Pesquisar
Pesquisar

Cop 26: Milhares protestam em Bruxelas por medidas eficazes contra mudanças climáticas

"Atualmente, a maioria dos países gasta mais fundos subsidiando atividades que destroem a biodiversidade do que a conservando e isto terá que mudar”
Redação La Jornada
La Jornada
Bruxelas

Tradução:

Milhares de pessoas marcharam ontem em Bruxelas para pressionar os líderes mundiais a tomar medidas mais audazes para combater a mudança climática na Reunião de Cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) em Glasgow que terá início este mês. 

Umas 80 organizações participaram do protesto, que buscava ser o maior evento desse tipo na capital da União Europeia desde o início da crise do coronavírus, que deteve as marchas semanais do movimento climático.

Aproximadamente 25 mil pessoas, 50 mil de acordo com as organizações que convocaram, se somaram à Marcha pelo Clima. Ciclistas, famílias com crianças e manifestantes de cabelo branco encheram as ruas da cidade exigindo justiça climática e levando cartazes em inglês, francês e holandês. Houve até uma pessoa que exibia um urso polar de pelúcia na cabeça. 

“Estamos à espera de medidas ambiciosas, unidas e coerentes”, explicou o presidente da Coalizão pelo Clima, Nicolas van Nuffel.

"Atualmente, a maioria dos países gasta mais fundos subsidiando atividades que destroem a biodiversidade do que a conservando e isto terá que mudar”

La tercera
Milhares de pessoas marcharam em Bruxelas

Da coalizão participam ONG, sindicatos, organizações juvenis e movimentos cidadãos

A preocupação dos ambientalistas é que a 26ª Conferência das Partes sobre Mudança Climática, conhecida como COP 26, a ser realizada em Glasgow a partir de 31 de outubro, produza políticas que não façam o suficiente para reduzir as emissões de carbono e frear o aquecimento do planeta.

A multidão incluiu pessoas com e sem máscara. Com uma das taxas de vacinação mais altas do mundo, a Bélgica está começando a aliviar as restrições da Covid-19 e permitir novamente esse tipo de reunião. 

“Emergência climática é a questão política central da nossa época”, afirma Michael Löwy

O aquecimento global, causado pelas atividades humanas, já está provocando um agravamento dos incêndios, secas, tormentas e inundações em todo o mundo, motivo pelo qual os ativistas exigem limitar o aquecimento a 1,5º e conseguir a neutralidade de CO2 até 2050. 

Os compromissos atuais provocariam um aumento “catastrófico” de 2.7ºC, segundo estimativas da ONU, longe do objetivo do Acordo de Paris de manter o aumento de temperatura abaixo dos 2ºC, e se for possível em 1,55ºC. 

Na cidade chinesa de Kunming, David Cooper, subsecretário executivo da Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica, asseverou que a comunidade internacional deve investir muito mais e aumentar a escala e a velocidade de suas promessas de proteger a natureza e prevenir a perda de espécies. 

A 15ª reunião da Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica, conhecida como COP15 começou na última segunda-feira (11), em Kunming, com o objetivo de gerar impulso para um ambicioso acordo para reverter décadas de destruição do hábitat causada pela invasão humana e a mudança climática. 

Corrida nuclear e mudança climática antecipam apocalipse

Cooper disse em uma sessão informativa que os ministros que assistiram às reuniões virtuais desta semana devem mostrar mais ambição e dar uma “direção política clara” aos negociadores, que buscarão chegar a um acordo final em Kunming em maio de 2022.

Os grupos ambientalistas dizem que não há tempo a perder na proteção de hábitats e na diminuição das taxas de extinção, especialmente depois que os governos não conseguiram cumprir nenhum dos objetivos de biodiversidade para 2020 acordados no Japão há uma década. 

“Atualmente, a maioria dos países estão gastando mais fundos em subsidiar atividades que destroem a biodiversidade do que gastam em conservá-la e isto terá que mudar”, apontou Cooper.

A ONU quer que os países se comprometam a proteger 30% de suas terras até 2030, algo já acordado pelos Estados Unidos e outras nações. A China ainda não se comprometeu, apesar de implementar um sistema de “proteção ecológica” que põe 25% de seu território fora do alcance dos desenvolvedores. 

A agência oficial Xinhua descreveu a COP15 como um evento histórico organizado pela China, que tem como finalidade negociar um consenso único de uma década sobre a proteção da biodiversidade mundial, e que os países encontrem um terreno comum para “construir um futuro compartilhado para toda a vida na Terra”. 

Redação La Jornada

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação La Jornada

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024
Quenia-inundações
Inundações no Quênia matam 238 pessoas; governo ignorou alertas meteorológicos