Pesquisar
Pesquisar

Chegada de Xiomara Castro à presidência de Honduras faz parte da nova onda da esquerda latino-americana

O analista René Hernández observa que embora tenham recebido o apoio dos EUA no passado, com a chegada de um novo partido ao poder as diretrizes mudarão
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Tegucigalpa

Tradução:

A chegada do Partido da Liberdade e Refundação (Libre) e sua candidata Xiomara Castro à presidência de Honduras faz parte da nova onda da esquerda latino-americana e será mediada pela disputa hegemônica global.

“Sabemos que o presidente salvadorenho Nayib Bukele, por exemplo, tem problemas com Washington por causa de suas relações com a China. Portanto, não seria do interesse da administração de Joe Biden adotar uma política de distanciamento de Honduras”, disse o analista hondurenho René Hernández à Prensa Latina.

Em 22 de novembro, o encarregado de negócios da embaixada dos EUA em San Salvador, Jean Manes, anunciou sua saída do país centro-americano, pois os Estados Unidos consideravam que as decisões supostamente antidemocráticas de Bukele tinham prejudicado os laços bilaterais.

O diplomata descreveu algumas das medidas adotadas pelo presidente de El Salvador como controversas, incluindo supostos ataques à liberdade de imprensa, limites ao acesso à informação pública, o cancelamento de projetos anticorrupção e um aumento de seus ataques ao poder do norte.

Com Xiomara Castro, Honduras renasce após anos de violações, humilhação e violência institucional

“No caso de Honduras, a relação com os Estados Unidos sempre foi de imposição e vassalagem. Entretanto, em nível regional, a correlação de forças não é a mesma. Temos a Nicarágua, que não segue os projetos de Washington, e agora as recentes posições de Bukele”, reconheceu Hernández.

Em sua opinião, Honduras enfrentou um problema de legitimidade interna e internacional com os sucessivos governos do Partido Nacional, que, embora tenham recebido o apoio dos EUA no passado, agora aparentemente estão tentando estabelecer um tipo diferente de relação com a nomeação de Laura Dogu como sua embaixadora.

O analista René Hernández observa que embora tenham recebido o apoio dos EUA no passado, com a chegada de um novo partido ao poder as diretrizes mudarão

Prensa Latina
A nova presidente de Honduras Xiomara Castro.

O analista, ex-candidato a deputado pela Libre, advertiu que esta aparente proximidade e cordialidade, ferramentas já utilizadas por Dogu em 2015, quando chegou à Nicarágua na mesma posição, se destinam a garantir que Honduras “não saia do controle, nem perca o controle sobre a região centro-americana”.

“Mesmo antes das eleições gerais, Bukele havia mostrado seu apoio a Libre e Xiomara Castro em seu perfil no Twitter, e sua oposição ao governo de Juan Orlando Hernández era bem conhecida. Portanto, parece que estes vínculos serão formais na busca de soberania e autonomia”, disse ele. O ex-candidato do Libre enfatizou que a política externa deveria, doravante, será baseada no respeito à autodeterminação, à soberania e aos assuntos internos de cada país, embora, infelizmente, este respeito se traduza, às vezes, em um ato de rebelião.

Hernández assegurou que o processo de resistência e oposição ao governo do Partido Nacional, que surgiu após o golpe de Estado contra Manuel Zelaya (2006-2009), sempre teve o apoio da Venezuela, Cuba e Nicarágua, e estas nações estão muito próximas dos movimentos e organizações que compõem a Libre.

“Não pretendemos assumir um governo cujos vínculos com estes territórios progressistas lhe são impostos. Cada povo decide seu próprio rumo, autoridades e formas de exercer a democracia. Manteremos relações com quem quer que decidamos”, disse ele.

De Bolsonaro a Bukele: como algoritmo do Twitter beneficiou a direita na América Latina?

O objetivo, revelou, é conseguir autonomia e independência com respeito aos laços multilaterais, sem condicionamentos externos, por exemplo, dos Estados Unidos, embora tenha excluído a cessação dos acordos com o poder porque “o confronto também não seria a coisa mais sábia a fazer, pois mais de um milhão de hondurenhos vivem lá”.

* Tradução Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Luis Abinader
Política de Abinader contra refugiados do Haiti é contradição que ameaça economia dominicana
Carlos Rodríguez
"Milei provocou uma das recessões mais rápidas e profundas da história", diz ex-braço direito
Embajada_de_México_en_Ecuador
México pede medidas cautelares devido à invasão da embaixada em Quito e CIJ rejeita
Luis-Abinader
Como reeleição de Luis Abinader na República Dominicana impacta crise no Haiti