Pesquisar
Pesquisar

Evo Morales classifica seu mandado de prisão como "Injusto, ilegal e inconstitucional"

Em uma publicação no Twitter, o boliviano afirmou que não tem medo da medida judicial contra ele, decretada pela presidenta autoproclamada
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
São Paulo (SP)

Tradução:

A ordem de prisão por sedição e terrorismo emitida pelo governo de Jeanine Áñez contra o ex-presidente boliviano Evo Morales foi rejeitada por ele, que a classificou de medida “ilegal” e “injusta”.

Em uma publicação no Twitter, Morales expressou que não tem medo do mandado de prisão contra ele. Confira abaixo:

“Após 14 anos de nossa revolução, o “melhor presente” que recebo do governo de fato é um mandado de prisão injusto, ilegal e inconstitucional. Não me assusta, enquanto for vivo continuarei com mais força na luta política e ideológica por uma Bolívia livre e soberana”

O mandado de prisão contra Morales, pelo crime de terrorismo e sedição, foi expedido pela Procuradoria Especializada Anticorrupção do Ministério Público da Bolívia na quarta-feira (18).

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, denunciou a intenção da direita boliviana de retirar o presidente boliviano do jogo político.

Leia também

Golpe contrarrevolucionário para derrubar Evo Morales utilizou métodos de guerra civil

“Com estas decisões arbitrárias, a oligarquia golpista boliviana demonstra o medo que tem do presidente Evo Morales”, disse Arreaza, acrescentando que “por falta de apoio popular”, a direita decidiu optar pela “judicialização da política”.

Além disso, o líder cocaleiro Faustino Yucra Yarwi também é procurado pela justiça pelos mesmos crimes.

Em uma publicação no Twitter, o boliviano afirmou que não tem medo da medida judicial contra ele, decretada pela presidenta autoproclamada

Twitter oficial de Evo Morales / Reprodução
Decreto de prisão demonstra o medo dos golpistas da liderança exercida pelo presidente constitucional Evo Morales

Acusação de crimes

A medida judicial havia sido antecipada pela autoproclamada presidente da Bolívia, Jeanine Áñez, que o acusa de sedição e terrorismo através de um vídeo no qual se vê uma suposta conversa entre Yucra e Morales. Na conversa, gravada durante seu asilo no México, a pessoa identificada como Morales instrui Yucra como organizar bloqueios no país.

Saiba+

Entrevista exclusiva: Bolívia retomará a sua revolução democrática com ou sem Evo

No momento, o ex-presidente boliviano está na Argentina, onde solicitou o status de refugiado político.

De seu refúgio político na Argentina, Morales foi nomeado pelo Movimento ao Socialismo (MAS) como líder de campanha para as novas eleições presidenciais de 2020.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei