Pesquisar
Pesquisar

Brasil bate novo recorde e desmatamento na Amazônia alcança maior nível em 10 anos

Destruição foi maior em territórios onde existem povos indígenas isolados. Em 2019, ação aumentou 113% em comparação ao ano anterior
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

Os dados divulgados pelo Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon; organização não governamental), destacam ainda que a área de floresta destruída neste mês de abril, equivalente ao território do município de Porto Alegre (capital do Rio Grande do Sul), é a maior dos últimos dez anos – comparando os registos dos meses de abril desde 2011. 

O desflorestamento ocorreu em seis estados brasileiros: Pará (PA), responsável por 32% do desmatamento; Mato Grosso (MT), 26%; Rondônia (RO), 19%; Amazonas (AM), 18%; Roraima (RR), 4%; e Acre (AC), 1%, revela o organismo.

Só dez municípios são responsáveis por mais de metade da devastação florestal, a maioria dos quais está listada como “prioridade de proteção” pelo Ministério do Meio Ambiente: Altamira (PA), São Félix do Xingu (PA), Apuí (AM) e Porto Velho (RO) são os que têm maior área devastada.

Destruição foi maior em territórios onde existem povos indígenas isolados. Em 2019, ação aumentou 113% em comparação ao ano anterior

Imazon
A devastação da floresta amazônica registrada neste mês de abril é a maior dos meses de abril nos últimos dez anos

Desmonte

Em declarações ao Brasil de Fato, Cristiane Mazzetti, uma das responsáveis pela Campanha da Amazônia da organização não governamental Greenpeace, disse que o governo de ocupação “implementou uma política anti-ambiental, que enfraqueceu órgãos de controle, seja reduzindo o orçamento, seja afastando ou mudando posições estratégicas, ou reduzindo o número de fiscalizações. Então, a capacidade de controlar o crime ambiental no Brasil ficou muito menor nesse governo”.

Série histórica do desflorestamento nos meses de Abril dos últimos dez anos / Imazon e Brasil de Fato 

Povos indígenas atingidos

A devastação da floresta amazônica registada no mês passado também atingiu povos indígenas, sendo à Terra Indígena (TI) Yanomami, localizada nos estados de Roraima e do Amazonas, uma das que, segundo o SAD, tiveram maior área desmatada no mês de abril.

No primeiro ano de governo de ocupação, o desflorestamento da Amazônia foi maior em territórios onde existem povos indígenas isolados. Segundo dados oficiais do sistema Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), a devastação nas Terras Indígenas em 2019 aumentou 80% por comparação com a registada em 2018. Nos territórios com a presença de povos indígenas isolados, o desmatamento aumentou 113%.

De acordo com um levantamento do Instituto Socioambiental (ISA), a TI Yanomami é uma das mais vulneráveis à pandemia causada pelo novo coronavírus – foram ali confirmados pelo menos 20 casos de infecção –, por isso os dados relativos ao desmatamento, com aquilo que refletem de atividades ilegais, trazem preocupações adicionais para a comunidade.

Redação AbrilAbril


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024
Quenia-inundações
Inundações no Quênia matam 238 pessoas; governo ignorou alertas meteorológicos