Pesquisar
Pesquisar

Ex-guerrilheiro e prefeito de Bogotá, Gustavo Petro quer ser presidente da Colômbia

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

A Colômbia é hoje, juntamente com México, um dos países latino-americanos no qual um líder progressista pode ascender ao governo em 2018, continuando os processos de mudança que se iniciaram em 1999 e que sofrem atualmente um declive político, resultante de erros próprios e da pressão de seus inimigos.

Fernando Dourado, na Alainet

Ares de esperança e mobilização popular

Gustavo Petro

A sociedade colombiana avança a passos largos, como que querendo se pôr em dia com a história. Um líder popular que parecia liquidado por sua passagem pela Prefeitura de Bogotá ressurge e emerge desde o interior das estruturas institucionais aprovadas na Constituição de 1991. Após as eleições legislativas de 11 de março de 2018, o insosso processo eleitoral que se iniciou em 2 de outubro de 2016 com o plebiscito sobre a paz no país, se transformou em um rápido e apaixonante cabo de guerra entre as forças políticas que hoje disputam a presidência da república.

A corajosa ação política desse candidato mobiliza dezenas de milhares de pessoas nas praças centrais de povoados intermediários, cidades e na internet. Com seu discurso forte, questiona de frente o poder das castas oligárquicas que têm dominado desde sempre a vida econômica e política da nação. É o único político com essa capacidade de convocação em um país que parecia adormecido pelo conflito armado e o semi fracassado processo de desmobilização das guerrilhas. Suas ideias têm conseguido eco em amplos setores populares.

Sobre o tema, assista ao debate a respeito dos desafios do processo de paz na Colômbia:

https://youtu.be/DnQ4fFjsyxM

Seu nome é Gustavo Petro. Foi guerrilheiro do M19 nos anos 1980, se desmobilizou em 1989 e reintegrou-se com convicção pacifista à vida civil e política. É economista e estudioso de temas sociais, foi um parlamentar destacado e opositor ferrenho do governo de Álvaro Uribe (2002 – 2010), desmascarou as alianças de políticos corruptos com o paramilitarismo e exerceu o segundo cargo mais importante do país: foi prefeito da capital da República, uma metrópole de 10 milhões de habitantes, a quinta parte da população colombiana.

Do medo à esperança

Diante do fortalecimento do uribismo [como são chamados os partidários de Uribe N.T] com o triunfo do NÃO no Plebiscito da Paz (2016), resultado do aproveitamento da demagogia do presidente Juan Manuel Santos (2010  – atual), o triunfalismo das Farc e a falta de clareza das forças democráticas e da esquerda, muitos analistas pensaram que só uma opção moderada (Sergio Fajardo, Humberto de la Calle) poderia ser alternativa à falsa polarização orquestrada pelas direitas opositoras ao processo de término do conflito armado. Não tem sido assim.

Ainda que o indicado de Uribe, Iván Duque, seja o candidato mais viável para passar para o segundo turno — de acordo com diversas pesquisas de opinião — Gustavo Petro cresce diariamente e se consolida como uma alternativa viável para derrotar as forças da guerra, da morte e da revanche. E mais, tudo aponta para que, diante do visível desaparecimento da ameaça das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o discurso do medo esteja sendo substituído pelo da indignação e da esperança. É um fato evidente!

As forças políticas de “centro” não foram capazes de liderar as classes médias e, ao mesmo tempo, marcar os setores populares. Assim, o chamado para esperar um melhor momento para lutar contra as políticas neoliberais não esteve acompanhado de uma atitude categórica frente a corruptos e partidários da guerra. Não puderam passar de um morno “nem-nem” a um contundente “não-não” que gerasse confiança e entusiasmo. Agora, ao contrário, a proposta popular deve apaixonar as classes médias e não assustá-las com iniciativas que se assemelham a algumas das políticas fracassadas em países vizinhos (exagerado estatismo, excesso de paternalismo, populismo estreito, etc.).

 

A história se repete, mas com variantes

 

O momento vivenciado pela Colômbia tem grandes semelhanças com a gestão que Jorge Eliécer Gaitán há 70 anos. Os dois protagonizaram grandes debates no Congresso Nacional; ambos foram Prefeitos de Bogotá com a oposição-sabotadora da casta dominante; sua personalidade envolvente tem sido apontada como arrogância e soberba por seus opositores de diversas vertentes que o atacam com sanha e sua debilidade ou falência e também há certa incapacidade para construir uma organização cidadã que seja o suporte social de sua ação política no Estado e no governo.

No entanto, a sociedade colombiana de hoje é muito diferente do passado. De uma ou outra forma existe o acumulado de lutas sociais que se constituem em uma reserva política para o futuro. As propostas de Petro frente à mudança climática, à crise do sistema de saúde e ao monopólio da terra (entre outros), recolhem a inconformidade de milhões de pessoas que sofrem os estragos das políticas privatizadoras e da entrega (destruição) de nossos recursos naturais ao capital multinacional e, além disso, o mais importante, em meio à campanha, está mobilizando e fortalecendo as organizações populares que há décadas têm lutado contra essas políticas.

Por fim, aí está a chave de um eventual triunfo de Gustavo Petro nas eleições de 2018. Se ele conseguir passar para o segundo turno com uma votação importante, como prevêem todas as sondagens e pesquisas, poderá contar com o apoio de todas as forças democráticas que não querem voltar atrás e que sabem que Duque não é capaz de tirar de si a pressão e a influência de seu chefe político (Uribe). E o fundamental, um governo de Petro pode contar com forças organizadas que desde as localidades e regiões (bases) impeçam que corruptos e oportunistas permeiam a nova administração (como sucedeu com alguns governos progressistas da região e tem sido uma das causas de retrocessos e fracassos).

* ativista social, escritor e analista político


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

LEIA tAMBÉM

Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
Presidente colombiano Gustavo Petro enfrenta escândalo de corrupção envolvendo altos funcionários
GSsXOjIXgAA0ChY
Gustavo Petro assina reforma da previdência para melhorar condições dos idosos na Colômbia
Niegan-libertad-condicional-a-Salvatore-Mancuso
Pânico: Elites colombianas temem que Salvatore Mancuso exponha segredos como massacres, deslocamentos e assassinatos seletivos
Petro
Governo da Colômbia lança plano de choque para implementar acordos de paz de 2016