Pesquisar
Pesquisar

Avança o diálogo entre Cuba e a União Européia

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Joel Michel Varona*

Abelardo Moreno, vice chanceler cubano. Foto: Ismael Francisco/Cubadebate. Abelardo Moreno, vice chanceler cubano. Foto: Ismael Francisco/Cubadebate.

As delegações de Cuba e da União Europeia (UE) voltarão a encontrar-se em novembro próximo em Bruxelas para continuar um amplo diálogo, que, segundo se considera, mostra avanços e matiza o otimismo.

O Ministério de Relações Exteriores de Cuba (Minrex) serviu desta vez de sede à quinta reunião bilateral para a conclusão de um acordo de diálogo político e cooperação entre ambas partes, o qual transcorreu em um ambiente de respeito e profissionalismo, na opinião dos chefes das comitivas.

Ao fazer uma avaliação do encontro, o vice ministro cubano Abelardo Moreno assegurou que existe uma lista quase interminável de elementos que permitem potencializar, expandir e aprofundar a cooperação entre a ilha caribenha e a UE.

Avançamos paulatinamente em alguns dos temas fundamentais desta proposta de convênio, que consta de três partes, uma de cooperação, uma segunda sobre comércio e outra acerca do diálogo político, explicou.

Nesta ocasião, praticamente concluímos no essencial a relacionada ao comércio, afirmou Moreno, acrescentando que existe um avanço no que se refere à cooperação, faltando apenas detalhes.

Iniciamos uma análise pormenorizada sobre o diálogo político e identificamos os temas fundamentais que serão objeto dessa parte, como a luta contra a discriminação, direitos humanos e o tráfico de armas pequenas e leves, entre outros.

Os resultados – afirmou ainda – correspondem às expectativas, pois os temas que interessam tanto à UE quanto a Cuba estão presentes nos projetos.

Em muitos aspectos existem enfoques diferentes, mas as partes vão aceitando posições no decorrer das negociações, e isso responde também às expectativas, comentou o vice ministro.

Não existem pontos de desacordo, e sim diferenças de enfoque, insistiu Moreno.

Por exemplo, em matéria de direitos humanos, migrações, em alguns elementos sobre o desarmamento, há enfoques diferentes.

Ambas as partes estão de acordo em que a democracia é uma decisão dos povos, de acordo com suas experiências históricas, culturais e políticas entre outros fatores, informou o vice ministro.

Também convergimos em matéria de luta contra o narcotráfico, a lavagem de dinheiro, a corrupção, o terrorismo e o tráfico de pessoas, além de aceitar os direitos a educação, saúde pública, emprego, energia, transporte, proteção social, do consumidor, entre outros.

Por sua parte, o diretor geral para as Américas do Serviço Europeu de Ação Exterior, Christian Leffler, assegurou que existe o compromisso e o ambiente para negociar com Cuba.

Leffer esclareceu que se trata de um processo complexo, mas que, com o bom trabalho preparatório realizado espera-se chegar a um entendimento global no próximo encontro.

Estamos em outro nível, queremos um quadro sólido para fortalecer as relações Cuba-UE nos próximos 20 anos, disse.

Avançamos bem e, embora a posição comum europeia date de 18 anos atrás, hoje o cenário de Cuba é diferente e queremos avançar mais na cooperação, ir além com a ilha caribenha, afirmou Leffer.

Há muitos temas complexos e é necessário avançar no terreno do entendimento, sobretudo nos tópicos em que há interpretações diferentes, insistiu.

Lembrou que a UE coopera por meio do diálogo, estabelecendo vínculos e pouco a pouco construindo confiança.

Leffer esclareceu que estamos diante de um trabalho complexo e de longo prazo, mas de nenhuma maneira tentamos impor um modelo europeu perfeito, nem um discurso; só queremos estabelecer referências sólidas, que sirvam ao diálogo e assim fortalecer a cooperação com Cuba.

Um comunicado à imprensa da UE insistiu em que os direitos humanos continuarão a ser o núcleo das relações com a maior das Antilhas, por isso o acordo incluirá disposições para estabelecer um mecanismo regular formal de diálogo sobre esse assunto.

A sexta rodada  bilateral para a conclusão de um acordo de diálogo político e cooperação entre as delegações de Cuba e da UE realizar-se-á na segunda quinzena de novembro, em Bruxelas.

O primeiro encontro de negociações ocorreu nos dias 29 e 30 de abril de 2014 em Havana e focou sua organização e modalidades. As reuniões seguintes foram realizadas em agosto de 2014 e março e junho de 2015.

 

*Prensa Latina de Havana especial para Diálogos do Sul – Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
19 pontos que comprovam os sucessos de Cuba em direitos humanos nos últimos 5 anos
O que querem Almagro e a OEA em Cuba às vésperas das eleições?
Centenário de Pérez Prado: “!Que rico suena el mambo!”