bebês quanto as condições vulneráveis de moradia, acesso a água potável e outros recursos necessários para manter-se em condições minimamente razoáveis.

Outras consequências que enfrenta uma considerável porcentagem das novas mães paraguaias são as de verem-se obrigadas a assumir o papel de mães solteiras devido ao abandono dos pais, e, portanto, ter que renunciar a sua volta ao sistema educacional, dedicando-se então a lutar, muitas vezes com pouca sorte, para conseguir um trabalho digno para seu sustento e o de seus filhos.

O Paraguai é um país onde o aborto é proibido por lei; no entanto, cada ano é registrado um importante número de casos de violações da lei, sem que as mulheres e meninas envolvidas tenham assistência legal que lhes permita fazer frente a esta violência exercida sobre elas.

Por fim, o país tem a taxa mais alta, entre 16 outros países latinoamericanos, de mulheres que morrem devido a complicações relacionadas à gravidez e ao parto, em sua maioria menores de 20 anos, pois nove de cada 100 mil falecem por essas razões.

Se se acrescentar a falta de uma política de educação e mesmo de informação de tipo sexual em escolas ou centros de difusão, pode-se compreender também o repúdio ou desconhecimento quanto ao uso de anticonceptivos que, em determinados casos, poderiam constituir uma ajuda.

Finalmente, a responsabilidade social do Estado e do governo paraguaios neste assunto tão delicado é fácil de detectar nos bolsões de pobreza presentes nas cidades, onde proliferam meninos e meninas em condições muito difíceis, correndo o risco de ser futuras vítimas de um panorama que se repete como um círculo vicioso.

 

*Prensa Latina, de Assunção do Paraguai, especial para Diálogos do Sul – Tradução de Ana Corbisier

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Mulheres palestinas
Organizações do Brasil e do mundo se unem em apoio às mulheres palestinas
Trump se agarra ao muro e acelera campanha pela sua reeleição em meio a pandemia
Atos políticos e manifestações por igualdade de gênero ganham força no Oriente Médio
Dos campos às cabines de TV: as meninas também jogam (e entendem de) futebol
Uruguai: sociedade traça estratégia nacional para atingir igualdade de gênero em 2030