Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava | País desmorona enquanto abutres devoram Petrobras e o que resta do Brasil

Venda de fábricas de fertilizantes é reflexo do projeto de desmonte: R$ 101 bilhões serão distribuídos entre acionistas da empresa
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Atualizada em 18.03, às 0h32

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, conhecida como Miss Veneno, quer ser vice-presidenta do país. Para isso, se filiou ao Progressista (PP). Se não emplacar como vice, sai para o Senado pelo Mato Grosso do Sul.

O país compra fertilizante de Rússia, Estados Unidos e Canadá. Com as dificuldades com relação ao produto russo, ela busca ampliar a compra do canadense e dos petroleiros do Oriente Médio.

O Brasil tem batido recorde de exportação de soja e também de importação de fertilizante e defensivo agrícola.

Vale lembrar que o governo de ocupação fechou três fábricas de fertilizantes da Petrobras. Com os insumos que temos, poderíamos ser autossuficientes e até exportar adubos.

Entenda e durma com um barulho desse!

Petrobras

A Petrobras, transformada em mera extratora e exportadora de óleo bruto, teve 160 bilhões de lucro em 2021 e dispôs de 101 bilhões para distribuir para os acionistas.

Brasil paga gasolina “em dólar” por desmonte da Petrobras, iniciado no golpe à Dilma

O general de exército Joaquim Silva e Luna, presidente da empresa (claro, tinha que ser um general), com salário de R$ 260 mil, em agradecimento dos acionistas vai receber um prêmio milionário.

Os acionistas aprovaram R$ 13,1 milhões para o Programa Prêmio por Performance que serão divididos entre os principais executivos, cabendo ao general algo em torno de R$ 1,5 milhão.

A ex-estatal, criada para ser impulsionadora do desenvolvimento nacional, atuando no ciclo completo do petróleo, por obra e graça do governo militar de ocupação agora enriquece acionistas estrangeiros e cria uma nova plutocracia de bilionários a assaltar o país.

Vale lembrar que foi com essa tática que, a partir dos anos 1990, o imperialismo ianque, com seus aliados europeus, quase destruiu a Rússia depois do desmantelamento da União Soviética.

Venda de fábricas de fertilizantes é reflexo do projeto de desmonte: R$ 101 bilhões serão distribuídos entre acionistas da empresa

Desenhos do Nando – Reprodução / Facebook
O Brasil precisa ser repensado. Temos que criar coragem e ter, pela primeira vez, um processo constituinte soberano e popular

Uma plutocracia que ficou conhecida como máfia russa. O que falta para identificar os novos-ricos brasileiros como máfia? Falta consciência crítica na mídia!

Combustíveis

O pré-sal responde hoje por 70% da produção da empresa. O general disse que tem pressa para explorar o pré-sal e, para isso, a empresa vai investir US$ 40 bilhões até 2026 em plataformas para acrescentar 1,7 mil barris à produção da empresa. 

Para onde vai esse petróleo? A resposta foi dada pelo almirante de esquadra Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, que combinou com Jennifer Granholm, secretária de Energia dos EUA, aumentar a produção de petróleo, em reunião virtual no dia 10 de março.

O diesel é fundamental para o transporte público e o transporte de cargas, cujo custo incide em praticamente toda a linha de produção e de consumo. 

Na Europa, mais de 50% do diesel vem da Rússia, no Brasil, vem do México, mas de empresas estadunidenses. Um absurdo quando se sabe que, diferentemente da Europa, que não tem petróleo, o Brasil poderia exportar diesel e gasolina no lugar do óleo bruto, agregando valor. Para isso precisaria ter controle dos centros de decisão. É preciso ser independente e soberano.

Tudo relacionado

O Brasil precisa ser repensado. Temos que criar coragem e ter, pela primeira vez, um processo constituinte soberano e popular.

Temos que ter coragem de insuflar a rebeldia da juventude e mobilizar as grandes massas para um novo processo constituinte.

Só 10% dos jovens entre 16 e 17 anos tiraram o título de eleitor. Taí um belo trabalho para os jovens… são cerca de seis milhões de jovens para serem mobilizados para acabar de vez com o neoliberalismo.

A chave está na juventude. É a juventude que tem que trabalhar para levar a verdade para o grosso da população. A verdade de um governo militar com objetivo de destruir o Estado, acabar com a política e transformar o país numa mera colônia fornecedora de matérias-primas para os Estados Unidos e seus aliados. 

Sem identificar o inimigo principal, não vamos adiante. O inimigo principal tem nome: é o imperialismo ianque, é a plutocracia a serviço do capital financeiro e da exploração da terra, são os militares vassalos do império, que transformaram as forças armadas em tropas pretorianas para garantir o processo de recolonização que está sendo executado pelo imperialismo.

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente
crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor