Pesquisar
Pesquisar

Às vésperas da eleição presidencial, imigração é tema chave para candidatos na França

A lógica por trás das propostas é precisamente a mesma: abrir as portas aos cidadãos do mundo, esquecendo quem precisa de asilo e refúgio
Andreia Galvão
Esquerda.Net
Paris

Tradução:

A menos de duas semanas das eleições presidenciais, a vitória, que se adivinhava disputada, passou a ser tomada como garantida. A Guerra na Ucrânia atirou a direita francesa para os braços de Macron, o estadista, que não recusou o convite. Num tempo em que a imigração é pauta fundamental, qual a visão dos candidatos ao Palácio do Eliseu

Aproximam-se as eleições. Sente-se cada vez mais eminentemente, e que os rostos, as marchas e as iniciativas dos candidatos estão cada vez mais presentes no espaço público.

As notícias bombardeiam os cidadãos com as declarações, as propostas e as controvérsias de cada uma das pessoas na corrida para o cargo ocupado neste momento por Emmanuel Macron.

As ruas, as faculdades são cobertas com cartazes sobre os candidatos, apelando às suas reuniões, às suas iniciativas. As próprias aulas na faculdade tocam no assunto mais relevante da atualidade do país: que programa para França até 2027?

Como filha de imigrantes, o que se propõe neste campo é-me, pessoalmente, bastante importante. Sempre me surpreendeu o quão banalizadas se tornaram as propostas de pessoas como Éric Zemmour, de Marine Le Pen, que propõem a política de “imigração zero” para França e que se preocupam com “a grande substituição dos cidadãos franceses”.

França: Macron é favorito, Le Pen aparece em segundo e esquerda não decola na corrida à presidência

Na verdade, num dos primeiros dias em que cheguei vi uma mobilização de poucas dezenas de pessoas a reagir às políticas racistas, que não eram poucas. Mas uma mobilização como tantas outras que marcam o dia-a-dia das convulsões parisienses, depois das quais a vida simplesmente continua.

A lógica por trás das propostas é precisamente a mesma: abrir as portas aos cidadãos do mundo, esquecendo quem precisa de asilo e refúgio

European Parliament / Wikimedia Commons
O próprio presidente Emmanuel Macron mantém uma posição ambígua sobre este tema




Valérie Pécresse

Valérie Pécresse, uma candidata do que se chama aqui a direita moderada, propõe outro programa para a imigração, no sentido de moderar a radicalidade destes candidatos.

Quer uma imigração seletiva, com teto máximo de pessoas por país, profissão e por ano. Para o conseguir, quer uma mudança constitucional, de modo a cristalizar esta proposta.

Parece-me estranho como possa manter esta designação de moderada quando a lógica por detrás destas propostas é precisamente a mesma: de manter uma “Europa-fortaleza”, onde só os cidadãos do mundo têm direito a entrar, esquecendo quem precisa de asilo e quem precisa de refúgio.

O próprio presidente Emmanuel Macron mantém uma posição ambígua sobre este tema, querendo, por um lado, endurecer as políticas de deportação e, por outro, repensar a lógica republicana de recepção aos imigrantes. Opõe-se à “França de braços abertos” proposta, por exemplo, por candidatos como Jean-Luc Mélenchon.

Em carta a Macron, militares franceses falam em “guerra civil” ao criticar “concessões” ao islamismo na França

Nas televisões e nas ruas sente-se a tensão racial, especialmente no que toca à intervenção policial. Relatos sobre abusos e violência circulam frequentemente nos noticiários e, no dia-a-dia, sente-se a autoridade de uma polícia mais equipada, mais armada, sobre as quais os manifestantes olham, também vigilantemente.

Os candidatos têm-se posicionado, igualmente, sobre esse tema. Enquanto pessoas como Yannick Jadot pretendem um programa de reestruturação das forças policiais para policiamento de proximidade às comunidades, Pécresse quer modernizar os equipamentos da polícia (de modo a poder, por exemplo, haver drones durante as manifestações), aumentar as verbas públicas para este setor.

O que está em jogo são várias Franças diferentes. Há um grande debate que se tornou aceso durante a governação de Nicolas Sarkozy, mas que está sublinhado no dia-a-dia, nas faculdades, em todo o lado: numa era de globalização e migração, a escolha do próximo presidente está ligada ao significado da nacionalidade. O candidato centrista Emmanuel Macron e a candidata ultranacionalista Marine Le Pen têm pontos de vista opostos sobre o que significa ser francês. Contestam, por exemplo, a posição do país no continente e o caminho que este deve seguir no seio da União Europeia.

A crise de identidade é evidente quando Emmanuel Macron e Marine Le Pen tentam apropriar-se politicamente da figura de Joana d’Arc, a santa guerreira queimada viva em 1431, que se seguiu às primeiras tentativas de o fazer por Jean-Marie Le Pen.

Parece-me ser, evidentemente, uma escolha entre o passado e o futuro. Resta saber que impacto terá esta discussão no seio da União Europeia e para nós, em Portugal.

*Artigo publicado em A Sentinela, a 30 de março de 2022

Andreia Galvão, Estudante e ativista da Greve Climática Estudantil.



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia alimentou extrema-direita na UE
246b5cfe-7d91-4985-ae5b-374b4de380be
Após fracasso do "bloco do retrocesso", siglas regionalistas é que vão definir futuro espanhol
cf32429d-ab6a-4498-a7de-e71017970143
Sánchez: Mais que disputa de partidos, há nestas eleições uma ameaça real sobre a Espanha
365da2a6-b1be-4f30-ad19-87e2e4ba6ac2
Eleições na Espanha: direita pode levar Presidência, mas não forma maioria no Parlamento