Pesquisar
Pesquisar

Chefe do Judiciário e possível futuro líder supremo do país: Quem é Ebrahim Raisi, novo presidente do Irã?

No discurso de posse, Raisi se apresentou como o líder do combate à corrupção e defensor das classes populares. Ele prometeu apoiar qualquer “plano diplomático” para retirar as sanções "opressivas" dos Estados Unidos
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Embora tenha iniciado seu mandato de quatro anos na terça-feira (03), o novo presidente do Irã, Ebrahum Raisi, tomou posse oficialmente nesta quinta-feira (05), perante o Parlamento. Ele venceu as eleições em junho com 62% dos votos.

No discurso de posse, Raisi se apresentou como o líder do combate à corrupção e defensor das classes populares. 

Ele prometeu apoiar qualquer “plano diplomático” para retirar as sanções “opressivas” dos Estados Unidos.

Raisi ressaltou ainda que “nem as sanções, nem a pressão”, impedirão o Irã de defender seus “direitos legais”.

O país enfrenta uma profunda crise econômica e social desde que o ex-presidente americano Donald Trump retirou unilateralmente o país do acordo nuclear em 2018 e voltou a impor sanções que preveem o bloqueio das contas internacionais do Irã, o que dificulta a importação de equipamentos para prevenção e tratamento da Covid-19.

Leia também:
Mudança de governo no Irã não fará país mudar de posição em relação ao acordo nuclear, garante porta-voz

“Certamente buscaremos o cancelamento das sanções opressivas, mas não condicionaremos o sustento do povo e da economia [às sanções] e não as amarraremos à vontade dos estrangeiros”, disse Raisi, ao lado do aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do país.

Na pirâmide política do Irã, o presidente ocupa o segundo cargo mais importante do país, ficando abaixo do líder supremo. Ou seja, o mandatário terá influência significativa sobre a política interna e assuntos externos, porém é o aiatolá Khamenei quem detém a palavra final em todas as questões do Estado.

No discurso de posse, Raisi se apresentou como o líder do combate à corrupção e defensor das classes populares. Ele prometeu apoiar qualquer “plano diplomático” para retirar as sanções "opressivas" dos Estados Unidos

Tasnim Agency News
O novo presidente do Irã, Ebrahum Raisi, tomou posse oficialmente nesta quinta-feira (05).

Líder do Judiciário no Irã

Nascido em novembro de 1960 na cidade de Mashad, Raisi, que usa um turbante preto, o que, na tradição xiita, o identifica como um descendente de Maomé. Ele seguiu os passos de seu pai e começou a frequentar um seminário xiita na cidade sagrada de Qom aos 15 anos.

Aos 20 anos, após a vitória da Revolução Islâmica de 1979, foi nomeado procurador-geral de Karaj, cidade da província de Alborz e do condado de Caraje, distrito Central.

Clérigo de 60 anos, o atual presidente foi promotor durante a maior parte de sua carreira. Em 2019, dois anos após perder a última eleição presidencial para Hassan Rouhan, foi nomeado chefe do Judiciário. 

Além disso, é membro da direção da Assembleia de Especialistas, encarregada de nomear o guia supremo.

“Vou me dedicar a servir ao meu povo, honrar o país, propagar a religião e a moralidade e apoiar a verdade e a justiça”, jurou Raisi, que pode se tornar o próximo líder supremo do Irã após a morte de Khamenei. Hoje ele é um “hoyatoleslam” (cargo inferior ao de aiatolá no clero xiita).


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação