Pesquisar
Pesquisar

Enquanto Cuba se recupera do furacão Ian, grande mídia usa desastre contra socialismo

Segundo Díaz-Canel, campanha de desestabilização, com objetivos bem definidos de guerra não convenciona, busca provocar um surto social na ilha
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Havana

Tradução:

Em Cuba, continuam os trabalhos de recuperação dos danos causados pelo furacão Ian ao passar pelo oeste da ilha.

Neste esforço participam autoridades, instituições e trabalhadores locais, com o apoio de contingentes das províncias menos afetadas pelo furacão, bem como da população e organizações e instituições como as Forças Armadas Revolucionárias e o Ministério do Interior.

As demarcações mais danificadas são Pinar del Río, Artemisa, Mayabeque, Havana e o município especial de Isla de la Juventud. No sábado (1), o contingente do Bosque Juan Almeida do Exército Central foi a Pinar del Río, o distrito mais atingido pelo Ian, que se juntou às forças locais para ajudar a erradicar as consequências do evento climático em Vueltabajo.

O general do Corpo de Exército Ramón Espinosa Martín, nomeado pelo presidente Miguel Díaz-Canel, está neste território como chefe da recuperação. Na sexta-feira (30), o presidente cubano pediu que se trabalhe incansavelmente com abrangência e eficiência nos esforços de recuperação.

Segundo Díaz-Canel, campanha de desestabilização, com objetivos bem definidos de guerra não convenciona, busca provocar um surto social na ilha

Reprodução – Twitter
A informação oportuna e verídica à população desempenha um papel fundamental, afirmou Díaz-Canel

Em uma reunião diária para avaliar o andamento dessas obras, ele orientou que cada ministério enviasse um vice-ministro a Pinar del Río com o objetivo de ajudar a organizar os trabalhos, junto com as autoridades, os diretores de cada território.

Lembrou que, além da colossal tarefa de lidar com as consequências do furacão, Cuba enfrenta uma campanha midiática de desestabilização com objetivos bem definidos de guerra não convencional que busca um surto social na ilha.

Neste contexto, destacou a importância de trabalhar de forma mais eficaz nas tarefas de enfrentamento dos efeitos, em que – disse – a informação oportuna e verídica à população desempenha um papel fundamental.

Redação Prensa Latina


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Rio-Grande-do-Sul-emergencia-climatica
Além do RS: América do Sul teve outros 3 eventos climáticos extremos apenas em 2024
Quenia-inundações
Inundações no Quênia matam 238 pessoas; governo ignorou alertas meteorológicos