Pesquisar
Pesquisar

Espanha: PP promete ações para mulheres e imigrantes, mas mantém pacto com Vox

Todas as pesquisas auguram um triunfo do bloco conservador, apenas de ter sido registrado um ligeiro despertar à esquerda nos últimos dias
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

Às vésperas de se iniciar formalmente a campanha eleitoral para as eleições gerais do próxima 23 de julho, o aspirante do direitista Partido Popular (PP), Alberto Núñez Feijóo, apresentou seu programa de governo, no qual marcou distâncias com seu potencial sócio de extrema direita, Vox, e vai dirigido para a violência de gênero, migração e o conflito territorial na Espanha. 

Apesar das campanhas começarem oficialmente nesta sexta-feira, todas as formações políticas estão entregues a elas desde o próprio dia de sua convocatória, no passado 29 de maio, um dia depois que a esquerda sofreu sua pior derrota em décadas pela perda do poder autônomo e municipal.

Assista na TV Diálogos do Sul

Por isso todas as pesquisas auguram um triunfo inequívoco do bloco conservador, se bem que nos últimos dias se registrou um ligeiro despertar do eleitor das esquerdas, assustado ante uma coalizão de governo com Vox, uma formação extremista que defende ideias xenófobas e homofóbicas, que despreza a migração e repudia os nacionalismos independentistas da Catalunha, do País Basco e da Galícia. 

Núñez Feijóo apresentou neste contexto seu programa eleitoral, um dia depois de ser reconhecido que, se necessitar os votos do Vox para ganhar nas próximas eleições, não duvidaria em integrá-los ao seu próprio Executivo. 

PP e Vox, de direita e ultradireita, ignoram violência política contra mulheres na Espanha

Quanto à violência machista, declarou que se compromete a “erradicá-la”. “Não admitiremos passos atrás em um assunto tão grave, que ademais conta com um consenso impressionante na nossa sociedade”, assegura o programa, no qual se compromete a manter o Pacto de Estado contra a violência de gênero ou reforçar as unidades de atendimento à família e à mulher.

Sobre a migração, na qual o Vox advoga por expulsar a todos os indocumentados, o PP propôs a aplicação de um sistema de “pontos” para trabalhar na formação, as competências linguísticas e a capacidade inovadora para “fomentar a migração legal”. 

Continua após o banner

Entretanto, o presidente do governo, o socialista Pedro Sánchez, tenta destruir a imagem de estar alheio aos problemas sociais que lhe foram atribuídos por seus oponentes e alguns meios de comunicação. “Não têm nada contra mim. Sou um político limpo. Posso mudar de opinião, mas não minto”, assegurou em uma entrevista à Tele5.

Armando G. Tejeda | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

emmanuel-macron-olaf-scholz (2)
Apoio inconsequente de Macron e Sholz à Ucrânia alimentou extrema-direita na UE
246b5cfe-7d91-4985-ae5b-374b4de380be
Após fracasso do "bloco do retrocesso", siglas regionalistas é que vão definir futuro espanhol
cf32429d-ab6a-4498-a7de-e71017970143
Sánchez: Mais que disputa de partidos, há nestas eleições uma ameaça real sobre a Espanha
365da2a6-b1be-4f30-ad19-87e2e4ba6ac2
Eleições na Espanha: direita pode levar Presidência, mas não forma maioria no Parlamento