Pesquisar
Pesquisar

Com vistas a uma nova era de desenvolvimento global, começa a XIV Cúpula dos Brics

Multilateralismo, cooperação sanitária, redução da pobreza e articulação econômica estão entre as prioridades do encontro entre países emergentes
Redação Telesur
Telesur
Caracas

Tradução:

Focada em promover o multilateralismo e o desenvolvimento global, a transferência de tecnologia, a cooperação sanitária, a redução da pobreza, a harmonia com o meio ambiente e a articulação de uma economia financeira capaz de superar a crise atual, teve início nesta quinta-feira (23), na China, a XIV Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Brics.

Trata-se de caminhar para uma nova era de desenvolvimento global compartilhado, com base no intercâmbio e na confiança mútua de seus membros e no fortalecimento das trocas comerciais e de segurança, apesar do impacto da ccom ovid-19, da crise econômica e do conflito entre Rússia e Ucrânia.

No Brics, Xi Jinping defende multilateralismo e princípios da ONU; leia íntegra do discurso

Participam do encontro o presidente chinês Xi Jinping e seus homólogos Cyril Ramaphosa (África do Sul), Jair Bolsonaro (Brasil), Vladimir Putin (Rússia) e Narendra Modi (Índia), que, além de avaliar a trajetória do bloco desde sua fundação, em 2009, projetarão suas perspectivas de ganhar protagonismo em um contexto mundial cada vez mais complexo.

Soma-se ainda a necessidade de consolidar a estabilidade nas relações internacionais, não só entre os membros do bloco, mas também com outros países, razão pela qual a China, desde que assumiu a presidência temporária do bloco em janeiro do ano passado, tem promovido mais de 70 reuniões ministeriais sobre temas como segurança, agricultura, economia e comércio.

Deve-se acrescentar a criação, entre os membros do bloco, de um novo programa de cooperação espacial, que inclui colaboração na área de satélites, intercâmbio de dados e observação espacial.

Multilateralismo, cooperação sanitária, redução da pobreza e articulação econômica estão entre as prioridades do encontro entre países emergentes

Captura de Tela
O Brics é uma associação econômico-comercial entre as cinco economias emergentes mais importantes do mundo

Fórum empresarial

Antes desta quinta-feira (23), foi realizado um fórum empresarial, no qual o chefe de Estado chinês e seu colega russo condenaram as políticas de sanções econômicas impostas pelas potências ocidentais que têm repercussões em todo o mundo.

Xi Jinping fez um convite para que incrementem negócios e investimentos estrangeiros na China, enfatizando que criará novos sistemas para avançar em uma economia aberta, capaz de construir um ambiente de negócios para empresas com base no direito internacional.

Xi Jinping pede aos BRICS maior cooperação pela paz e oposição a confronto entre blocos

“Há razões para temer que a economia mundial possa entrar em crise. Nesta encruzilhada crítica, a única maneira de evitar uma crise econômica é superar as dificuldades juntos e buscar a cooperação”, disse o presidente do país asiático.

O Brics é uma associação econômico-comercial entre as cinco economias emergentes mais importantes do mundo, fundada em 2009 com o objetivo de promover uma nova ordem financeira internacional.

Mais de três bilhões de pessoas vivem nas nações que compõem o bloco. Representam 25% do Produto Interno Bruto, 20% do comércio e 25% dos investimentos diretos globais. E ainda, 35% das reservas internacionais em todo o mundo pertencem a esses países.

Nesta XIV edição da Cúpula de Chefes de Estado e de Governo do Brics, participa como convidado o presidente argentino Alberto Fernández.

Redação Telesur
Tradução de Guilherme Ribeiro


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Telesur

LEIA tAMBÉM

crise-humanitaria-iemen
“Economia inclusiva” é hipocrisia do FMI para preservar capitalismo frente à desigualdade global
Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos