Pesquisar
Pesquisar

Com Bolsonaro, tempo para encontrar emprego hoje é maior do que no início da pandemia

Segundo a pesquisa da CNDL, o tempo médio que o brasileiro leva para sair de um emprego formal e encontrar outro é de um ano e meio
Redação Esquerda Diário
Esquerda Diário
São Paulo (SP)

Tradução:

Segundo uma pesquisa recente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas, o tempo que um brasileiro leva para encontrar outro emprego formal depois de ter perdido seu antigo emprego aumentou. O último levantamento, que foi em 2020, indicava que o tempo médio de desemprego era de 15 meses, mas agora passou a ser de 18 meses.

É chamativo que esse índice tenha subido durante a desastrosa gestão da pandemia de Jair Bolsonaro. A pesquisa também mostra que 86% dos desempregados não têm nenhuma reserva financeira para se manter durante esse período, o que joga milhões de brasileiros para a informalidade, tendo que trabalhar como vendedor ambulante, revendedor de produtos, entregador. O perfil de trabalhadores que fica durante esse período procurando trabalho é bem definido: mulheres jovens, com ensino médio completo, das classes C,D e E.

Essa realidade se aprofundou no último período. Há cerca de 32,5 milhões de trabalhadores informais no Brasil, segundo pesquisa da PNAD Contínua. Desse total, 60% trabalha com bicos, ou seja, com uma renda completamente instável, sem segurança nenhuma de que se terá uma renda durante o mês. O perfil desse trabalhador de bicos é definido como homens jovens, de 14 a 24 anos, com baixa escolaridade.

O trabalho informal não é considerado como desemprego para o IBGE, o que causa uma falsa sensação de que o mundo do trabalho está mais “saudável” ao se analisar puramente os índices de emprego que saem nas pesquisas da PNAD. Essa categoria de trabalho, no entanto, não prevê nenhum direito trabalhista necessariamente, como o FGTS, 13º salário, INSS ou seguro-desemprego.

Desindustrialização e neoliberalismo colocam Brasil no top 10 dos piores em desemprego

Bolsonaro e o regime do golpe são responsáveis pelo avanço da precarização do trabalho e das condições de vida da classe trabalhadora. Esse quadro se aprofundou com a reforma trabalhista, que tira direitos e facilita as demissões. Além disso, os tipos de trabalho precários, como o terceirizado, se aprofundaram durante o governo Bolsonaro, por meio do congelamento dos concursos públicos e a contratação de temporários e terceirizados.

Para enfrentar consequentemente esse cenário é necessário no mínimo a revogação de todas as reformas, como a reforma trabalhista e da previdência. Somente com as nossas forças é possível derrotar essas reformas da direita e da extrema-direita, e para isso é necessário que as centrais sindicais como a CUT e a CTB rompam sua paralisia e convoquem um verdadeiro plano de lutas que possa arrancar o direito à jornada de trabalho de 30h sem redução de salário para que seja possível dividir as horas de trabalho disponíveis entre empregados e desempregados com todos os empregos sendo plenos, ou seja, com todos os direitos.

Redação | Esquerda Diário


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Esquerda Diário

LEIA tAMBÉM

g20-guarani-ms-3
G20 e universidade do MS fecham parceria para produção de conteúdo jornalístico em guarani
MST-40 anos
Brasil possui 2ª maior concentração de terras do mundo, vergonha que MST combate há 40 anos
Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news