Pesquisar
Pesquisar

Desde 1999, mais de 300 mil crianças sofreram violência sob arma de fogo em escolas nos EUA

The Washington Post dedicou anos a rastrear quantos estudantes estiveram expostos a incidentes desse tipo desde massacre de Columbine High
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

Mais de 311 mil crianças estadunidenses de 331 escolas do país foram vítimas de violência armada desde o massacre de Columbine High, Colorado, em 1999, revelou hoje o diário The Washington Post.

Este jornal estadunidense dedicou anos a rastrear quantos estudantes estiveram expostos a incidentes desse tipo durante o horário escolar desde o tiroteio massivo de final dos anos 90, em que foram assassinadas 12 crianças e dois professores.

Nos EUA, total de armas de fogo ultrapassa população e causa recorde de mortes em 2021

Na falta de dados oficiais, o Post reuniu artigos de imprensa, bases de dados, informes dos agentes da ordem e telefonemas às escolas e departamentos policiais.

Depois dessa busca exaustiva, determinou que, ainda que os tiroteios nas escolas continuem sendo pouco frequentes, em 2021 foram registrados 42, mais do que em qualquer outro ano desde pelo menos 1999.

Até agora, em 2022, foram registrados pelo menos 24 atos de violência com armas de fogo nos campus durante o dia escolar.

The Washington Post dedicou anos a rastrear quantos estudantes estiveram expostos a incidentes desse tipo desde massacre de Columbine High

Câmara dos Deputados
Mais de 300 mil estudantes sofreram violência armada nos EUA, aponta o Washington Post

Para além das mortes

Além das lamentáveis cifras de mortos e dos feridos registradas nesses 23 anos, os estudantes que presenciam a violência ou se escondem atrás de portas fechadas para evitá-la podem ficar profundamente traumatizados, assegurou o jornal estadunidense.

Uma das conclusões mais importantes do Post é o impacto desproporcionado dos tiroteios em centros docentes nas crianças negras.

Brasil foi terceiro país que mais exportou armas de fogo aos EUA em 2020, aponta estudo

Nos casos em que se pôde determinar a origem da arma, mais de 85% dos atiradores trouxeram-nas de suas próprias casas ou as obtiveram de amigos ou familiares.

Entre os escolares que executaram ações com armas de fogo há um menino de seis anos, que matou uma colega de classe depois de dizer que não gostava dela.

O mesmo ocorreu com uma adolescente de 15 anos, que matou uma amiga por rejeitar suas propostas românticas.

Sete de cada dez perpetradores eram menores de 18 anos, o que significa que, frequentemente pela negligência de um adulto, dezenas de crianças tiveram acesso a armas mortais, segundo o diário.

De acordo com um editorial, a busca do Post por mais tiroteios continuará, e é possível que os repórteres localizem outros incidentes de anos anteriores.

Redação Prensa Latina
Tradução de Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
Fujimori-Peru
PL no Peru que pode deixar Fujimori impune e engavetar 600 crimes viola direito internacional
imigração
Antes esperança para refugiados, Norte global germina ódios, aumenta muros e deixar morrer