Pesquisar
Pesquisar

China: Bloqueio de 61 anos dos EUA provocou enormes desastres humanitários a Cuba

Pequim aponta ainda que sanções cobrem “quase tudo, desde combustíveis, alimentos, produtos de consumo diário até medicamentos”
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Pequim

Tradução:

Um artigo do Ministério de Relações Exteriores da China esboçou em três capítulos os métodos e as consequências, em especial para nações em desenvolvimento, das ações de Washington no campo político, militar, econômico, tecnológico e cultural.

Recordou que a Casa Branca impôs o sistema de sanções que mantem desde então contra o Estado caribenho em 1962, e ainda o endureceu com outras medidas unilaterais, principalmente sob a administração do ex-presidente republicano Donald Trump.

Assista na TV Diálogos do Sul

“O bloqueio de 61 anos provocou enormes prejuízos econômicos e desastres humanitários a Cuba (…) cobre quase tudo desde combustíveis, alimentos, produtos de consumo diário até medicamentos, deixando a ilha com um déficit severo de abastecimento”, afirmou o texto.

Denunciou também os obstáculos impostos a Havana inclusive durante a pandemia da Covid-19 para acesso a materiais necessários, como fármacos, equipamentos e insumos médicos.

Jornalista cubana percorre EUA com documentário que denuncia sanções a Cuba

Mais adiante a Chancelaria mencionou outras ações de coerção diplomática dos Estados Unidos contra Venezuela, Irã, República Popular Democrática da Coreia, Sudão, Bielorrussia, Rússia e China, sem importar-se em violar leis e normas internacionais.

Referiu-se à mão de Washington por trás de várias revoluções coloridas no mundo, às infiltrações de suas agências de inteligência para derrubar governos eleitos democraticamente e o uso de bases militares para iniciar guerras.

Continua após o banner

Como conclusão rejeitou as acusações à China sobre coerção diplomática, insistiu no apego do país ao princípio da igualdade e ressaltou que nunca ameaçará outros, nem formará coalizões militares ou exportará ideologia.

A Chancelaria publicou o artigo às vésperas da cúpula do G7 em Hiroshima, Japão, onde o grupo apresentou uma condenação contra o que considera coerção econômica por parte de Pequim.

Tal posição foi incluída na declaração final do encontro.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

netanyahu
Impunidade de Israel ameaça credibilidade da Justiça Internacional
Ebrahim_Raisi (1)
Palestina estava no topo das prioridades de Ebrahim Raisi, ex-presidente do Irã
milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional