Pesquisar
Pesquisar

Com Noboa, não existe direito a trabalho, saúde ou educação, alerta sindicalista do Equador

"Queremos e merecemos outro estilo de vida, mas estamos presos no nosso próprio país pela violência e pelas organizações criminosas", diz Fernando Serrano
Caio Teixeira
ComunicaSul
Quito

Tradução:

Neste momento, a questão é eleger Luisa González ou Daniel Noboa para a presidência e o último debate demonstrou o que todos já sabíamos: a total inépcia do candidato, enquanto ela é bem preparada”, afirmou Fernando Ibarra Serrano, presidente da Central Equatoriana de Organizações Classistas – Central Latino-Americana de Trabalhadores (Cedoc-Clat), em entrevista exclusiva. O dirigente, que não é partidário do ex-presidente Rafael Correa (2007-2017), reconhece que com Luisa, do movimento Revolução Cidadã, os trabalhadores e o sindicalismo terão espaço político para recuperar direitos, ao contrário do outro candidato.

De acordo com Ibarra, “os tremendos vazios de Daniel” – filho do bilionário Álvaro Noboa – foram notados: “esperava-se que isso se refletisse no debate entre os dois e, de fato, foi o que ocorreu”.

Assista na TV Diálogos do Sul

A lei eleitoral equatoriana determina que pelo menos um dos integrantes da chapa majoritária deva ser do sexo feminino, o que fez a chapa de Noboa colocar como candidata à vice-presidência Verónica Abad, uma inexpressiva pretendente à Prefeitura de Cuenca, que chegou em sétimo lugar na última eleição entre os nove pretendentes, com míseros 5,27% dos votos.

“Esta senhora não tem sequer preparação ideológica para apoiar o que diz e fala em privatização de tudo”, contestou o sindicalista, frisando que, “para este pessoal, não existe direito ao trabalho, não existe direito à saúde e nem à educação”.

"Queremos e merecemos outro estilo de vida, mas estamos presos no nosso próprio país pela violência e pelas organizações criminosas", diz Fernando Serrano

ComunicaSul
Serrano: Imprensa se perdeu pelo caminho, perdeu seu compromisso com a sociedade e está apenas a serviço de interesses particulares




Os cartéis da mídia não perdoam Correa

“Uma das coisas positivas do governo do presidente Rafael Correa foi encurralar os antigos poderes constituídos, a velha imprensa, que não o perdoa. Era impossível a qualquer pessoa ter acesso aos meios de comunicação. Na lei de comunicação proposta por Correa e aprovada durante o seu governo, havia o direito de resposta e réplica, e os meios de comunicação tinham a obrigação legal de dar espaço ao contraditório”, recordou Ibarra.

Na época, o sindicalista disse que adorava pedir direito de resposta: “Quando um ministro do Trabalho dizia barbaridades na imprensa, pois os meios de comunicação tinham obrigação legal de dar espaço de resposta para os sindicatos imediatamente”.

ComunicaSul viaja a Equador e Argentina para reportar eleições. Apoie essa missão

“Quando e como isso mudou? Primeiro com Lenin Moreno (2017-2021), que fez o referendo e, depois, com a nova regulamentação da lei de meios de comunicação, a partir da qual voltamos ao passado. Não existe mais direito de resposta. Fica na vontade de cada veículo desenvolver o seu próprio código de ética e sabemos no que isso dá”. Na presidência, Moreno traiu Correa e as expectativas da população, “barrou esse avanço e retrocedemos ao passado”.

“Moreno traiu a dimensão política e ideológica do correísmo, se entregou à extrema-direita”.

“Moreno traiu a dimensão política e ideológica do correísmo, se entregou à extrema-direita. E aí passa a ser levado de festa em festa, regada a champanhe francês e caviar, enquanto ensinavam a sua esposa as últimas modas de Paris e Milão. Isso não é especulação. Esta informação foi dada por seus próprios funcionários, gente próxima a ele”, garantiu.

O presidente da Cedoc-Clat denunciou que a partir desta capitulação, os grandes empresários passaram a “administrar tudo no governo Moreno”, com graves repercussões no mercado de trabalho e no cotidiano das empresas. “As medidas anti-trabalhistas não eram nem mesmo por decreto presidencial, mas por acordo ministerial, violando a legislação. Dessa forma foram criadas 11 novas formas de contratação precária. Os poderes fáticos recuperaram a sua força com Moreno e desfizeram o que Correa havia feito para demolir esses velhos poderes, incluindo a velha partidocracia. Infelizmente, foram seis anos (quatro de Moreno e dois de Guillermo Lasso) em que essas conquistas foram perdidas”, acrescentou.


Pesquisas serviram como “catapulta para vender ilusões”

Como desde a última quinta-feira (5) os Institutos de Pesquisa não podem mais se pronunciar sobre as candidaturas, “após terem servido como catapulta para vender uma ilusão a respeito de Daniel Noboa”, precisam se adaptar à realidade e a registrar o avanço de Luisa. “Como esses institutos podem explicar o crescimento de 20 pontos de Noboa da noite para o dia?”, questionou.

Continua após o banner

O assassinato de Fernando Villavicencio às vésperas do primeiro turno, explicou Ibarra, teve reconhecidamente um impacto no eleitorado. “Se utilizaram da mídia, como poder fático, e a velha política de forma perversa, para lançar acusações contra o correísmo”, lembrou. O fato, disse o sindicalista, “é que não houve tempo para desmantelar essa narrativa, prejudicando a vitória de Luisa González no primeiro turno, porque as previsões eram para isso”.

“Queriam nos vender uma nova grande referência para a política nacional, um jovem, muito inteligente, preparado e com tudo pronto. De direita, é claro”.

Sobre o modelo de entrevistas feitas pelo cartel midiático, Ibarra analisa sua manipulação, pois “fazem as perguntas já com a resposta incluída”. “Com uma onda de triunfalismo – pró Noboa – queriam nos vender que havia surgido uma nova grande referência para a política nacional, um jovem, muito inteligente, preparado e com tudo pronto. De direita, é claro”, frisou. Além disso, continua, “no primeiro debate de sete candidatos, obviamente você pode se misturar e se esconder. Mesmo assim, se tens 45 segundos e usa somente sete, é porque não tem nenhuma ideia para defender”.

Eleições no Equador: sucesso em último debate presidencial aproxima Luisa da vitória

O sindicalista também manifestou “uma insatisfação com a candidata Luisa González, porque acredito que ela tem mais ânimo e mais talento, mas seus estrategistas a mantiveram um pouco restringida no debate. Se a tivessem liberado um pouco mais, tenho certeza de que ela o haveria enterrado”.

“Luisa é uma mulher jovem e preparada. A diferença é que ela já teve experiência no setor público, na vida política, enquanto Noboa decidiu entrar na política na última hora. Um dia, tomando alguns drinks com amigos, discutem sobre quem seria o herdeiro da presidência. Então é mero capricho de um garoto rico”, protestou.

Continua após o banner

Para Ibarra, “o Equador merece um destino diferente do que nos aconteceu com a traição de Moreno e do que aconteceu com Lasso, ou seja, um Estado dominado pelo crime organizado e pelo tráfico de drogas”. “Queremos e merecemos outro estilo de vida, mas agora estamos presos no nosso próprio país, presos pela violência e pelas organizações criminosas”, declarou.

“Os sicários até podem vir dos pobres, mas quem se torna multimilionário com o tráfico de drogas não são eles, não são nem mesmo os líderes das gangues. Os grandes traficantes são outros”.

Sobre o crescimento descomunal da criminalidade, que multiplicou por cinco nos últimos seis anos, Ibarra ressaltou que ela “não vem dos pobres, que os sicários [assassinos de aluguel] até podem vir, mas quem se torna multimilionário com o tráfico de drogas não são eles, não são nem mesmo os líderes das gangues. Os grandes traficantes são outros”.

Em relação ao assassinato de Fernando Villavicencio, o sindicalista questionou a razão de, passados dois meses do crime, ainda não terem entregado o seu celular, que poderia informações relevantes às investigações, com a justificativa de que poderiam “prejudicar a reputação do falecido”.

Continua após o banner

“Portanto, são situações como essas, que mantêm o Equador assim, com um sistema judiciário debilitado, um sistema político falido, uma situação de ganância desenfreada, com esses poderes instituídos”, avaliou. Para completar, concluiu Ibarra, “com uma imprensa que se perdeu pelo caminho, que perdeu o seu compromisso com a sociedade e está apenas a serviço de interesses particulares. Esperemos que o povo faça a escolha certa”.

Caio Teixeira e Leonardo Severo Wexell | Especial para ComunicaSul, direto de Quito

A Agência ComunicaSul está cobrindo as eleições presidenciais e à Assembleia Nacional do Equador graças ao apoio das seguintes entidades: jornal Hora do Povo, Diálogos do Sul, Barão de Itararé, Portal Vermelho, Correio da Cidadania, Agência Saiba Mais, Agência Sindical, Federação dos Trabalhadores em Instituições Financeiras do RS (Fetrafi-RS); Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe-RS); Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos; Federação dos Comerciários de Santa Catarina; Confederação Equatoriana de Organizações Sindicais Livres (CEOSL); Sindicato dos Comerciários do Espírito Santo; Sindicato dos Hoteleiros do Amazonas; Sindicato dos Trabalhadores das Áreas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisa, e de Fundações Públicas do Rio Grande do Sul (Semapi-RS); Federação dos Empregados e Empregadas no Comércio e Serviços do Estado do Ceará (Fetrace); Federação dos Trabalhadores no Comércio e Serviços da CUT Rio Grande do Sul (Fetracs-RS); Intersindical, Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores do Paraná (CUT-PR); Associação dos Assistentes Sociais e Psicólogos do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (AASPTJ-SP), Federação dos/as Trabalhadores/as em Empresas de Crédito do Paraná (FETEC-PR), Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de São Paulo (Sintaema-SP); Sindicato dos Trabalhadores em Água, Resíduos e Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina  (Sintaema-SC), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada no Estado do Paraná (Sintrapav-PR), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp Sudeste-Centro), Sindicato dos Escritores no Estado de São Paulo, Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário Federal de Santa Catarina (Sintrajusc-SC); Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina (Sinjusc-SC), Sindicato dos Trabalhadores do Poder Judiciário Federal em Pernambuco (Sintrajuf-PE), mandato popular do vereador Werner Rempel (Santa Maria-RS) e dezenas de contribuições individuais.

É permitida a reprodução do artigo desde que citada a fonte e os apoiadores.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Caio Teixeira

LEIA tAMBÉM

Yamandú_Orsi_Pepe_Mujica_Uruguai
Esquerda caminha para retomar progressismo no Uruguai após desmonte de Lacalle Pou
Venezuela_pesquisas
Nada, além de pesquisas duvidosas, indica vitória da oposição na Venezuelanezuela
Venezuela_Censura
Mídia brasileira reproduz fake news sobre “censura” a empresas de telecomunicação na Venezuela
Vanessa-Martina-Silva-Maduro (3)
"Banho de sangue": grande mídia mente descaradamente sobre fala de Maduro, diz jornalista na Venezuela