Pesquisar
Pesquisar

Bebês, resgate de reféns, fogo amigo: Israel mente para legitimar genocídio palestino

Nesse panorama, uma única verdade assustadora se destaca: a guerra em andamento está longe de ser um esforço nobre para "combater o terrorismo"
Anjuman Rahman
Monitor Do Oriente Médio
Beirute

Tradução:

Já se passou mais de um mês desde que Israel lançou sua vigorosa campanha de limpeza étnica em Gaza em resposta à Operação Inundação de Al-Aqsa iniciada pela Resistência Palestina.

Desde então, o Estado ocupante vem repetindo suas fabricações e desinformações, não apenas para racionalizar suas ações em Gaza, mas também para angariar simpatia global, apresentando-se como vítima enquanto aumenta os ataques contra palestinos inocentes.

Assista na TV Diálogos do Sul

Particularmente preocupantes são as justificativas de Israel para atacar hospitais em Gaza, que estão servindo como abrigos para pessoas deslocadas, e seus esforços persistentes para descrever os combatentes da Resistência Palestina como terroristas — uma narrativa que Israel ampliou com suas alegações sobre tudo o que aconteceu em 7 de outubro.

Depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, expressou sua condenação ao Hamas por invadir o sul de Israel e cometer atos, inclusive a suposta decapitação de 40 bebês, a onda de choque que atingiu o público foi extensa e compreensível.

Cannabrava: Gaza na idade da pedra; EUA, os únicos responsáveis pela guerra

Entretanto, ela foi infundada. Após o dia 7 de outubro, relatos em primeira mão de testemunhas forneceram uma versão diferente dos eventos, que não chocou aqueles que acompanham de perto a crise entre Palestina e Israel. Eles explicaram que as tropas israelenses, desesperadas para conter a incursão surpresa, dispararam inadvertidamente contra seus próprios cidadãos com armamento pesado, causando várias mortes por “fogo amigo”.

Os testemunhos compilados pela Grayzone contradizem a versão oficial de Israel sobre os eventos, com o estado de ocupação ocultando detalhes cruciais sobre as supostas atrocidades cometidas pelo Hamas. Alegações não verificadas divulgadas por Israel, incluindo a acusação horrível de que o Hamas decapitou 40 bebês, foram amplamente descartadas como propaganda criada para justificar a punição coletiva contra os 2,2 milhões de habitantes de Gaza.

Continua após o banner

Isso foi confirmado pela reportagem do Haaretz neste fim de semana sobre a investigação policial que descobriu que um helicóptero militar que disparou contra os combatentes da resistência Palestina também atingiu alguns foliões no Festival Nova em 7 de outubro.

Nesse panorama, uma única verdade assustadora se destaca: a guerra em andamento está longe de ser um esforço nobre para "combater o terrorismo"

Foto: State Of Palestina/X
À medida que Israel intensifica sua violência contra Gaza um nível semelhante de agressão é espelhado contra os prisioneiros palestinos

Mídia internacional espalha mentiras

Izzat Al-Rishq, porta-voz do Hamas, disse que a mídia internacional “espalhou mentiras sobre nosso povo palestino e a resistência, alegando que os membros da resistência Palestina decapitaram crianças e atacaram mulheres sem nenhuma evidência para apoiar tais alegações e mentiras”.

Isso foi confirmado pela civil israelense Yasmin Porat, sobrevivente de um impasse com reféns em Be’eri, que detalhou como as Forças Especiais israelenses “sem dúvida” mataram reféns, inclusive seu parceiro que foi morto a tiros, juntamente com outros reféns no caótico tiroteio.

Assista na TV Diálogos do Sul

Outros testemunhos sugerem que, no calor da batalha, as tropas israelenses provavelmente recorreram a disparos indiscriminados contra áreas e casas de civis, resultando em um número incalculável de mortes israelenses que poderiam ser evitadas.

Essa abordagem indiscriminada reflete a estratégia atual de Israel, 45 dias após os implacáveis ataques aéreos e terrestres a Gaza. De acordo com autoridades palestinas, mais de 12.400 palestinos foram mortos, incluindo mais de 7.800 mulheres e crianças, e mais de 29.200 ficaram feridos.

Narrativa sanguinária

A narrativa sanguinária de Israel em torno da resistência Palestina criou raízes, dando-lhe luz verde para lançar um “genocídio em andamento”, como os especialistas da ONU agora se referem a Gaza.

Esse incidente marca apenas o início de uma série de mentiras flagrantes divulgadas ao público por Israel, já que milhares de outras notícias falsas circulam diariamente na mídia.

Análise: Jornal Nacional atua como cúmplice e propagandista do holocausto palestino

Desafiando os apelos internacionais por um cessar-fogo, Israel afirma seu compromisso com uma ofensiva implacável em Gaza “com força total”, exigindo a libertação de mais de 240 reféns mantidos pelo Hamas. No entanto, um olhar mais atento revela uma grande contradição nas ações de Israel, colocando em dúvida sua suposta preocupação com a segurança dos reféns.

A alegação do governo israelense de priorizar o bem-estar dos reféns é questionada pelo bombardeio indiscriminado de Gaza, que coloca essas vidas em grave risco. Se os reféns fossem realmente uma prioridade, por que colocá-los em risco com táticas militares tão agressivas? O Hamas já afirmou que a campanha de bombardeio de Israel matou cerca de 57 prisioneiros de guerra mantidos em Gaza.

Libertação de todos os prisioneiros palestinos

Por sua vez, o Hamas insiste na libertação de todos os prisioneiros palestinos, incluindo 160 crianças mantidas sem acusação ou julgamento, como condição para libertar os prisioneiros de guerra apreendidos em 7 de outubro. No entanto, em resposta, Israel não apenas dobrou o número de palestinos sob custódia para 10.000, mas também deteve ilegalmente 4.000 trabalhadores de Gaza. As campanhas noturnas de detenção na Cisjordânia ocupada agravam ainda mais a questão.

Vídeos perturbadores de soldados israelenses espancando, pisando, abusando e humilhando palestinos detidos, que foram vendados, despidos parcial ou totalmente e tiveram as mãos amarradas nas costas, lembram o infame escândalo de Abu Ghraib no Iraque em 2003.

Continua após o banner

Al-Rishq acusa Israel de obstruir um possível acordo para a troca de 50 reféns e uma trégua humanitária. Ele disse: “A Ocupação ainda se recusa e atrasa a libertação de 50 mulheres e crianças e a declaração de uma verdadeira trégua humanitária, em troca da libertação de várias de nossas mulheres e crianças nas prisões da Ocupação”.

À medida que Israel intensifica sua violência contra Gaza, surge um paralelo perturbador – um nível semelhante de agressão é espelhado contra os prisioneiros palestinos detidos nas prisões israelenses.

Ataques indiscriminados

Mas, ainda assim, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu persiste em afirmar uma narrativa que contradiz os ataques aéreos extensos e indiscriminados que Israel desencadeou em Gaza. Apesar de atingir hospitais, escolas, prédios residenciais, mesquitas e igrejas, Netanyahu afirma que Israel e seu exército estão aderindo aos “mais altos padrões da lei internacional para evitar danos a civis não envolvidos e continuarão a fazer isso até a vitória”.

Na semana passada e no fim de semana, o Hospital Al-Shifa de Gaza foi invadido, com Israel alegando que o Hamas estava usando a instalação como um centro de comando. No entanto, o exército israelense não conseguiu apresentar provas de túneis administrados pelo Hamas ou de um centro de comando militar sob o hospital. As evidências fornecidas foram repetidamente refutadas ou forjadas a partir de vídeos históricos que circulam on-line de outros países.

Post comenta: A CNN admite que Israel “pode ter reorganizado o armamento” no Hospital Al-Shifa. Portanto, podemos deduzir que os militares israelenses colocaram armas na sala de ressonância magnética.

Quadro sombrio

Ashraf Al-Qudra, porta-voz do Ministério da Saúde em Gaza, traça um quadro sombrio, afirmando que milhares de mulheres, crianças, doentes e feridos correm risco de morte enquanto Israel continua seu ataque a Al-Shifa. A maioria dos pacientes e da equipe também foi forçada a sair do centro médico sob a mira de armas.

Para agravar a crise, os hospitais de Gaza esgotaram seus leitos, fazendo com que muitos pacientes tenham que ser tratados no chão. Os médicos são forçados a realizar procedimentos sem anestesia e, muitas vezes, usando apenas a luz fornecida pelos telefones celulares, devido à escassez de combustível, suprimentos médicos e equipamentos. Os pacientes não apenas lutam contra os ferimentos, mas também passam fome, pois a ajuda limitada está entrando na Faixa e os sistemas entram em colapso.

Cannabrava | Genocídio em Gaza

Sob as camadas de mentiras de Israel, uma única verdade assustadora se destaca: a guerra em andamento de Israel está longe de ser um esforço nobre para combater o terrorismo ou resgatar reféns. Em vez disso, ao ordenar o deslocamento de um milhão de palestinos no norte de Gaza, disparar contra eles enquanto fogem por “rotas seguras” e arrasar bairros inteiros, a ofensiva de Israel revela um objetivo mais sombrio: a progressão forçada de uma ocupação ilegal e uma tentativa perturbadora de limpeza étnica.

Anjuman Rahman | Monitor do Oriente Médio


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Anjuman Rahman

LEIA tAMBÉM

53786991212_4b3980fd74_b
Atentado contra Trump: mártir ou estratégia política?
Children-in-the-ancient-castle
Campos de deslocados superlotados e sem escolas: o drama das crianças sírias vítimas da guerra
image_processing20230220-32601-edz3w3
Tensões globais: Otan expande infraestrutura militar em direção a Ucrânia e Rússia e enfurece Kremlin
president-trump-delivers-remarks-to-the-venezuelan-american-community-91d4cb-1024
Atentado contra Trump: desobediência civil e resistência são únicos caminhos para a mudança nos EUA