Pesquisar
Pesquisar

Frei Betto | De Carlos Christo a James Bond: nome pode ser motivo de confusão

Quando conseguirmos contar o número de pessoas que têm sobrenome Dias, será o fim
Frei Betto
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Sabe quantos James Bond há somente nos EUA? São 2.242, registra o documentário britânico “The other fellow”, de Matthew Bauer, no qual são relatadas vidas de pessoas homônimas ao famoso personagem da série de filmes “007”, criado por Ian Fleming.

Entre os focados está o negro preso ao longo de dois meses, nos EUA, por desacato, pelo simples fato de, ao ser abordado por policiais que lhe indagaram o nome, responder: “James Bond”. E era verdade. 

59 anos do Golpe de 1964: quem se opõe à democracia não faz ideia do que é ditadura

Nome pode ser motivo de confusão, como me acontece. Convidado a palestras e eventos, não raro a passagem enviada pelos promotores me chega com o nome Frei Betto. Durante a ditadura militar, a condenação de quatro anos que recebi foi acrescida da cassação política por 10 anos. Ao deixar a cadeia, deparei-me com um impasse: se votasse, seria crime. Se não votasse, também. Porque a Justiça Militar cassou o Frei Betto e não o meu nome de registro. A saída era mudar de domicílio eleitoral a cada eleição. 

Sempre que declino meu sobrenome a quem me preenche cadastro, costumo comentar: “Christo, irmão de Jesus por parte de Pai”. E não minto, como Dom Helder Camara não mentiu em uma delegacia no Recife. Ali se encontrava preso um pedreiro, confundido com um traficante de drogas. Havia sido torturado para confessar o que não sabia, e a família recorreu ao prelado.

Continua após o banner

“Vim aqui porque meu irmão, fulano de tal, está injustamente preso”, disse Dom Helder ao delegado. “Seu irmão!?”, reagiu surpreso o policial devido às diferenças física e social entre os dois. Dom Helder se debruçou e segredou-lhe ao ouvido: “Meu irmão só por parte de Pai…” “Ah, entendi”, reagiu o policial.

Certa vez um paroquiano da igreja de São Domingos, em São Paulo, veio me pedir desculpas. Não entendi, pois mal o conhecia. Ele explicou: “Desculpas porque o considerava muito pretensioso ao adotar o nome de Jesus, enquanto outros frades adotam de santos. Só agora soube que é seu nome de família.”

Frei Gil Gomes Leitão, indigenista qualificado, foi batizado e registrado como Dulce. Talvez por causa de uma promessa feita pela mãe, que julgou esperar uma menina. Ao ingressar na Ordem Dominicana, adotou o nome de Gil, em homenagem ao frade francês que o precedeu na região de Conceição do Araguaia (PA). 

“Direitos humanos para humanos direitos” não funciona quando o crime é das elites; por que?

Em plena guerrilha do Araguaia, na década de 1970, a repressão o acusou de apoiar os guerrilheiros e o incluiu na lista de procurados. Numa barreira policial, pediram a frei Gil que mostrasse os documentos. Constatado o “Dulce”, os militares zombaram do padre e o deixaram ir…

O gerente de um banco com quem eu pretendia tirar uma dúvida por telefone, me perguntou: “Qual seu nome?” “Carlos”, respondi. “Pergunto o sobrenome”. “Christo”. “Ah é? E eu sou Deus”, reagiu ele antes de desligar na minha cara.

Continua após o banner

Ao visitar amigos escritores ou escritoras que moram em apartamentos, eu costumava informar ao porteiro: “Diga que é o Machado de Assis” ou “João Guimarães Rosa”. Parei de fazê-lo quando um deles me disse pelo interfone da guarita: “Minha filha está lendo um livro do senhor, seu Machado. Será que posso trazê-lo para o senhor autografar quando voltar aqui?”.

Outrora, os sobrenomes eram toponímicos, dados pela cidade de origem: Jesus de Nazaré, Francisco de Assis, Tomás de Aquino, Erasmo de Roterdã, ou relacionados a alguma atividade – Machado, Ferreira, Guerreiro etc.

Os primeiros sobrenomes de que se tem notícia são os patronímicos, que fazem referência ao pai: Simão, filho de Jonas; Bartimeu, filho de Timeu, por exemplo. Esse gênero difundiu-se bastante na língua inglesa, em que há uma grande quantidade de sobrenomes que terminam em son (filho) – como Stevenson, filho de Steven; Edson, filho de Eduardo; Jefferson, filho de Jeffrey ou Jofre etc.

Termino com uma piada infame: sabem quando o mundo acabará? Quando conseguirmos contar o número de pessoas que têm sobrenome Dias. Será o fim, pois estaremos com os dias contados…

Frei Betto | Escritor, autor de “Aldeia do silêncio” (Rocco), entre outros livros 72 livros, editados no Brasil e no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Frei Betto Escritor, autor de “Cartas da prisão” (Companhia das Letras); “Batismo de sangue” (Rocco); e “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros 74 livros editados no Brasil, dos quais 42 também no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)