Pesquisar
Pesquisar

Com 2,3 milhões nas ruas, protestos na França dão recado a Macron: povo "não virou a página"

Este foi o segundo maior 1º de Maio do século XXI francês, ultrapassado apenas pelo de 2002
Redação Esquerda.Net
Esquerda.Net
São Paulo (SP)

Tradução:

Mais de 300 manifestações assinalaram o Dia do Trabalhador na França, desta vez convocadas pela Intersindical que junta as principais centrais sindicais do país e tem promovido os protestos contra a reforma das pensões.

Com a luz verde do Conselho Constitucional a esta proposta do Governo sem aval do Parlamento, Emmanuel Macron acreditou que isso iria desmobilizar o protesto, mas a mobilização desta segunda-feira (1) desmentiu-o.

Sindicatos na França: protestos vão continuar até que Macron cancele reforma da previdência

Segundo os números do Ministério do Interior, saíram à rua 782 mil manifestantes neste 1º de Maio, quando no ano passado o mesmo organismo tinha divulgado 116.500. Já a CGT anunciou a presença de 2,3 milhões de manifestantes na França, dos quais 550 mil em Paris.

Este foi o segundo maior 1º de Maio do século XXI francês, ultrapassado apenas pelo de 2002. Há 21 anos a data calhou entre as duas voltas das presidenciais e as manifestações transformaram-se numa gigantesca mobilização contra o fascismo e a presença de Jean Marie Le Pen na segunda volta, onde seria derrotado por Jacques Chirac.

Este foi o segundo maior 1º de Maio do século XXI francês, ultrapassado apenas pelo de 2002

Perfil Brasil
Ao longo de toda a tarde, houve cargas policiais violentas, acompanhadas pelo lançamento de gás lacrimogéneo e granadas atordoantes




Derrota do governo

Agora, para a recém-eleita líder da CGT, Sophie Binet, a participação foi “um desmentido contundente da estratégia de Emmanuel Macron, porque não há apaziguamento. Ao contrário do que pede o Governo, a página não foi virada”.

Para a líder sindical, “há um contraste chocante entre o que está a acontecer nas ruas, uma mobilização unitária, uma população solidária, e um Presidente da República que nunca esteve tão solitário”.

Continua após o banner

Além deste protesto, os sindicalistas olham para duas datas do calendário institucional: esta quarta-feira o Conselho Constitucional vai pronunciar-se sobre uma segunda proposta de referendo, depois de ter rejeitado a primeira a 14 de abril; e a 8 de junho o Parlamento pode vir a pronunciar-se pela primeira vez sobre a reforma das pensões, caso vá a votos a proposta do grupo de deputados independentes LIOT para revogar a medida.

Entretanto, os sindicatos querem aproveitar a dinâmica das lutas para pressionar o Governo a ceder noutras matérias, ao longo das reuniões solicitadas pela primeira-ministra Elisabeth Borne. E prometem anunciar já esta terça-feira as próximas etapas da mobilização.

Unidade sindical é peça-chave dos protestos contra reforma previdenciária na França

Mas é nas ruas que se joga o desenlace desta luta, advertiu o líder da França Insubmissa em Paris. “Não desistam de nada, nunca! A luta continua até à vitória. Enquanto homem de idade que sou, já vi muitos senhorzinhos que se julgavam indispensáveis e que foram derrubados. Não se deixem domesticar, custe o que custar!”, apelou Jean-Luc Mélenchon, citado pelo Mediapart(link is external), prometendo a recuperação da reforma aos 60 anos.

A par do desfile, o 1º de Maio em Paris ficou também marcado por ações de grupos ecologistas como o Extinction Rebellion, ao “vestir” a estátua da Praça da República com um colete onde se lia “Macron demissão” e ao lançar tinta laranja na fachada da Fundação Louis-Vuitton, financiada pelo grupo de artigos de luxo LVMH, cujo líder Bernard Arnault tem alternado com Elon Musk no topo da tabela dos mais ricos do mundo.

A violência dos confrontos com a polícia foi outro dos destaques das manifestações em várias cidades. Em Paris, centenas de manifestantes vestidos de negro colocaram-se à frente do cortejo, vandalizando montras de lojas e bancos e lançando foguetes e cocktails molotov contra a polícia, mas também contra o stand do PC francês, ferindo ligeiramente alguns militantes, enquanto o seu líder Fabien Roussel teve de ser retirado do local.

Continua após o banner

Ao longo de toda a tarde, houve cargas policiais violentas, acompanhadas pelo lançamento de gás lacrimogéneo e granadas atordoantes, e mais de cem detenções em Paris e outras 200 no resto do país.

Redação | Esquerda.Net


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda.Net

LEIA tAMBÉM

Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso
Rafah-ataque-Israel
Fepal: Como Alemanha nazista, Israel deve ser parado pela força das armas
Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu