Pesquisar
Pesquisar

Declarações de mercenário estadunidense confirmam operação contra Nicolás Maduro

Airan Berry, militar veterano dos EUA e mercenário detido na Venezuela, confirmou que o assassinato de Maduro era o principal objetivo da invasão
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

O ministro venezuelano da Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, apresentou esta quinta-feira, numa conferência de imprensa no Palácio de Miraflores (sede do governo), as declarações do mercenário estadunidense Airan Berry, um dos 23 detidos até ao momento pelas Forças Armadas e de segurança, na sequência da fracassada tentativa de invasão costeira.

Com 41 anos, Berry confirmou a sua ligação a Jordan Goudreau, dono da empresa de mercenários Silvercorp, que assinou um contrato milionário com o dirigente da oposição venezuelana Juan Guaidó para fixar os termos da operação terrorista a levar a cabo, tal como revelam documentos já divulgados e os depoimentos de diversos envolvidos.

Berry disse ter dado treino em tácticas de combate urbano em acampamentos na Colômbia, onde se encontravam entre 50 e 60 paramilitares sob o comando do desertor venezuelano Antonio Sequea, que participou ativamente na tentativa de golpe de Estado de 30 de Abril de 2019, liderado por Guaidó e Leopoldo López.

Airan Berry, militar veterano dos EUA e mercenário detido na Venezuela, confirmou que o assassinato de Maduro era o principal objetivo da invasão

AbrilAbril
Jorge Rodríguez considerou «inverosímil» que uma operação deste tipo pudesse ser levada a cabo sem a coordenação com os governos dos Estados

Interrogado sobre a natureza da sua missão depois de entrar em Caracas, Berry, que integrou as Forças Especiais de combate dos EUA e participou em missões estadunidenses no Iraque em 2003, 2005 e 2007 – segundo revela a TeleSur –, respondeu que devia apoiar as forças que tinham como objetivo tomar o Aeroporto Internacional Simón Bolívar.

Berry e Luke Denman – outro mercenário estadunidense capturado pelas autoridades venezuelanas – deviam então garantir a vinda de outros aviões, que levariam o presidente da Venezuela, sequestrado, para os EUA.

O ex-militar e mercenário texano disse também que a “Operação Gedeón” tinha diversos objetivos específicos, sendo um deles assassinar o presidente Nicolás Maduro. Os outros eram tomar a Direção-Geral de Inteligência Militar, o Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) e o Palácio de Miraflores. Para além disso, na base aérea de La Carlota, os terroristas tinham de garantir o controle da pista de pouso.

As declarações de Berry – refere a Prensa Latina – coincidem com as que Luke Denman prestou às autoridades venezuelanas. A este propósito, Jorge Rodríguez disse que “parece inverosímil que esta operação, que implicava a captura de um aeroporto para permitir a entrada de aviões estrangeiros, pudesse ser levada a cabo sem a coordenação com os governos dos Estados Unidos e da Colômbia”.

Plano apoiado pela Colômbia e o narcotráfico

Na conferência de imprensa, Rodríguez destacou as ligações entre Juan Guaidó, os desertores venezuelanos e terroristas que fazem treinamento na Colômbia com os narcotraficantes no país vizinho.

Entre estes, referiu-se a Elkin Javier López Torres, Doble Rueda, “um dos principais chefes do narcotráfico colombiano na península de La Guajira” e que pôs a sua quinta, localizada junto à fronteira com a Venezuela, à disposição da “Operação Gedeón”, onde ocorreram os treinamentos finais, segundo o ministro. Também Airan Berry disse tê-lo visto nesse local.

Jorge Rodríguez sublinhou a “clara ligação” de Juan Guaidó e dos desertores venezuelanos a narcotraficantes como Doble Rueda, e destacou o “envolvimento brutal e intensivo do governo colombiano, presidido por Iván Duque, no apoio a todo o tipo de ações criminosas e violentas contra a Venezuela”.

“Todas as ações que ocorreram na Venezuela desde 2016 têm apoio logístico e local de treinamento na Colômbia, e isso acentuou-se com Iván Duque”, afirmou Rodríguez.

Redação AbrilAbril

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei