Pesquisar
Pesquisar

Europeus terão que atender Rússia e pagar gás com rublos, ou terão fornecimento cortado

Apesar da intenção de cessar dependência energética russa, processo levaria um ou dois anos a ser concretizado e levaria Europa a grave recessão
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

No dia 23 de março, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, definiu que toda a venda de gás russo para países da Europa deverá ser feita em rublos. Putin justificou a decisão dizendo que não faz sentido receber pagamentos em moedas estrangeiras, após a aplicação de sanções contra a Rússia que “congelaram” os ativos russos em euros e dólares.

Em entrevista à Sputnik, o economista dos EUA e ex-secretário adjunto do Tesouro de Ronald Reagan, Paul Craig Roberts, afirmou que o presidente russo deveria cortar o fornecimento de gás no momento em que os pagamentos não forem feitos.

“Na verdade, ele deveria ter feito isso antes de lançar sua operação militar em Donbass. Não faz sentido que a Rússia mantenha vivas as economias dos países que estão enviando armas aos nazistas ucranianos para matar russos”, acrescentou Roberts.

Nesta segunda-feira (28), após resistência demonstrada por países europeus na hora de pagar pelo gás russo em rublos, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, informou que durante os próximos quatro dias a empresa de energia russa Gazprom desenvolverá um “sistema transparente e compreensível” em termos técnicos e logísticos para realizar os pagamentos.

Assim que o sistema for estabelecido, a Gazprom informará seus clientes sobre as novas regras. Peskov deixou claro que não haverá fornecimento gratuito para os “países hostis” que se recusarem a pagar em rublos.

Sanções de Biden à Rússia têm potencial de levar Europa a crise terminal

Também na segunda-feira (28), o ministro da Energia da Alemanha, Robert Habeck, afirmou que os países do G7 deveriam “rejeitar” as condições impostas pela Rússia, dando a entender que o bloco está preparado para “todos os cenários” inclusive um eventual corte no abastecimento de gás natural russo.

No entanto, no início da semana passada, o primeiro-ministro alemão, Olaf Scholz, tratou com cautela a situação, dizendo que o banimento do gás da Rússia causaria uma recessão econômica nos dois países.

Apesar da intenção de cessar dependência energética russa, processo levaria um ou dois anos a ser concretizado e levaria Europa a grave recessão

Sotckvault
O primeiro-ministro alemão, Olaf Scholz, admite que banimento do gás da Rússia causaria uma recessão econômica nos dois países

“Vamos acabar com a dependência [da energia russa] o mais rápido possível. Mas fazer isso em um dia, mergulharia nosso país e toda a Europa em uma recessão. Centenas de milhares de empregos e ramos inteiros da indústria estariam em risco”, afirmou o chanceler.

Para Paul Craig Roberts, a tarefa de substituir o fornecimento russo não será um movimento imediato e causará dores de cabeça aos países europeus.

“Mesmo que isso pudesse ser feito, levaria um ano ou dois, possivelmente mais, para encontrar suprimentos e construir sistemas de recepção e entrega na Europa. Se a Rússia desligar a energia agora, a Europa estaria essencialmente fechada e começaria a implorar para que Moscou religue a energia, prometendo à Rússia o que Putin quiser, o fim das sanções, nenhuma expansão da Otan, a Lua e as estrelas”, opinou Roberts.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Mercado de Sucre, na Bolívia
Por que alimentos no Brasil estão caros e na Bolívia, baratos? Segredo está no pequeno produtor
Javier_Milei_and_Santiago_Abascal_(cropped)
Superávit de Milei é ilusionismo contábil: a verdade sobre a economia Argentina
Desigualdade_FMI_Banco-Mundial
Em Washington, Brasil adverte: FMI e BM seguem privilegiando EUA e outros países poderosos
EUA_taxar_mais_ricos_Biden
Biden não cumpre promessa de taxar mais ricos e EUA perdem US$ 690 bi em 3 anos