Pesquisar
Pesquisar

Bancos dos EUA "usam arco-íris", mas doam a grupos contra LGBT+, aborto e igualdade racial

Somados, patrocínios chegam a milhões de dólares, direcionados a organizações que atacam direitos humanos em território estadunidense e no mundo
Lou Ferreira
Esquerda.Net
Lisboa

Tradução:

O Bank of America e a Goldman Sachs têm sido elogiados pelos seus locais de trabalho amigáveis para as pessoas LGBTQI+. Mas os registos fiscais descobertos pela openDemocracy mostram que fundações sem fins lucrativos ligadas aos bancos também financiaram grupos ultra-conservadores que lutam para reverter os direitos civis da comunidade queer em todo o mundo.

De 2017 a 2020, a Bank of America Charitable Foundation distribuiu mais de 390 mil dólares a oito dessas organizações que, entre elas, têm resistido às leis de casamento entre pessoas do mesmo sexo e proteções anti-discriminação para pessoas LGBTQI+, contestam a contracepção e o acesso ao aborto e procuram proibir cuidados de saúde afirmativos de gênero para pessoas trans.

As cores LGBTQI que incomodam: A onda de protestos dos setores conservadores

A openDemocracy também descobriu doações da Shell Oil Company Foundation e da Motorola Solutions Foundation, bem como de fundações de caridade da Câmara de Comércio dos EUA e dos grupos de lóbi da Pharmaceutical Research & Manufacturers of America.

Entre elas, as seis organizações doaram 1,3 milhão de dólares a grupos anti-direitos ao longo de três anos, de acordo com os registos financeiros disponíveis publicamente nos Estados Unidos, onde estão registadas como organizações sem fins lucrativos e têm de divulgar algumas informações sobre as suas receitas e despesas.

Continua após o banner

RaShawn Hawkins, da Human Rights Campaign, instou as empresas a acabar com o financiamento dos grupos anti-LGBTQI+ e a “considerar o quão prejudiciais e danosas essas doações são para a comunidade, incluindo para os seus próprios funcionários LGBTQI+”.

“A comunidade LGBTQI+, particularmente as pessoas trans e não binárias, estão a ser alvo de uma onda implacável de ataques de ódio por parte de extremistas de direita”, disse ao openDemocracy. “Os empregados que veem sua empresa doar dinheiro para grupos de ódio e políticos extremistas querem que os seus empregadores sejam responsabilizados. Nós também.”

Somados, patrocínios chegam a milhões de dólares, direcionados a organizações que atacam direitos humanos em território estadunidense e no mundo

pikisuperstar/Flickr
Segundo defensores dos direitos humanos, empresas deveriam retirar o financiamento aos grupos, mas nenhuma se comprometeu a isso

Financiando o ódio

Entre 2017 e 2020, duas fundações de caridade da Goldman Sachs – a Goldman Sachs Philanthropy Fund e a Charitable Gift Fund – doaram 286 mil dólares para seis grupos ultra-conservadores. Isto inclui uma doação de 10 mil dólares em 2019 para a Alliance Defending Freedom (ADF), um grupo jurídico cristão que interveio em dezenas de processos judiciais nos EUA que contestam as leis de casamento e adoção entre pessoas do mesmo sexo e outros que apoiam médicos e empresas que se recusam a oferecer serviços a pessoas LGBTQI+.

O grupo também trabalhou para restringir os direitos das pessoas trans – aconselhando escolas públicas dos EUA a proibir alunos trans de ter acesso às instalações de acordo com a sua identidade de gênero; e a apresentar ações judiciais contra os distritos escolares por terem políticas trans-inclusivas.

“Liberdade” vira arma da extrema-direita contra os direitos de mulheres e LGBTQ+ nos EUA

Em 2020, a openDemocracy revelou que a filial da ADF nos EUA gastou mais de 21 milhões de dólares para contrariar direitos das mulheres e LGBTQI+ em todo o mundo desde 2008, incluindo mais de 20 milhões na Europa. O seu ramo no Reino Unido desafiou as “zonas tampão” livres de protestos à volta das clínicas de aborto e apoiou pedidos de provisões de “liberdade de consciência” para permitir que o pessoal médico se recuse independentemente a fornecer os cuidados de aborto legais.

O grupo de direitos civis Southern Poverty Law Center (SPLC) descreveu o ADF como um “grupo de ódio anti-LGBTQI+” e “um dos grupos mais influentes que formam o ataque do governo [da ex-administração Trump] aos direitos LGBTQI+”. Os grupos fazem parte da lista de “grupos de ódio” do SPLC se “retratarem as pessoas LGBTQ de maneira desumanizante ou explicitamente as atingirem com discriminação”.

Continua após o banner

Ao longo de três anos, os fundos de caridade da Goldman Sachs também doaram:

– 141.200 dólares para a Heritage Foundation, um think tank conservador que se opõe às proteções anti-discriminação para pessoas LGBTQI+ no local de trabalho; pressionou os legisladores federais para proibir cuidados de saúde afirmativos de gênero para jovens trans; e louvou o ex-presidente Donald Trump por adotar as suas recomendações políticas para reduzir o financiamento do atendimento ao aborto.

– 58.000 dólares para a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, que doou 30.000(link is external) para a Conferência Episcopal do Malawi (ECM) – uma assembleia local de bispos católicos no Malawi – para fins que incluem a “advocacia junto de membros do parlamento”. Alguns desses fundos foram usados para pressionar os parlamentares contra uma proposta de lei sobre o aborto, que foi retirada pelo parlamento após a oposição de grupos antiaborto (incluindo o ECM).

Massacre no Colorado: mais um resultado do discurso conservador anti-LGBTQIA+ nos EUA

Entre 2017 e 2020, duas fundações de caridade do Goldman Sachs doaram 286.300 dólares para seis grupos ultra-conservadores. Outras doações incluíram:

– 47.400 para o Focus on Family, um grupo anti-aborto que o SPLC descreveu como um “grupo de ódio” anti-LGBTQI+ e um dos “grupos que ajudam a impulsionar a cruzada anti-gay da direita religiosa”.

– 12.200 para o Leadership Institute, uma organização anti-LGBTQI+ que ajudou a liderar uma escola de treino de verão em Roma, organizada pelo grupo anti-LGBTQI+ CitizenGo, com sede na Espanha. No ano passado, a CitizenGo iniciou uma petição online para impedir que a Disneyland Paris realizasse um evento do orgulho gay. Também foi implicada numa investigação no Quênia sobre a manipulação de algoritmos do Twitter para espalhar desinformação sobre uma legislação de saúde reprodutiva que previa o acesso ao aborto seguro.

– 17.500 para a Federalist Society for Law and Public Policy Studies, uma poderosa organização jurídica conservadora ligada a seis dos nove juízes do Supremo Tribunal que ajudaram a derrubar a decisão Roe versus Wade. Os seus membros incluem o procurador-geral do Mississippi, Scott Stewart, que argumentou contra o aborto no caso Dobbs v Jackson (que resultou na anulação de Roe v Wade).

Continua após o banner

Entre 2017 e 2020, a Fundação de Caridade do Bank of America doou:

– 375.000 para o Cato Institute, um think tank “libertário” que faz campanha contra o aborto e a inclusão da contracepção no Affordable Care Act dos EUA. A organização atua em litígios anti-direitos reprodutivos e em casos de oposição às leis anti-discriminação, defendendo as “liberdades religiosas” das corporações acima dos direitos e proteções LGBTQI+. Os seus financiadores incluem a família Koch e uma fundação da secretária da educação de Trump, Betsy DeVos.

– O restante do financiamento foi para: o American Center for Law & Justice (ACLJ) (6.850), a Heritage Foundation (1.300), o Focus on the Family (2.429), o The Leadership Institute (1.850), a Bethany Christian Services (500) , a Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (555) e a Human Life International (200) que o SPLC também descreveu como um “grupo de ódio” anti-LGBTQI+.

Continua após o banner

A Human Life International publicou artigos afirmando que a homossexualidade é “doentia” ou ligada à pedofilia e que o aborto é “o disfarce ideal para o incesto”. Em 2020, a openDemocracy revelou que a Human Life International apoiou projetos anti-aborto acusados de espalhar desinformação na América Latina.

A empresa de telecomunicações Motorola Solutions Foundation doou pelo menos 1.300 dólares para a ACLJ, Focus on the Family e Heritage Foundation. A fundação da Câmara de Comércio dos EUA doou 112.000 para dois grupos ultra-conservadores em 2019 – incluindo 42.000 para o American Legislative Exchange Council, cuja coligação Back to Neutral contesta iniciativas empresariais que tenham como objetivo promover a igualdade racial e de gênero e defende que as empresas mantenham laços com anti- Grupos LGBTQI+. A empresa também doou 70.000 dólares para a Federalist Society for Law and Public Policy Studies.

Em resposta às descobertas da openDemocracy, os defensores dos direitos humanos disseram que essas empresas deveriam comprometer-se a retirar o financiamento aos grupos anti-direitos, mas nenhum dos financiadores se comprometeu a fazer isso.

Lou Ferreira e Khatondi Soita Wepukhulu | Esquerda.Net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Lou Ferreira

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel