Pesquisar
Pesquisar

Cláudio Di Mauro | Sim, o inferno existe!

Se temos o inferno, claramente localizado, onde estão os demônios? Afinal, quem são os capetas?
Claúdio di Mauro
Diálogos do Sul
Uberlândia (MG)

Tradução:

Há quem acredite que o inferno é um local definido para que os pecadores, após a morte, expiem no resto dos tempos, pelo fato de não terem vivido com base nos princípios cristãos. Mas, quais princípios cristãos? Dos pastores “vendilhões dos templos”?

Também há os que acreditam na existência de um local com o cognome de umbral, onde os viventes que desrespeitaram as normas que estabelecem o respeito à Deus passarão um longo tempo expiando suas faltas cometidas em outras vidas. Enfim, o inferno existe para esses “crentes”, em modelos diferentes. Eles estão certos? Afinal, o inferno existe???

Assista na TV Diálogos do Sul

Nestes dias temos a confirmação de que realmente o inferno existe e confina milhares de vidas humanas.

A expulsão dos povos indígenas de suas terras de moradia e produção lhes configura o inferno.

Temos visto a que situação seres humanos foram relegados. Sofrimentos, quase intermináveis e, em muitas vezes, capazes de levá-los à morte. Em muitos casos, a morte é a libertação para tanto sofrimento. Bebendo água com mercúrio em consequência de atividades minerárias indevidas e para as quais há conivência governamental. Invasão e morte para usurpar seus lugares de vida, promovidos por garimpeiros e madeireiros que têm sido denunciados constantemente.

Produto de negligência e corrupção, situação dos Yanomami aponta política de extermínio

São seres humanos que não são tratados como gente, mas como animais. Embora, nem com animais cabe confinar tanto sofrimento. Coisas horríveis produzidas por MITOS e seus asseclas capazes de constituir o inferno.

Nesta semana morreu a mulher Yanomami que foi exposta e fotografada em suas horas finais de vida, configurada em pele e ossos. Sem forças para ficar em pé, ostentando a fraqueza completa, sendo levantada por outras pessoas, para ser fotografada. A reprodução e exposição das imagens dessa mulher nos fazem identificar o inferno em que ela viveu e no qual estão confinados os povos Yanomamis.

São mais de 500 crianças Yanomamis que morreram por inanição, neste País que é uma das maiores economias do Mundo!!!! Como pode haver tanta insanidade? Neste país, em que durante a pandemia por covid-19 ricaços ficaram ainda mais “trilionários”, enquanto milhares de pessoas morreram por falta de vacinas? Onde tantos povos de Nações Indígenas foram confinados à morte, pela tortura da fome e pela falta de atenção à saúde?

Se temos o inferno, claramente localizado, onde estão os demônios? Afinal, quem são os capetas?

Urbs magna | Reprodução
Chegou a hora de se acabar com esse modelo de inferno!!! Devemos oferecer nossa contribuição para essa transformação!




Precisamos conviver com o inferno?

Precisamos de tantos sofrimentos humanos para cair na realidade? Precisamos conviver com o inferno?

Mas, se temos o inferno, claramente localizado, onde estão os demônios? Afinal, quem são os capetas?

Quem teria declarado que o certo foi realizado nos Estados Unidos, onde a cavalaria exterminou com os povos nativos, o que não aconteceu no Brasil? Ou seja, o inferno já esteve na América do Norte ou da América da Morte!!!

Quanta insensibilidade, típica daqueles que se entendem por demônios, mas que se apresentam como salvadores da pátria!!! Pátria de alienados, insensíveis, alguns enganados por reflexões e campanhas mentirosas..

Desnutrição, malária, abusos sexuais: Governo Bolsonaro ignorou socorro a povos Yanomami

Quem teria declarado que nestes tempos as Nações Indígenas não teriam demarcação nem mais 1 cm² de terras, para nela viverem? Afirmações delirantemente aplaudidas por quase metade do eleitorado brasileiro?

Quem teria declarado que autorizaria e autorizou a implantação da exploração minerária e madeireira em terras das Nações Indígenas? Matanças e extermínios de culturas!!!

Quem teria impedido de chegar socorro para tais populações que estavam submetidas à covid-19? Mais uma demonstração de que o intento era exterminar com tais culturas ancestrais, do território brasileiro? Veja-se a gravidade desta realidade!!!

Nessas decisões e em igual naipe, estavam e estão expressas as regras para a manutenção do inferno.

Não há como desconsiderar que se trata intencionalmente de genocídio! Tudo em nome de Jesus Cristo, intermediado por “igrejas” e seus representantes. Tudo para garantir o economicismo que mantém o capitalismo. Lacaios do interesse econômico e financeiro.

Só esse exemplo já demonstra a diferença de olhares e dedicação do governo nazifascista para um governo que enxerga os povos enfraquecidos e lhes diz, com Silvio Almeida: “Vocês Existem! Vocês são importantes para nós!!!”.

Chegou a hora de se acabar com esse modelo de inferno!!! Devemos oferecer nossa contribuição para essa transformação!

Cláudio Di Mauro | Geógrafo e colaborador da Diálogos do Sul


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Claúdio di Mauro

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel