Pesquisar
Pesquisar

Classes, sionismo e protofascismo: o 1º turno das eleições sob um olhar árabe-brasileiro

Extrema-direita, apoiadora incondicional do inimigo estratégico da Causa Árabe, sai fortalecida e aprovada nas urnas
Bruno Beaklini
Monitor Do Oriente Médio
Porto Alegre (RS)

Tradução:

Escrevemos de forma rápida e até mesmo impressionista, deixando o artigo analítico para outro momento – a sair em breve – com a observação pormenorizada do pleito presidencial e dos governos estaduais. Focamos nos resultados do primeiro turno para presidente e o papel de “brimas” e “brimos” nesta luta política. 

Matematicamente teremos uma eleição de segundo turno no país. Luiz Inácio Lula da Silva ganhou nas regiões Norte e Nordeste enquanto Jair Messias Bolsonaro saiu vitorioso no Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

Assista na TV Diálogos do Sul

A diferença média gira em torno de 5%, dentro do total dos votos válidos, com mais de 56 milhões de votos para o ex-presidente e cerca de 51 milhões para Bolsonaro. Importante ressaltar que a abstenção foi de 20,9% sendo que em 2018, foi de 20,3%. 

O contexto lembra a eleição de 2014, quando Dilma vai para o segundo turno apertado com Aécio e depois ganha por menos de 4 pontos. A extrema-direita, apoiadora incondicional do inimigo estratégico da Causa Árabe, sai fortalecida e aprovada nas urnas. Esta evidência será debatida no texto. 

Extrema-direita, apoiadora incondicional do inimigo estratégico da Causa Árabe, sai fortalecida e aprovada nas urnas

Mídia Ninja – Flickr

No que diz respeito à colônia árabe-brasileira, é fundamental ganhar os espaços públicos dos sionistas e seus aliados no Brasil




A posição árabe-brasileira na política doméstica 

Este artigo segue na lógica das demais publicações anteriores, buscando identificar interesses e objetivos para a maioria da colônia de mais de 16 milhões de árabe-descendentes e o conflito interno que temos no Brasil e na América Latina. Por um lado, somos socialmente brancos e majoritariamente posicionados da classe média para cima na pirâmide social. Por outro, nossos territórios de origem (o querido Bilad al-Sham), se veem permanentemente ameaçados pela entidade sionista e com o financiamento irrestrito dos EUA. 

Na política doméstica não é diferente. De um lado, na agenda internacional, a tendência é que a esquerda seja pró-Palestina, embora muitas vezes a pauta de costumes se interpõe diante da necessidade da sobrevivência.

“Magicamente”, nós árabes podemos ser taxados pelo inimigo europeu como sendo “antissemitas”, e a extrema-direita que apoia Israel, disfarça seu autêntico antissemitismo e se coloca anti-árabe e explicitamente islamofóbica. 

Já na agenda nacional no Brasil, se depender necessariamente do interesse de classe, o empresariado de origem árabe tende a apoiar a direita e por vezes, até mesmo a extrema-direita aliada do sionismo. Nomes não faltam, para vergonha e desgraça de filhas e filhos de Ismail.

Assista na TV Diálogos do Sul

No espaço público também estamos perdendo. Assim como a extrema-direita ganhou as ruas da esquerda, as bandeiras do Apartheid Sionista estão mais presentes do que a da libertação da Palestina. Cabe uma analogia forte. É como se na década de 1980 do século XX, a simbologia da África do Sul do Apartheid estivesse mais visível do que do nosso querido pan-arabismo.

E, em seguindo essa forma análoga, seria como se um hipotético empresariado afro-brasileiro apoiasse os racistas sul-africanos devido ao seu posicionamento de classe e a lealdade ao “ocidente”. 

Derrotar o Apartheid e os protofascistas seus aliados é uma urgência brasileira, e vai muito além da urna. Esta eleição apertada representa isso.


As eleições na Palestina Ocupada 

Lula e Bolsonaro tiveram disputa acirrada nos Territórios Ocupados de 1948, também conhecido como Estado de Israel, criado com a Nakba em 1948. 45,9% a 36,6% dos votos. Nao deixa de ser uma surpresa, ou um típico movimento pendular. Baixa adesão eleitoral por um lado e a percepção de que o Poder Executivo no Brasil pode virar de lado em breve. 

Já nos Territórios Ocupados de 1967, concentrando os votos em Ramallah na Palestina Ocupada, Luiz Inácio Lula da Silva obteve 84,8% dos votos contra apenas 7,4% para Bolsonaro. A apuração reflete a política externa de ambos governos, sendo que o ex-presidente aplicava uma via de mão dupla: a típica teoria do empate por um lado, mas uma relevante inclinação Sul Sul por outro. 

Resultado do 1º turno mudou quando igrejas entraram na disputa, mostra estudo da USP

Considerando que as identidades coletivas da colônia e sua já centenária descendência se dividem entre uma classe média (ilustrada ou não) e um vínculo empresarial (assim como nos estamentos jurídicos, artísticos), a tendência é ir para a direita no falso moralismo pós Lava Jato.


A disputa de forças intra-elites e poderes constituídos 

Ao contrário de 2018, esse pleito tem o favorito no páreo (Lula) e uma composição de forças que vai da direita liberal democrática até a esquerda reformista. No campo dos poderes de fato, o posicionamento do STF ao derrogar a Operação Lava Jato (anulando sentenças e julgamentos contra o ex-presidente Lula) mudou consideravelmente.

No que se refere a frações de classe dominante, houve FIESP e FEBRABAN assinando uma das cartas em defesa da democracia. No campo dos meios hegemônicos, a inclinação da Rede Globo para a aliança social-democrata é visível, sendo que SBT, Record e Rede TV (as duas primeiras redes de emissoras explicitamente sionistas) se alinham com os protofascistas.

Outro conflito de interesses entre a política internacional e a doméstica está na posição da embaixada dos EUA e a administração democrata de Joe Biden. Israel é o aliado estratégico do Império Anglo-Saxão Americano e esta condição é bipartidária. Já na projeção de poder para as Américas, podemos ver um maior alinhamento de transfusão cultural.

O chamado “cinturão bíblico” da direita republicana estadunidense encontra eco nas empresas de exploração da fé alheia que arrecadam em espécie alinhando neopentecostais, pentecostais e renovados. Este fenômeno ocorre não apenas no Brasil, mas em toda América Latina, com ênfase em alguns países além do nosso: Guatemala, Honduras, Paraguai e Colômbia por exemplo. 

Vencer fascismo demanda mudar o caminho. Para isso, precisamos de uma Revolução

Em termos de arranjo externo-interno, como Jair Bolsonaro se alinhou integralmente na agenda do trumpismo tropical, aceitando o próprio Donald Trump como líder e Steve Bannon na figura de ideólogo, é impossível para a Casa Branca de Biden encontrar eco ou ponto de diálogo com os protofascistas brasileiros.

O inverso é verdadeiro. Da parte da centro esquerda e da direita liberal-democrática, a agenda mais “avançada de costumes”, ampla, geral e inclusiva, constitui um fundamento político contemporâneo e é cavalo de batalha do Partido Democrata. 

Outro aspecto revelador na semelhança da política interna dos EUA para aquela existente no Brasil após a chegada da Operação Lava Jato é o descrédito no jornalismo profissional de meios hegemônicos, mesmo quando esses veículos são a base do consumo cultural brasileiro, como é o caso da Rede Globo.

Curioso é observar que as bases da Lava Jato vêm do Projeto Pontes, a versão jurídica do “big stick” na Era Obama inaugurada ainda em fevereiro de 2009, em sua primeira administração com Hillary Clinton (derrotada por Trump em 2016) à frente do Departamento de Estado. Em suma, o veneno termina atingindo o próprio escorpião.


Uma análise das pesquisas e da manipulação de redes sociais  

Como as previsões do Ipec, Ipespe e Datafolha não chegaram perto de uma vitória de Lula raspando, dando segundo turno ou levando por pouco no primeiro, estamos vendo a ascensão do argumento bolsonarista. Mesmo que a social-democracia vença no segundo turno, como Lula não venceu no primeiro turno com 12 pontos de vantagem, outubro se transforma no inferno em verde e amarelo em termos de fake news e manipulação.

O trabalho de difusão de institutos de pesquisa sob encomenda e o reforço de bolhas de opinião publicada manipulando a opção do público levam a um fenômeno do século XXI latino-americano. A extrema-direita ganha as ruas, há um abandono dos símbolos do nacionalismo popular latino-americano e a ideia de “país” mais se assemelha a uma cópia do período colonial. As lições da história política ensinam que quanto mais espaço se dá para o inimigo, mais este cresce e devora tudo ao redor.


Breve conclusão 

Teremos um outubro de absoluto frenesi. Espero sinceramente que a social-democracia desista desta lógica absurda de entregar as ruas para os protofascistas. No que diz respeito à colônia árabe-brasileira, é fundamental ganhar os espaços públicos dos sionistas e seus aliados no Brasil.

Bruno Beaklini | Monitor do Oriente Médio


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Bruno Beaklini

LEIA tAMBÉM

1fe87bc8-369d-4b78-beb4-3c0e60d7b520
Qual o preço da aprovação do furo do teto dos gastos? Saiu barato para o centrão!
60c4bd06-ab9f-4bd3-8926-d6d97b0e6289
Por mentir descaradamente durante eleições, Jovem Pan perde monetização no YouTube
a1478090-ccd2-4be6-a65e-9208a13c3341
Com derrota à crueldade fascista, RS dá fôlego à esquerda e retoma diálogo democrático
d3908a35-5d39-49e0-8e1b-a5eb2078d981
Fascistas nas ruas, serviço público precário e prefeito negligente: Porto Alegre volta a 1964