Pesquisar
Pesquisar

Com Laura Richardson, EUA seguem atentando contra soberania latino-americana e caribenha

No Peru, Dina Boluarte operou em giro notório na política exterior peruana, submetendo-se servilmente aos desígnios do império
Gustavo Espinoza M.
Diálogos do Sul Global
Lima

Tradução:

Walt Whitman, em sua linda homenagem a Abraham Lincoln, nos anuncia que o legado do valoroso lenhador se vai extinguindo, ou está a ponto de perecer. Recolhendo as expressões daqueles porta-vozes do governo dos Estados Unidos, pareceria que esta dolorosa premunição se cumpre. Em todo caso, hoje está mais longe do que nunca.

Poderia supor-se que nas Forças Armadas dos Estados Unidos se tem imposto o feminismo, ou que ganhou pontos a luta por igualdade de gênero, tão cara em nosso tempo. Mas não é propriamente assim. Uma andorinha não faz verão.

A senhora Laura Richardson não é flor de qualquer jardim. Tem o que bem poderia denominar-se uma brilhante folha de serviços no Exército estadunidense, onde detenta uma especialidade: a Aviação Militar.

Continua após o banner

Como o símbolo do Comando Sul é o Condor, e ela é a andorinha, talvez poderia afirmar-se ironicamente que a senhora assoma como uma ave do alto voo. Sua função não tem limite.

Quando nos EUA se fala do Sul, não se alude aos Estados localizados ao Sul de seu espaço geográfico, como poderiam ser Texas ou Florida, mas sim aos países localizados entre o rio Bravo e a Patagônia, quer dizer, a todo o continente.

Leia também: “Terrorismo urbano”: regime no Peru recria era pré-Fujimori para justificar prisões e extermínio

A senhora Richardson, a General, veterana de diversas guerras, e que servira, em seu momento, na Coreia do Sul, no Iraque – “Operação Liberdade” 2003 – e Afeganistão, olha hoje com singular preocupação o extenso território que James Monroe já considerava que lhes pertence, em 1923.

Em honra a tão ilustrados antecedentes – o de Monroe, aliás – a hoje General assegurou, em seu momento, que esta região é muito rica em petróleo, outo, prata, cobre, lítio e outros minerais, assim como em água, floresta e biodiversidade. E sustentou, nessa linha, que esses recursos não poderiam beneficiar “potências extracontinentais”, senão os EUA. 

Continua após a imagem

No Peru, Dina Boluarte operou em giro notório na política exterior peruana, submetendo-se servilmente aos desígnios do império

Foto: Comando Sul dos EUA/Twitter
O que pode aportar em matéria de narcotráfico o país que consome mais droga no mundo? E sobre terrorismo, o país mais terrorista do planeta?

“Nos pertencem”, assegurou, fazendo gala à parte de suas funções que lhe permitem também cautelar os interesses dos Estados Unidos “frente ao avanço da China e da Rússia”, que lhes arrepia o corpo. 

Se uma declaração assim houvesse sido feita por um funcionário da Casa Branca, poderia ser considerada expressão da voracidade proverbial do Império; mas dita por um alto chefe militar das Forças Armadas dos Estados Unidos – homem ou mulher – parece como uma grosseira agressão que atenta contra as riquezas básicas de países independentes e soberanos.

Leia também: Máfia golpista persegue juristas responsáveis por investigar procuradora-geral do Peru

Esta declaração, há pouco foi acompanhada por outra: a senhora Richardson tomou a liberdade de atacar a Telesur, a agência de notícias latino-americana que lhe tira o sono, e a RT e outras agências internacionais de notícias não vinculadas aos interesses de Washington.

Para ela, suas transmissões ameaçam a segurança dos Estados Unidos, que ao dizer de Foster Dulles, não tem amigos, mas sim interesses, e levantam os povos. Em outras palavras põem em risco às grandes corporações e o investimento norte-americano; em suma, desestabilizam o capitalismo no plano mundial. 

Nesse marco confuso e convulso, Dina Boluarte operou em giro notório na política exterior peruana. Submeteu-se servilmente aos desígnios de USA. E isso, que assomou desde as iniciativas de Lisa Lane – ex-agente da CIA e embaixadora norte-americana no Peru – se viu sobredimensionado a partir da presença da senhora Richardson aqui.

Continua após o banner

Nos últimos meses, os ministros do Interior e de Defesa viajaram aos Estados Unidos para “intercambiar ideias” referentes à “luta contra o narcotráfico”. Este registra muitos altos índices em USA onde é alto o terrorismo”. Obviamente, esse “intercâmbio” foi desigual. Eles se foram sem ideias e voltaram com as da Casa Branca. 

O que pode aportar em matéria de narcotráfico o país que consome mais droga no mundo? E sobre terrorismo, o país mais terrorista do planeta?

Antes que a DEA operasse no Peru, o tráfico de drogas registrava níveis muito baixos. Hoje, é um dos mais altos da região. E, quanto ao terrorismo, registram-se altos índices nos Estados Unidos, onde cotidianamente pessoas enlouquecidas matam crianças em escolas e bairros.

Leia também: Peru: a terra com 7 milênios de história em constante luta por independência e soberania

Se a esta já enfermiça relação entre Biden e o regime de Boluarte e Otárola somamos a presença de tropas norte-americanas que operam aqui em segredo, e que serão acompanhadas por navios de guerra e novo armamento, teremos a imagem de um vínculo belicista que responde a uma política completamente alheia aos interesses do país. 

O negócio da guerra não está inscrito no DNA do Peru. E, ademais, o legado de Lincoln, entre nós, não morreu. 

Na América Latina inteira, bem pode se esperar com Pablo Neruda “que desperte o lenhador…”.

Gustavo Espinoza M. | Colaborador de Diálogos do Sul de Lima, Peru.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Gustavo Espinoza M. Jornalista e colaborador da Diálogos de Sul em Lima, Peru, é diretor da edição peruana da Resumen Latinoamericano e professor universitário de língua e literatura. Em sua trajetória de lutas, foi líder da Federação de Estudantes do Peru e da Confederação Geral do Trabalho do Peru. Escreveu “Mariátegui y nuestro tiempo” e “Memorias de un comunista peruano”, entre outras obras. Acompanhou e militou contra o golpe de Estado no Chile e a ditadura de Pinochet.

LEIA tAMBÉM

mapuche-carabineros
2 anos de estado de exceção na terra mapuche: "É muito chocante. Nos tratam como terroristas"
Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado