Pesquisar
Pesquisar

EUA desafiam soberania russa há mais de 25 anos com expansão da OTAN

Em 1995, auxiliares, assessores políticos e militares norte-americanos alertaram Clinton sobre os riscos de expandir aliança em direção às fronteiras russas
Robson Coelho Cardoch Valdez
Sul 21
Porto Alegre (RS)

Tradução:

A tensão nas fronteiras russo-ucranianas lança luz sobre uma temática mais complexa do que a problemática situação desencadeada pela deliberada decisão dos Estados Unidos de expandir os tentáculos militares da OTAN em direção aos países da Europa Central e Oriental.

Trata-se de um momento crucial para o sistema internacional em que o que o que se discute, na verdade, é a atual distribuição do poder entre os principais atores desse sistema. Nesse sentido, é impossível não observar esses acontecimentos sem mencionar as causas profundas dessa e de outras crises trazidas pelos quadros interpretativos do Cientista Político Luiz Alberto Moniz Bandeira na sua obra “A Desordem Mundial” pela editora Civilização Brasileira. Sem sombra de dúvidas, leitura fundamental para tentar entender a faceta desestabilizadora dos Estados Unidos no mundo a partir do colapso da União Soviética.

A comunidade internacional acompanha, hoje, o que foi previsto por muitos auxiliares, assessores políticos e militares norte-americanos que, em 1995, alertavam o então Presidente Bill Clinton sobre os perigos relacionados à sua decisão de dar início à expansão da OTAN em direção às fronteiras russas por meio de cooptação dos países pertencentes ao antigo bloco soviético.

Theodore Sorensen, ex-assessor de J. F. Kenneddy ressaltou, em artigo no The Washington Post, que decisão tão apressada e precipitada não poderia parecer mais “provocativa” e “sem total consideração pelas consequências”. Naquele momento, era evidente que o expansionismo da OTAN promovido pelo governo norte-americano contrariava compromissos assumidos entre Mikhail Gorbachev e o Presidente George H. W. Bush quando se discutiu a reunificação da Alemanha.

Da mesma forma, George Frost Kennan – embaixador americano e ideólogo da doutrina de contenção da União Soviética durante a Guerra Fria – mostrou-se radicalmente contrário à expansão da OTAN em direção à Rússia, classificando esse movimento como um “erro estratégico de proporções potencialmente épicas”.

À época, em fevereiro de 1997, Keenan alertou na forma de uma quase profecia ao escrever no The New York Times: “expandir a OTAN seria o erro mais fatídico da política americana em toda a era pós-guerra fria”. Um ano mais tarde, após a ratificação da expansão da OTAN no senado norte-americano, as sábias palavras de Kennan nos fazem refletir sobre nossa atual situação: “Acho que é o começo de uma nova guerra fria”, […] “Acho que os russos gradualmente reagirão de forma bastante adversa e isso afetará suas políticas. Acho um erro trágico”.

Em 1995, auxiliares, assessores políticos e militares norte-americanos alertaram Clinton sobre os riscos de expandir aliança em direção às fronteiras russas

Sharon Farmer / Wikimedia Commons
Decisão dos EUA de expandir tentáculos militares da OTAN na Europa Central e Oriental alimentou crise

De fato, os russos vêm reagindo ao expansionismo militar dos Estados Unidos, por meio da OTAN, em direção às fronteiras russas. É importante ter em mente que a OTAN opera em convergência com os interesses da política externa norte-americana. Nesse contexto, vale relembrar as palavras de um dos mais influentes formuladores da política externa norte-americana, Henry Kissinger[i] ao afirmar que “[…]os Estados Unidos transformaram a Aliança Atlântica, estabelecida como coalizão política, em uma organização militarmente integrada e liderada por um Comandante Supremo americano”.

Assim, tanto o cerco da OTAN à Rússia a partir da adesão, em 2001, da Eslovênia, Eslováquia, Bulgária, Romênia e, em 2004, da Estônia, Lituânia e Letônia, bem como a resposta dos russos à essa estratégia (Georgia 2008 e Crimeia 2014) enquadra-se no pior cenário previsto por experientes integrantes da elite acadêmica e política dedicada ao intrincado processo decisório da política externa dos Estados Unidos.

A questão russo-ucraniana, como se vê, apresenta-se, hoje, não como um suposto revisionismo histórico do papel dos russos no cenário internacional, mas sim como uma questão securitária não resolvida entre as duas maiores potências nucleares do planeta. Assim, ao não dar ouvidos aos mais experientes articuladores da política externa americana no período da Guerra Fria, é a administração Biden, desgastada desde a retirada das tropas americanas do Afeganistão, que se vê chamada a se posicionar frente aos movimentos da Rússia e frente aos seus aliados europeus. Esses últimos parecem ainda indecisos em relação à uma eventual Europa totalmente unificada ou uma Europa parcialmente integrada aos moldes das antigas esferas de influência russa e americana.

Adicionalmente, a China, aliada estratégica dos russos em várias agendas internacionais, observa com atenção e interesse o posicionamento dos Estados Unidos que, como é sabido, tem-se colocado como defensor da integridade territorial de Taiwan por meio de sua política de ambiguidade estratégica frente o desejo chinês de consumar a anexação total desse conjunto de ilhas ao controle soberano por parte de Pequim. A mensagem dos americanos aos russos repercutirá junto à dinâmica geopolítica no Mar do Sul da China.

Como se observa, os Estados Unidos, por conta de seu expansionismo militar irresponsável, encontram-se em situação desconfortável qualquer que seja a decisão que venham a tomar, pois pode representar uma derrota total ou, na melhor das hipóteses, uma derrota parcial para o país. Reparem!

Qualquer solução diplomática que represente, em alguma medida, acomodação de demandas russas em relação à Ucrânia e a OTAN, será vista como uma vitória de Putin em várias dimensões e um sério desgaste político para a imagem internacional dos Estados Unidos como liderança internacional.

Por outro lado, uma abordagem conflitiva poderia, no limite, lançar os países em um confronto de proporções inimagináveis, haja visto os vários estudos climatológicos que mostram que mesmo uma “pequena” guerra nuclear (apenas 1% dos arsenais dos EUA e da Rússia) “incluiriam perturbações catastróficas do clima global e destruição maciça da camada protetora de ozônio da Terra. Esses estudos mais recentes preveem que a agricultura global seria tão negativamente afetada por tal guerra, que resultaria em uma fome global, o que faria com que até 2 bilhões de pessoas morressem de fome”.

Crise na Ucrânia: 30 anos de geopolítica para entender atual relação Rússia X OTAN

A comunidade internacional acompanha, apreensiva, o desfecho da crise russo-ucraniana sem se dar conta de que trata-se, na verdade, de um acerto de contas que há muito tempo os Estados Unidos negligenciaram. Essa conta chegou.

[i] KISSINGER, Henry A. Diplomacy. Nova York: Simon & Shuster Paperbacks, 1994, p. 491.

Robson Coelho Cardoch Valdez é pós-doutorando em Relações Internacionais do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (IREL/UnB), doutor em Estudos Estratégicos Internacionais (UFRGS) e pesquisador do Núcleo de Estudos Latino-Americanos/IREL-UnB. Autor dos livros Política Externa e a Inserção Internacional do BNDES no Governo Lula (Appris, 2019) e Subindo a Escada – a internacionalização de empresas nacionais no Governo Lula (Appris, 2019). Contato: robsonvaldez@hotmail.com


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Robson Coelho Cardoch Valdez

LEIA tAMBÉM

Armenia_Otan_UE_Rússia
UE e Otan seduzem Armênia exclusivamente de olho em recursos, alerta Rússia
01c91d77-420a-4c95-a57a-54b9ef4c5f24
Armênia-Azerbaijão: fim de Nagorno-Karabakh não é solução para tensões no Sul do Cáucaso
51576a7e-8747-4410-9309-85428dfe90f6
Em 4 pontos, entenda por que nova declaração da OTAN é uma ameaça direta à humanidade
39335ab3-99d8-4638-a578-30492ee4d76c
Saída de tropas de ilha ucraniana busca viabilizar corredor humanitário, afirma Rússia