Pesquisar
Pesquisar

Brigadas estadunidenses de solidariedade em Cuba

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Joel Michel Varona*

231-brigada-venceremoOs vínculos entre os povos de Cuba e dos Estados Unidos ficaram comprovados uma vez mais com a presença na ilha caribenha da Brigada de Solidariedade Venceremos e a organização ecumênica Pastores pela Paz.

O primeiro contingente da Venceremos surgiu em 1969. Seus organizadores não apenas buscavam ajudar Cuba em agricultura, construção e outras tarefas, como também desafiar as restrições de viagem estabelecidas pelo governo estadunidense.

Além de demandar o fim do bloqueio econômico, comercial e financeiro que por mais de meio século Washington mantém contra Havana, os integrantes da Venceremos desejam relações normais entre os dois países.

Esse grupo constitui uma experiência de esforço coletivo e se sente parte da construção de um novo mundo dedicado à justiça social.

Seus compatriotas, agrupados na Caravana de Pastores pela Paz, têm objetivos semelhantes.

Os “pastores”, como costumam ser chamados, é um projeto fundado em 1992 pelo falecido reverendo estadunidense Lucius Walker, que também promovia a coleta e o transporte de ajuda humanitária para a nação caribenha.

Ambos grupos durante suas visitas à maior das Antilhas realizam atividades produtivas voluntárias na agricultura, percorrem lugares de interesse histórico e social e conversam com diferentes comunidades.

Uma feliz coincidência repete-se neste verão quando ambas organizações norte americanas compartilham sob o mesmo sol os ideais de justiça, humanismo e a visão de um mundo melhor.

Agora festejam dois triunfos para os quais contribuíram com suas vozes em suas comunidades. Um é o regresso dos lutadores antiterroristas Gerardo Hernández, Ramón Labañino, Antonio Guerrero, Fernando González e René González a Cuba. Os Cinco -como ficaram conhecidos internacionalmente durante a extensa campanha por sua libertação – foram condenados a severas penas nos Estados Unidos por monitorar na Flórida os planos terroristas de grupos hostis à Revolução.

Uma segunda batalha ganha foi a eliminação de Cuba da lista de países patrocinadores do terrorismo, uma acusação considerada na comunidade internacional injusta e carente de sentido.

No evento de boas vindas aos membros da XXVI Caravana Pastores pela Paz, organizado pelo Centro Martin Luther King Jr na Igreja Bautista Ebenezer, a caravanista Gail Walker – filha do reverendo Lucius – contou que eles percorreram 40 estados, detendo-se nas comunidades para dizer a verdade sobre Cuba.

Não somos mais um movimento estadunidense, e sim internacional, pois contamos com a colaboração de amigos de Porto Rico, Haiti, Espanha, Alemanha, México e Canadá, entre outros, relatou Walker.

Sabemos que há ainda coisas por fazer; compreendemos e estamos certos de que nossa tarefa não terminou, garantiu.

Podemos aplaudir as vitórias obtidas até agora, mas não podemos descansar até empurrar o bloqueio para o abismo, enfatizou a ativista.

Por sua parte, Ana Miledys Rosales, membro da 46ª Brigada Venceremos dos Estados Unidos em visita a Cuba, afirmou que está na hora de acabar com o bloqueio; é necessário terminar com essa política que não favorece o povo cubano.

Outros companheiros de viagem, como Stephanie Núñez e Malcolm Sack, concordaram com Rosales em que esta aproximação entre Havana e Washington terá mais sentido quando seja eliminada essa postura hostil da Casa Branca.

 

*Prensa Latina de Havana, especial para Diálogos do Sul – Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Cuba
EUA tiram Cuba de lista sobre terrorismo: decisão é positiva, mas não anula sanções
19 pontos que comprovam os sucessos de Cuba em direitos humanos nos últimos 5 anos
O que querem Almagro e a OEA em Cuba às vésperas das eleições?
Centenário de Pérez Prado: “!Que rico suena el mambo!”