Pesquisar
Pesquisar

Colômbia e EUA descartam ‘guerra às drogas’ em nova cooperação antinarcóticos

Grupo vai debater questões como política de drogas em ambos os países, interdição, erradicação voluntária e economias rurais onde se cultiva coca
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Apenas dez dias depois de publicado o informe das Nações Unidas sobre o incremento histórico de cultivos de coca, que deixou de novo a Colômbia como o primeiro exportador mundial de cocaína, uma delegação estadunidense de alto nível se reuniu em Bogotá com funcionários colombianos no denominado Grupo de Trabalho Antinarcóticos.

Esta instância de cooperação bilateral foi criada em Washington em 2019 com o propósito de dar continuidade a tudo que se relaciona com o espinhoso tema de cultivo, produção e tráfico de narcóticos, assunto que domina as relações colombo-estadunidenses desde os anos 1980 do século passado.

Cultivo de coca na Colômbia pode ‘narcotizar’ política ambiental na Amazônia, diz especialista

Ao instalar as deliberações do Grupo de Trabalho, a vice-ministra de assuntos multilaterais da chancelaria da Colômbia, Elizabeth Taylor Jay, apresentou as linhas gerais da estratégia do país para os próximos dez anos, intituladas “Semeando vida, desterramos o narcotráfico”.

Na mesma linha defendida pelo presidente Gustavo Petro em fóruns internacionais, onde defendeu que a chamada guerra contra as drogas já fracassou e é indispensável explorar novos enfoques, a vice-chanceler questionou os “métodos tradicionais” utilizados para enfrentar este flagelo: “Os resultados não deram a resposta integral que demanda nossa sociedade”, disse.

Continua após o banner

Acrescentou que a Colômbia “não busca coexistir com o narcotráfico mas sim atacar as etapas de produção e tráfico, onde se concentram os grandes lucros, e assim poder erradicá-lo”.

Grupo vai debater questões como política de drogas em ambos os países, interdição, erradicação voluntária e economias rurais onde se cultiva coca

Chancelaria Colômbia
Governo Petro aposta em política mais realista, concentrada na busca da paz com os grupos armados por meio do diálogo político e jurídico

Paz através do diálogo político e jurídico  

Com mais de 250 mil hectares de coca, semeadas nas mais remotas regiões da periferia onde operam dezenas de grupos armados irregulares de distintas origens, a Colômbia reiterou ante os delegados dos Estados Unidos que o atual governo está apostando em uma política mais realista, concentrada na busca da paz com os grupos armados por meio do diálogo político e jurídico para reduzir “a vulnerabilidade gerada pelo cultivo, a produção e o tráfico de narcóticos”.

Guardando as formas diplomáticas, Jay aproveitou para “agradecer aos Estados Unidos sua histórica colaboração na luta antinarcóticos”, o que despertou assombro entre analistas locais, que lembraram que pelo menos 80% desta “colaboração” foi composta por gigantescas e custosas estratégias militares, incluindo a fumigação com glifosato de extensas áreas da geografia nacional, com um saldo de graves danos ao meio ambiente, à saúde e aos direitos humanos de milhões de camponeses.

Amanda Harumy: “Quem consome a droga são os EUA, o que sobra para Colômbia é a guerra”

Adam Cohen, subdiretor da política nacional de drogas da Casa Branca, apelou à maximização das discussões destes dois dias de trabalho “para criar um enfoque holístico e colaborativo”.

“Este diálogo – assegurou Cohen – traçará o caminho para uma cooperação que reduza os efeitos daninhos do tráfico de drogas”.

Continua após o banner

O Grupo de Trabalho binacional trabalha ainda em cinco painéis que abordarão a política nacional de drogas de ambos os países, assim como os temas ligados a interdição, segurança rural, estratégias de erradicação voluntária e trânsito e transformação das economias rurais onde hoje se cultiva coca.

Além de Cohen, a delegação estadunidense está integrada pelo subsecretário do departamento de assuntos internacionais de narcóticos, Todd Robinson e por funcionários da Usaid.

A chancelaria colombiana informou que, uma vez terminadas as sessões do Grupo de Trabalho, Robinson viajará durante dois dias para regiões onde seu departamento apoia programas produtivos de substituição de cultivos.

Jorge Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Milei
Javier Milei acusa FMI de sabotagem e enfrenta divisões internas no governo
FOTO ADRIAN PEREZ     evo morales
Evo Morales denuncia "autogolpe" de Arce e mantém ambições políticas na Bolívia
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela
Disputa por Esequibo e interferência de Argentina, EUA e Grã-Bretanha ameaçam eleições na Venezuela