Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava: Com retrocesso de 40 anos na economia, desejo a todos um Feliz 1980

Década de 80 tem o aspecto simbólico de um recomeço. A população estava entusiasmada e mobilizada em torno da ideia de reconstruir a democracia
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Como primeira mensagem neste início de ano, quero desejar a todos um feliz 1980. É isso. É esse o tamanho do nosso retrocesso. 

Ademais, 1980 tem o aspecto simbólico de ter sido um recomeço. A população estava entusiasmada e mobilizada em torno da ideia de reconstruir a democracia: eleições diretas, constituinte, anistia, faziam parte das bandeiras agitadas.

A transição não foi bem feita. A classe política cedeu ao voluntarismo dos militares e do capital financeiro e deixaram que eles conduzissem a transição e o fizeram de maneira a preservar o status quo. A Constituição, que leva o nome da Cidadã, trazia como contrabando o pensamento único imposto pelo capital financeiro.

Nessa mesma época, Leonel Brizola trazia o sonho e a bandeira do trabalhismo de Vargas como caminho para o socialismo. Os militares, obedecendo ordens externas, vetaram e, com a conivência de intelectuais e da mídia, desenharam e executaram a estratégia de liquidar a era Vargas.

Veja também:

A segunda morte de Vargas

Outro dia, li um artigo em que o autor pedia que a nação pedisse perdão a Leonel Brizola por ter perdido a oportunidade de tê-lo conduzindo o processo naquela transição. Brizola é apenas um símbolo. É o varguismo como doutrina e modelo de desenvolvimento que tinha que teve que ser destruído para dar lugar a um modelo de total submissão ao capital transnacional.

A autocrítica e o pedido de perdão têm que vir principalmente da USP, de instituições como o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), da Fundação Ford e de seu guru Fernando Henrique Cardoso, que tanto se dedicaram ao assassínio da Era Vargas. 

O pedido de perdão tem que vir do sindicalismo de resultado com seus quadros formados pelo Instituto Americano para o Desenvolvimento do Sindicalismo Livre (Iadesil), um braço da Federação Americana do Trabalho e Congresso de Organizações Industriais (AFL/Cio), orientados pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos em plena guerra cultural para impor sua hegemonia.

É hora de se fazer um balanço sobre as transições mal resolvidas, sobre a debilidade de uma intelectualidade de esquerda que não soube encontrar seu lugar na história, de partidos políticos que não honraram os compromissos com suas bases populares.

Transcorreram quatro décadas. Vejamos o que aconteceu com a economia.

Desmonte econômico

As décadas de 1980 e 1990 ficaram nos livros como décadas perdidas, não só pela sucessão de crises e períodos recessivos, como, no nosso caso, pela desmontagem do Estado, alienação dos bens públicos através das privatizações, desindustrialização acelerada, avanço predador da fronteira agrícola e saque das riquezas naturais.

No novo século, mais duas décadas de repetição do mesmo com a agravante de que as crises econômicas se complicaram com crise política em função da aplicação de estratégias de desestabilização.

Década de 80 tem o aspecto simbólico de um recomeço. A população estava entusiasmada e mobilizada em torno da ideia de reconstruir a democracia

Reprodução
A população estava entusiasmada e mobilizada em torno da ideia de reconstruir a democracia.

Os indicadores do PIB

O Brasil precisa e pode ter crescimento robusto, de no mínimo 10% ao ano. A China manteve, por décadas, crescimento acima de 10%. Tudo é uma questão de modelo e de gestão. 

Nos últimos 40 anos, tivemos somente oito com PIB acima de 5%, com o pico em 2010, de 7,63%. A média desses anos de crescimento foi de 6,38%, 

1984

1985

1986

1994

2004

2007

2008

2010

5,40

7,85

7,49

5,85

5,76

6,07

5,09

7,53

Foram 23 anos com PIB menor do que 5%. São valores muito baixos, que ficam abaixo da taxa demográfica. 

Mesmo com a população crescendo nas suas mais baixas taxas históricas, ela aumentou 1,2% a cada ano. Veja que em 1982 1991 1998, 1999, 2012, 2014, 2017 2018 e 2019 o PIB não chegou sequer a igualar o crescimento demográfico. A média desses 23 anos foi de 4,33%. E isso em períodos com inflação acima de 10%.

1982

1987

1989

1991

1993

1995

1996

1997

0,83

5,53

3,16

1,03

4,92

4,22

2,21

3,39

1998

1999

2000

2001

2002

2003

2005

2006

0,34

0,47

4,39

1,39

3,05

1,14

3,20

3,95

2011

2012

2013

2014

2017

2018

2019

3,97

1,92

3,00

0,50

1,06

1,12

1,44

Finalmente, temos oito anos com PIB negativo. Na média, houve um decrescimento de 3% ao ano nesses anos de recessão.

1981

1983

1990

1992

2009

2010

2015

2020

-4,25

-2,93

-4,35

0,54

-0,13

-3,31

-3,55

-4

Resumindo, tivemos oito anos com média do PIB em torno de 6,38%, 23 anos de média em torno de 4,33% e oito anos de decrescimento em torno de 3%. Nesse ritmo, nem em quarenta anos sairemos do buraco em que estamos metidos.

Para efeito de comparação, nos 40 anos anteriores aos anos 1980, tivemos quatro décadas de crescimento robusto, abaladas circunstancialmente por crises políticas, crises cambiais, e fatores externos, mas sem retrocessos e tornando-se tanto mais vigoroso o crescimento quanto maior a contribuição do PIB industrial na formação do PIB.

Na década de 1940, salvo os -1% de 1940 e -2,7% de 1943, foram oito anos de crescimento médio de 6,95%. Na década seguinte, foram 10 anos de crescimento médio de 7,15; média de 6,07% nos anos 1960 e, 8,27% na década de 1970. Nesta fase, tivemos picos de 13,97% em 1973, e menos de 5% em 1977 e 1978.

Traduzindo

A consequência dessa sopa de número nós estamos sentindo na pele. Desemprego, precarização: o país funciona na informalidade e no crime organizado. São 40 anos de insistência nos mesmos erros. O problema do Brasil não é fiscal, é de gestão.

Como diz o professor e economista Ladislau Dowbor, um PIB per capita de R$ 33 mil é de fazer inveja, daria pra todo mundo viver bem.

Veja também:

Segundo a revista Forbes, nesses tempos de crise econômica por conta da Covid-19, 10 bilionários aumentaram suas fortunas em 400 bilhões de dólares, enquanto 15 milhões de pessoas engrossaram o contingente de extrema pobreza, aqueles que recebem menos de 1 euro e 60 centavos por dia. Isso na União Europeia. Quantos no Brasil vivem hoje com menos de R$ 10 por dia?

O Brasil, e cá entre nós, a Nossa América, precisamos romper definitivamente com essa ditadura do pensamento único, que nos foi imposta pelo capital financeiro. Progressismo, como qualificaram períodos de inclusão não resolve. Não se sustenta. Está comprovado nos números.

E não há alternativa que possa vir desse governo de ocupação. Eles ocuparam o país com um plano e o estão executando sem oposição. 

De volta ao keynesianismo

Nos Estados Unidos de Trump ainda presidente, o Congresso aprovou como verba emergencial, agora em dezembro, um pacote adicional de 900 bilhões de dólares. Se trata de um reforço dos 2,3 trilhões aprovados em março para ajudar a economia em situação de crise provocada pela pandemia. Desse dinheiro, 25 bilhões serão destinados a ajudar inquilinos que não estão conseguindo pagar aluguéis. Para o trabalhador desempregado, são destinados 300 dólares semanais, 100 dólares a mais para os trabalhadores autônomos.

Ou seja, a meca do neoliberalismo está se dando conta de que sem dinheiro no bolso do trabalhador a economia não gira. O que será que acontecerá depois disso? Não tem outra alternativa senão a volta ao keynesianismo. O Estado terá que inventar um novo New Deal, para que a economia não pare.

Durante a crise sub prime, a General Motors estava para quebrar. O Tesouro entrou como sócio, bancou a crise, ninguém foi demitido. Passada a tormenta, o Estado deixou a sociedade e tudo voltou como dantes. Não como aqui, que o Estado patrocina a quebra e a saída do mercado das maiores empresas de engenharia e construção do país.

Por que isso vale para os Estados Unidos e não vale para o Brasil? Ué. O que é bom para os Estados Unidos já não é bom para o Brasil? Faça o que eu mando, não faça o que eu faço. Essa é a lei do mais forte, a lei do império para submeter suas colônias.

Enfim, 2021

No Brasil nada disso será resolvido com a eleição das mesas da Câmara e do Senado e menos ainda com a possível eleição de 2022.

O Brasil precisa de uma ruptura e de uma Junta de Salvação Nacional que prepare a nação para uma transição que não seja tutelada, mas que seja uma transição com soberania popular.  

Por isso iniciei desejando um feliz 1980. Vamos começar tudo de novo! Trabalhar nas pequenas comunidades, organizar o povo para uma transição que signifique realmente a conquista da independência e da soberania.

Paulo Cannabrava Filho é editor da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

92bb2160-78df-483d-8bd7-bde5ad561c38
Cannabrava | Independência de que?
2f4f210b-66df-46ed-9546-eb79d83b3dd2
Saiba como você pode contribuir com a Diálogos do Sul
bf0fb3eb-8672-4971-a5bf-bca23f7cd466
Agradecimento a apoiadores: graças a vocês, a Diálogos do Sul se mantém firme
e3ef48bc-5ae8-4014-808e-25ad7e29e2a2
Cannabrava | Centenário de Leonel Brizola, o grande estadista que o Brasil não teve