Pesquisar
Pesquisar

Cuba: milhões lotam ruas do país em celebração ao Dia do Trabalhador e à Revolução

Comemoração contou ainda com a presença e apoio de pessoas de outros países, como Venezuela, Alemanha, Canadá, EUA e Uruguai
Orlando Oramas León
Prensa Latina
Havana

Tradução:

Foi especial, apesar de a data tradicionalmente ocorrer aqui com a mobilização de milhões de cidadãos, que na ocasião reafirmam seu apoio à Revolução no poder desde 1º de janeiro de 1959. Desta vez, terminou a quarentena de dois anos para atos tão massivos, decididos pela pandemia de Covid-19.

A Plaza de la Revolución em Havana e muitas outras no país ficaram sobrecarregadas em um dos dias em que o Ministério da Saúde Pública registrou o menor número de infecções da doença em muitos meses.

Não foi por acaso que foram os trabalhadores da saúde que lideraram os desfiles por toda a geografia nacional.

Assista na TV Diálogos do Sul

Também o reconhecimento e participação dos homens e mulheres da Ciência, em particular os responsáveis pelo desenvolvimento e produção das vacinas anti-Covid que distinguem Cuba mundialmente contra o coronavírus que causa a pandemia.

A nomeação nesta ilha foi diferente de outras que em diferentes latitudes foram contra governos e políticas que prejudicavam os direitos trabalhistas e dos cidadãos.

Não houve bombas de gás lacrimogêneo ou confrontos com as forças de segurança em Havana ou em outras cidades ou vilas da ilha.

Comemoração contou ainda com a presença e apoio de pessoas de outros países, como Venezuela, Alemanha, Canadá, EUA e Uruguai

Bandeiras presentes eram contra bloqueio dos EUA e a favor do processo revolucionário e de seus líderes

Bandeiras contra o bloqueio

As bandeiras aqui eram contra o bloqueio dos EUA e a favor do processo revolucionário e de seus líderes que – outra diferença – faziam parte dos desfiles.

Na Plaza de la Revolución estavam o líder da Revolução, Raúl Castro, e o Presidente da República, Miguel Díaz-Canel, que foram aplaudidos por outros.

Parece estranho porque nesta ilha não faltam problemas, dificuldades e penúrias, num país que luta contra mais de 60 anos de cerco econômico, comercial, financeiro e outros, e reforçado pelo seu executor, o governo dos Estados Unidos.

Também deve ser estranho a quem previu a baixa mobilização cidadã e a encorajou apostando que Cuba é a que vivenciou os incidentes de julho do ano anterior, quando de fora incentivaram protestos e atos de vandalismo.

Cuba precisa de solução criativa para superar bloqueio, afirma músico Silvio Rodríguez

Há coisas que não mudaram desde então, entre elas os planos de desestabilização para subverter a ordem e provocar uma explosão social, pilares da hostilidade de Washington, segundo a denúncia de Havana.

Mas o governo cubano não ficou de braços cruzados. As baterias se acenderam e atingiu bairros vulneráveis, entre muitas outras ações decisivas em meio a um ambiente econômico marcado pela decisão de Washington de dar xeque-mate à Revolução.

Neste 1º de maio, milhões de cubanos “desestabilizaram” a paz cotidiana aos domingos neste país, e muitas testemunhas vindos de diferentes partes do mundo o fizeram.

Por isso as múltiplas bandeiras de outras nações que acompanharam as marchas, e sobretudo pelas centenas de ativistas estrangeiros que aqui vieram celebrar o Dia Internacional dos Trabalhadores.

Eles encheram as entradas da arquibancada da praça principal de Havana e do país.

Memorando Mallory: Bloqueio econômico dos EUA a Cuba completa 60 anos

A partir daí colombianos, venezuelanos, alemães, canadenses, estadunidenses, uruguaios e muitas outras nacionalidades interagiram com o povo e também foram responsáveis pela marcha emperrada em alguns momentos.

Eles são os protagonistas do Encontro Internacional de Solidariedade com Cuba, que culminará hoje no Centro de Convenções desta capital.

Hoje a maioria dos cubanos descansa. Por lei, o feriado é transferido para segunda-feira. Será o prelúdio de mais um dia de trabalho e resistência criativa, como foi lido em faixas durante o desfile.

Orlando Oramas Leon, Prensa Latina



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Orlando Oramas León

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei