Pesquisar
Pesquisar

Equador: começa julgamento de Ola Bini, acusado por ser amigo de Julian Assange

Ciberativista não cometeu crime algum, mas agências estadunidenses orientam autoridades subordinadas para perseguir inocentes, diz professor Sérgio Amadeu
Thales Schmidt
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

Após ser preso antes da apresentação de qualquer acusação formal, começa nesta quarta-feira (18) o julgamento de Ola Bini em um processo que pode resultar em até cinco anos de detenção. A defesa do ativista e organizações de direitos humanos, contudo, alertam para as irregularidades do caso.

A promotoria usa o Artigo 234 do Código Penal para acusar Bini de um acesso não consentido a um sistema informático, telemático ou de comunicações. A pena é de três a cinco anos de prisão. Até o momento, os promotores usam uma foto como elemento de acusação e dizem que o registro, que mostra uma tela de login, supostamente indicaria a prática de um crime.

assista na tv diálogos do sul

Bini é um programador sueco e um dos membros do Centro de Autonomia Digital, uma ONG que pesquisa e promove a privacidade e a segurança digital na internet. Ele já trabalhou e contribui com ferramentas de criptografia para usuários comuns.

O ciberativista foi detido em abril de 2019, poucas horas depois de Julian Assange ser preso em Londres. A detenção do jornalista e fundador do WikiLeaks ocorreu após o então presidente do Equador, Lenín Moreno, revogar o estado de asilo de Assange na embaixada equatoriana no Reino Unido.

Moreno chegou a afirmar sem provas, em entrevista com a CNN, que Bini poderia ter tentado interferir nas eleições dos Estados Unidos.

Bini ficou detido por 70 dias antes de ser solto para responder ao processo em liberdade por decisão de um habeas corpus. Ele não pode deixar o Equador e sua defesa afirma que ele é seguido e fotografado por agentes estatais, inclusive por drones.

A audiência de pré-julgamento do ciberativista foi adiada ao menos cinco vezes durante 2020, destaca a Eletronic Frontier Foundation. A juíza Yadira Proaño foi afastada do caso em julho de 2021 por demorar mais de 200 dias para marcar uma audiência e violar o “devido processo e os direitos elementares” de Bini.

Ciberativista não cometeu crime algum, mas agências estadunidenses orientam autoridades subordinadas para perseguir inocentes, diz professor Sérgio Amadeu

Repdodução
Até o momento, o elemento usado para acusação pelos promotores é a foto de uma tela de login.

Quem é Ola Bini?

O pesquisador das redes digitais e professor da Universidade Federal do ABC (UFABC) Sérgio Amadeu avalia que a prisão de Bini está ligada aos interesses dos Estados Unidos, que também buscam a extradição de Assange do Reino Unido.

Ola Bini é vítima da mesma perseguição que o Estado norte-americano realiza contra Assange. Ola Bini não cometeu crime algum, mas contra ele as agências estadunidenses orientam autoridades subordinadas para perseguir inocentes, defensores da liberdade de imprensa e ativistas dos direitos humanos.

Revelação: López Obrador pediu para Trump tirar acusações e ofereceu asilo a Assange no México

É preciso que todas e todos saibam que a democracia norte-americana financia ataques aos direitos civis e aos defensores da democracia em todo o mundo. Faz isso organizando prisões ilegais, tortura e farsas grotescas”, diz Amadeu ao Brasil de Fato.

O caso de Ola Bini também foi comentado por importantes organizações. A Anistia Internacional afirma que o governo do Equador deve parar de intimidar a defesa de Bini e diz que o trabalho do ciberativista é fundamental “para a proteção dos direitos humanos ao redor do mundo”.

A Human Rights Watch destaca que o desfecho do caso “pode ter profundas implicações para o desenvolvimento e o uso seguro de ferramentas de comunicação digital” e que os governos devem promover a segurança digital e não criminalizá-la.

Thales Schmidt, Brasil de Fato

Edição: Arturo Hartmann


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Thales Schmidt

LEIA tAMBÉM

Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
Palestina- Gaza
Relatório do Repórteres Sem Fronteiras minimiza crimes de Israel contra jornalistas palestinos