Pesquisar
Pesquisar

Críticos repudiam discurso de Biden: "Precisamos reconstruir nossa democracia antes de sair pregando a outros países"

Ao apontar o “retrocesso” da democracia ao redor do mundo durante 'Cúpula da Democracia' o presidente estadunidense alegou que “este é o desafio que definirá nossos tempos”
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

A democracia está em grave perigo ao redor do mundo, inclusive dentro do próprio país anfitrião, foi a mensagem da chamada Cúpula pela Democracia convocada pelo presidente Joe Biden, declarando que “este é o desafio que definirá nossos tempos”, enquanto alguns críticos indicam que Estados Unidos primeiro devia reparar sua própria democracia antes de oferecer-se como árbitro da democracia mundial. 

Biden ao inaugurar a cúpula de dois dias realizada de maneira virtual com a participação de mais de 110 governos e representantes da chamada sociedade civil, incluindo sindicalistas, acadêmicos, “ativistas” e representantes do setor privado, advertiu que “estamos em um ponto de inflexão” na pugna entre as forças pró democráticas e as “autoritárias” ao redor do mundo, e que agora “a democracia necessita campeões”.  

Ao apontar o “retrocesso” da democracia ao redor do mundo, perguntou: “permitiremos que este retrocesso da (…) democracia prossiga sem freá-lo, ou junto teremos a visão (…) e a valentia para, uma vez mais, encabeçar a marcha do progresso humano e a liberdade humana para adiante?”

Diferentemente da retórica oficial durante as últimas décadas do autoproclamado “líder mundial da democracia”, nesta ocasião o presidente reconheceu que seu próprio país está enfrentando desafios e ataques contra suas próprias instituições democráticas e até o sufrágio efetivo afirmando que “aqui nos Estados Unidos, nós sabemos da mesma forma que todos, que renovar nossa democracia e fortalecer nossas instituições democráticas requer esforços constantes”. 

Biden volta atrás em sanções contra Rússia e aceita espécie de trégua com Moscou em 2022

A vice-presidenta Kamala Harris, pouco mais tarde, sublinhou que “sabemos que nossa democracia não é imune ante ameaças” e como exemplo destacou que “em 6 de janeiro [o assalto ao Capitólio para evitar a certificação dos resultados da eleição presidencial] continua tendo grande presença em nossa consciência coletiva e as leis anti voto em muitos estados que foram aprovadas são parte de um esforço intencional para excluir os estadunidenses de participar em nossa democracia”. 

O secretário de Estados, Antony Blinken, que encabeçou a sessão plenária, porque Biden aparentemente tinha outras coisas mais urgente para atender do que a crise democrática, afirmou que “nossas democracias enfrentam crescentes desafios em todo o mundo (…) A falta de confiança dos cidadãos no governo está aumentando, há ameaças às instituições democráticas e temos visto uma drástica recessão da democracia em anos recentes”.  

Por alguma razão parte da sessão plenária de líderes foi realizada a portas fechadas, sem meios, aparentemente porque para poder falar abertamente de transparência, prestação de contas e direitos democráticos, os funcionários públicos requeriam privacidade. 

Os três pilares da cúpula são a defesa contra o autoritarismo, enfrentar a corrupção e a defesa dos direitos humanos. 

Biden anunciou um novo fundo de 424 milhões de dólares para o que batizou de Iniciativa Presidencial para a Renovação Democrática, que impulsionará o trabalho internacional de Washington para apoiar a liberdade de meios, reformistas democráticos e a luta contra a corrupção internacional. Uma parte desses fundos será canalizada pela agência oficial de assistência exterior USAID para apoiar e defender os meios e jornalistas independentes em outros países. 

Supostamente os governos convidados devem oferecer compromissos de como buscarão defender e proteger a democracia, e até onde se entende, os que cumpram serão convidados de volta a outra cúpula no próximo ano (a qual se espera que seja presencial), segundo a Casa Branca. Biden repetiu sua consigna favorita: “Estados Unidos vai liderar com seu exemplo”. 

No entanto, não foi abordado o que seria feito se o país anfitrião não conseguir cumprir com seus próprios compromissos.  

Doutrina Biden: quais as diretrizes da cúpula “pela democracia” convocada por Washington?

Biden, no início da cúpula, apontou que estava dedicado a promover um par de projetos de lei para assegurar o direito básico ao voto em seu país, algo que tem dito repetidamente mas que não tem conseguido, e por ora essas iniciativas estão estancadas no Congresso. Agora, o país que insiste em se chamar líder da democracia ainda não pode garantir o sufrágio efetivo em seu próprio país – de fato está sendo suprimido ou até anulado por um torrente de leis estaduais impulsionadas por republicanos. 

Mais ainda, a intentona de golpe de Estado do passado 6 de janeiro continua sob investigação pelo Congresso, com os autores intelectuais da chamada insurreição – incluindo o ex-presidente Donald Trump e seus colaboradores – recusando-se a cooperar com os legisladores e, além disso, continuam promovendo a versão de que o atual governo de Biden é ilegítimo. Algumas forças direitistas estão abertamente chamando a uma “guerra civil”. 

Por isso, alguns críticos dessa cúpula disseram que talvez não seja o momento para que Estados Unidos tente recuperar seu lugar como “líder mundial” neste e em outros rubros nesta conjuntura. “Nossa democracia está em um ventilador. Necessitamos reconstruir nossa democracia em casa antes de sair pregando a outros países”, comentou Katrina vanden Heuvel, diretora de The Nation, em uma entrevista a Democracy Now.

Biden volta atrás em sanções contra Rússia e aceita espécie de trégua com Moscou em 2022

Por sua vez, a definição de quem são ou não guardiões da democracia e com isso determinar quem são os “bons” e os “maus” provocou críticas a Washington – incluindo a dos embaixadores da China e da Rússia – de que esta cúpula estava contagiada de certa nostalgia dos tempos da guerra fria e nutre de novo tensões desnecessárias. 

A lista de convidados provocou interrogantes, pois os países que são opositores e críticos dos Estados Unidos não foram convidados, enquanto países que se alinham ou são considerados aliados, mas estão violando direitos democráticos foram convocados a formar parte do que Biden chamou “uma comunidade global pela democracia”. 

Assim, a China e a Rússia não foram convidadas (mas Taiwan sim, provocando irritação os chineses), como tampouco Cuba, Bolívia e Venezuela (mas Juan Guaidó foi convidado), mas sim Paquistão, Índia, Brasil, Colômbia, Filipinas e Polônia países onde há sérias violações de normas democráticas incluindo os direitos humanos. 

Nesta sexta-feira será realizado o segundo e último dia da cúpula.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação