Pesquisar
Pesquisar

Boas Novas / Indígenas preparam ‘bonde’ de candidaturas nas eleições de 2022

Temos que organizar as nossas candidaturas, as candidaturas que têm o compromisso com as nossas causas, diz Sonia Guajajara
REDAÇÃO TUTAMÉIA
Tutaméia
Florianóolis (SC)

Tradução:

“Três anos do governo Bolsonaro se somam como se fossem 20 anos de prejuízos com consequências ambientais, com perda de direitos humanos, com aumento de violência, de racismo. É o momento de a gente se rearticular para que se possa tirar o Bolsonaro do poder e derrotar de vez o bolsonarismo. Precisamos de retomada para reconstrução das políticas públicas, da participação popular”.

Assista na Tv Diálogos do Sul

Palavras de Sônia Guajajara ao Tutaméia. Coordenadora nacional da Articulação dos Povos Indígenas (Apib), ela afirma:

“Temos que organizar as nossas candidaturas, as candidaturas que têm o compromisso com as nossas causas. Nós, indígenas, estamos nos organizando para lançar, pela Apib, um bonde de candidaturas indígenas por todo o Brasil. Porque, se a gente está dizendo que tem que mudar, temos que ocupar esses espaços. Para ocupar esses espaços na política institucional, temos que ir para a disputa eleitoral. Estamos discutindo, organizando, pensando um projeto político indígena para contribuir para o país”.

Nesta entrevista, ela fala dos ataques do governo Bolsonaro aos povos indígenas, da atuação nefasta da Funai, da questão do marco temporal, do desmatamento, do avanço da mineração e do agronegócio e da ação crescente de evangélicos neopentecostais nas aldeias, o que tem prejudicado o combate à Covid-19.

Temos que organizar as nossas candidaturas, as candidaturas que têm o compromisso com as nossas causas, diz Sonia Guajajara

APIB
Indígenas preparam ‘bonde’ de candidaturas nas eleições de 2022

Uma das principais lideranças indígenas do país, Sônia foi candidata a vice-presidente na chapa encabeçada por Guilherme Boulos (Psol).

Assista na Tv Diálogos do Sul

Na conversa, ela ressalta a importância da atuação indígena no atual momento do país.

“Nós estamos preparados para estar juntos na reconstrução do país, para estar juntos nas articulações políticas e estar juntos, também, para a disputa eleitoral, declara.

Bolsonaro lesa-pátria

Ao tratar do governo Bolsonaro, afirma:

“O desmatamento ilegal e o garimpo ilegal sempre aconteceram. Mas a gente tinha um respaldo legal para fazer a defesa e ir contra toda essa exploração. No governo Bolsonaro, há uma permissão. Ele faz uso de sua própria voz para incitar as invasões e os conflitos. Houve um aumento considerável de conflitos pelo Brasil inteiro”.

Ela segue:

“A Funai literalmente deixou de ser um órgão para atender aos interesses, promover os direitos e proteger os povos indígenas para ser um órgão para atender aos interesses do governo. A Funai está totalmente a serviço do agronegócio, das mineradoras. As lideranças que se opõem a isso estão sendo perseguidas e criminalizadas como o que aconteceu comigo mesmo”.

“Disseram que eu estava lesando a pátria por fazer tantas acusações. A Funai se tornou um órgão para perseguir, criminalizar e processar lideranças indígenas que lutam em prol dos direitos dos povos”.

Na ONU, Bolsonaro mente sobre indígenas e mantém discurso de genocídio e etnocídio

“Eles é que estão lesando a pátria. A Funai está lesando a pátria. Bolsonaro está lesando a pátria ao promover toda essa destruição ao logo desses anos. Eu, não. Estou buscando proteger, não só os direitos dos povos indígenas, mas a nossa vida e também o meio ambiente, que equilibra e que garante a vida para todo mundo”.

Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena, Jornalistas há mais de quarenta anos, o casal gaúcho atuou na imprensa de combate à ditadura militar, na Zero Hora, na Gazeta Mercantil e na Folha de S. Paulo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

REDAÇÃO TUTAMÉIA

LEIA tAMBÉM

frei-betto-ressocializacao
Frei Betto | Sim, é possível ressocializar presos comuns
MST-Frei-Betto
Frei Betto | No MST, consciência política é enriquecida com ação prática e luta
g20-quadrinhos-n2
G20 em quadrinhos | nº 2: Equidade
G20 em quadrinhos n1 - Dedicação
G20 em quadrinhos | nº 1: Dedicação