Pesquisar
Pesquisar

Espanha favorece Marrocos na disputa pelo Saara Ocidental; Congresso cobra explicação

A própria vice-presidenta espanhola, Yolanda Díaz, instou que Pedro Sánchez volte a adotar resolução da ONU de respeito ao território e cultura sarauís
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Quatro dias depois que o governo marroquino informou da virada da Espanha a respeito do histórico conflito do Saara Ocidental, o governo espanhol, presidido pelo socialista Pedro Sánchez, ainda não explicou no Congresso dos Deputados nem aos seus sócios de coalisão os motivos de uma mudança tão importante e radical.

Enquanto as reações no exterior continuam, entre outras a da Organização das Nações Unidas (ONU), que defendeu a via de resolução que prevê a livre determinação do povo sarauí, e a da China, a outra grande potência mundial depois dos Estados Unidos, que se alinhou com a Argélia.

O Saara Ocidental se converteu no principal foco de interesse da política exterior espanhola, o que provocou várias crises simultâneas: com a Argélia, o outro Estado do norte da África além do Marrocos e Mauritânia, que pugna pela territorialidade da região com a própria Frente Polisario e sua histórica vinculação com os movimentos de esquerda espanhóis e que agora o Partido Socialista Obreiro Espanhol (PSOE) dinamitou, e finalmente com a coalisão de governo com Unidas Podemos (UP) e com o resto dos partidos políticos de esquerda que lhe apoiam no Parlamento.

Dívida histórica: países ricos devem financiar desenvolvimento da África, diz Egito

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, assegurou que o conflito do Saara deve ser resolvido com “um compromisso pleno das partes, com o processo político facilitado pela ONU”, ou seja, com a última resolução que foi aprovada no Conselho de Segurança no passado mês de outubro, e na qual se aposta por uma via de “solução realista, viável, duradoura, aceitável pelas partes e baseada no acordo que preveja a livre determinação do povo do Saara Ocidental no marco das disposições conforme aos princípios e propósitos da carta da ONU”.

A própria vice-presidenta espanhola, Yolanda Díaz, instou que Pedro Sánchez volte a adotar resolução da ONU de respeito ao território e cultura sarauís

Governo da Espanha
O Saara Ocidental se converteu no principal foco de interesse da política exterior espanhola, o que provocou várias crises simultâneas

Na China, em uma reunião entre os ministros do Exterior da Argélia e da potência asiática, o chanceler chinês, Wang Yi, assegurou que seu país “apoia os esforços por uma solução justa e duradoura baseada no direito internacional e nas resoluções da ONU” e criticou que alguns países, em referência à Espanha, “se preocupam por jogos geográficos”. 

No interior da Espanha, a maioria dos partidos que apoiaram a investidura de Pedro Sánchez, com a exceção do PSOE, solicitaram à Mesa do Congresso o comparecimento urgente do presidente espanhol para explicar esta virada em política exterior, que pôs fim a uma postura alinhada com a ONU há 46 anos e na qual se buscou o respeito à territorialidade e a cultura do povo sarauí. A segunda vice-presidenta do governo, Yolanda Díaz, instou ao presidente espanhol a voltar ao “acordo da ONU”, a respeitar seu próprio programa eleitoral e o acordo de governo que firmaram ambos os países. O Partido Socialista das Ilhas Baleares também reclamou uma explicação mais detalhada do assunto.

Tradução por Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas