Pesquisar
Pesquisar

Estudantes dos EUA vêm ao Brasil para imersão na metodologia do Teatro do Oprimido

Está programada uma agenda de 10 dias, com oficinas, espaços de troca com movimentos sociais e visitas a territórios marcados por lutas populares
Clívia Mesquita
Brasil de Fato
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

A metodologia do Teatro do Oprimido, criada pelo dramaturgo Augusto Boal, está presente em mais de 70 países. O método é protagonista na formação das mais diversas áreas – além do teatro – em variadas universidades. Uma delas é a Universidade de Nova Iorque (NYU, em inglês), nos Estados Unidos.

Alguns de seus estudantes e professores, que compõem o Departamento de Música e Artes do Programa em Teatro Educativo e Programa em Terapia Dramática, chegam ao Brasil no próximo sábado (11) para um período de imersão em Teatro de Oprimido na Escola de Teatro Popular (ETP) do Rio de Janeiro.

Cannabrava | Augusto Boal: o subversivo maravilhoso

Para o encontro, está programada uma agenda de 10 dias, com oficinas, espaços de troca com movimentos sociais e visitas a territórios marcados por lutas populares.

Entre eles, a ocupação Vitor Gianotti, no centro do Rio, o assentamento Roseli Nunes, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), no Sul Fluminense, e o Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM).

A proposta é que o grupo de estudantes e professores da NYU observe como são aplicadas as metodologias do Teatro de Oprimido e do Teatro Político à realidade brasileira e como elas podem ser aplicadas na realidade estadunidense.

Está programada uma agenda de 10 dias, com oficinas, espaços de troca com movimentos sociais e visitas a territórios marcados por lutas populares

Arquivo/ETP
A turma de intercâmbio da NYU vai apresentar uma peça como resultado do ciclo de oficinas realizadas durante a visita




Legado

Geo Britto, que trabalhou com Augusto Boal no Centro de Teatro do Oprimido (CTO), conta que a relação da universidade norte-americana com o Teatro do Oprimido é de longa data.

“Desde os anos 1970, o Boal ia para os EUA e fazia oficinas. Inclusive quando ele foi preso os professores enviaram cartas pedindo que fosse liberado na época da ditadura. É uma parceria muito antiga”, conta Geo Britto, fundador da Escola de Teatro Popular, em 2017, junto com Julian Boal, filho de Augusto.

Pimentel Neto | Dia Mundial do Teatro do Oprimido

A ETP é multiplicadora do Teatro do Oprimido em sete núcleos espalhados pela capital e nos municípios de São Gonçalo e Petrópolis – localizados principalmente em favelas, ocupações, pré-vestibulares populares e escolas públicas.

De acordo com Britto, a dimensão do teatro como forma de luta é mais reconhecida no exterior. A última vez que o CTO recebeu a NYU foi em 2009, ano em que Boal faleceu. Em 2023, a morte do teatrólogo carioca completa 14 anos.

“O Teatro do Oprimido hoje é mais conhecido lá fora do que aqui. O Boal foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz, tem vários títulos de honoris causa em universidades do mundo. Nova Iorque tem o Dia do Teatro do Oprimido. É uma metodologia usada desde o MST e os grupos populares no Brasil até na Europa, com toda questão da imigração, e nos países da África. Só em Moçambique são mais de 150 grupos. Na Índia tem a Federação Indiana de Teatro do Oprimido que congrega 9 estados. Então é uma metodologia usada no mundo inteiro pelos oprimidos nessa luta contra a opressão das mais diversas formas, seja de raça, classe, gênero”, reflete Britto.


Programação gratuita

Além das imersões e atividades fechadas, a agenda ainda conta com apresentações gratuitas e será encerrada com o Festival Augusto Boal. No sábado (11), a escola apresenta a peça “É na Luta que a arte se encontra”, às 19h, na Ocupação Manoel Congo, localizada na Rua Evaristo da Veiga , n° 17, no centro do Rio de Janeiro. A atividade é gratuita e o público deve chegar meia hora antes da apresentação para a distribuição dos ingressos.

A peça que conta a trajetória da ETP desde a criação até a pandemia e já foi apresentada no Encontro Pedagogia e Teatro do Oprimido na Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, em 2022. 



Já no Dia Mundial do Teatro do Oprimido, comemorado na próxima quinta-feira (16), acontece o Festival Augusto Boal, no espaço Arena Dicró, na Penha, zona norte do Rio, das 17h às 21h. 

A programação conta com apresentações de cenas dos núcleos da Escola de Teatro Popular. Além disso, a turma de intercâmbio da NYU vai apresentar uma peça como resultado do ciclo de oficinas realizadas durante a visita. 

Clívia Mesquita | Brasil de Fato | Rio de Janeiro
Edição: Mariana Pitasse


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Clívia Mesquita

LEIA tAMBÉM

Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa
Karl Marx (2)
Homem do Milênio, Karl Marx vive na memória de milhões em todo mundo