Pesquisar
Pesquisar

Frei Betto | Diploma não é sinônimo de sabedoria e competência política

Desde Cabral, Brasil foi governado por nobres e doutores, generais e diplomados, incapazes de impedir a crescente miséria
Frei Betto
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Platão, na República, sonhou com uma cidade-modelo governada por filósofos, homens competentes por dominarem o mais refinado saber. Assim, reforçou a ideia de que a competência política e administrativa estaria associada à formação intelectual. Filhos da plebe não seriam pessoas indicadas para o poder.

O próprio Platão aceitou o convite de Díon para ser o conselheiro de seu sobrinho, o jovem Dionísio, que por volta de 367 a.C. herdou o reino de Siracusa, na Sicília. O apreço pelos livros não livrou o governante da suspeita de que Díon e Platão conspiravam contra ele. Envaidecido de seu saber, baniu Díon da corte e manteve Platão sob vigilância até que retornasse a Atenas.

Assista na TV Diálogos do Sul 

Em 361 a.C., Dionísio convidou o filósofo a voltar a Siracusa. Platão resistiu, mas Díon alegou que o rei demonstrava um gosto verdadeiro pela filosofia. Platão rumou para a Sicília, onde esforçou-se para que Dionísio anistiasse o tio, permitindo que retornasse do exílio. Inabalável, o rei confiscou os bens de Díon e reteve o filósofo em Siracusa. 

Após um ano, Platão, decepcionado com a obtusidade de seu discípulo, conseguiu deixar o reino e, em Olímpia, por ocasião dos famosos jogos, reencontrou Díon, a quem narrou suas desventuras. Díon decidiu vingar-se de seu sobrinho e, após entrar clandestinamente em Siracusa, apoderou-se do palácio de Dionísio.

Na política governada pelo mercado, trapacear vale mais que ter ética e competência

Uma vez no poder, aquele a quem Platão depositava a esperança de afirmar-se como político-filósofo, revelou-se um governante autoritário. Sua prepotência superava a inteligência. Morreu assassinado por seu amigo Cálipo, que o ajudara a ocupar o trono. 

Decepcionado, aos 75 anos Platão convenceu-se de que a política é capaz de corromper os homens mais cultos, pois a ética não é necessariamente filha do saber, nem a competência administrativa resulta da bibliografia consumida. Dedicou-se, então, a escrever sua última obra, as Leis, onde trata da institucionalidade política e das normas que devem reger a convivência dos cidadãos. Preferiu confiar nas estruturas democráticas que na retórica dos governantes.

Continua após o banner

O Brasil, desde Cabral, sempre foi governado por nobres e doutores, generais e diplomados, sem que houvesse competência para impedir a crescente miséria e evitar a perda de nossa soberania. Hoje, impressiona quando se diz que um homem público é Ph.D.

A abreviação significa “doutor em filosofia”, ainda que ele seja formado em economia ou direito. É um tributo a Platão essa suposição de que o título de doutor torna a pessoa mais sábia. Ledo engano, infelizmente. A sabedoria reside no coração, onde são cultivadas as virtudes e os valores. E, felizmente, Lula veio quebrar o paradigma.

Frei Betto | Escritor, autor de “Por uma educação crítica e participativa” (Rocco), entre outros 76 livros editados no Brasil, dos quais 42 também no exterior. Você pode adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Frei Betto Escritor, autor de “Cartas da prisão” (Companhia das Letras); “Batismo de sangue” (Rocco); e “Diário de Fernando – nos cárceres da ditadura militar brasileira” (Rocco), entre outros livros 74 livros editados no Brasil, dos quais 42 também no exterior. Você poderá adquiri-los com desconto na Livraria Virtual – www.freibetto.org. Ali os encontrará a preços mais baratos e os receberá em casa pelo correio.

LEIA tAMBÉM

G20 em quadrinhos | nº 8: Sociedade
G20 em quadrinhos | nº 8: Futuro
image-1200-c98a0a4e5bc2dc2e2419bb901e84fd74
G20 em quadrinhos | nº 7: Sociedade
10259
A epopeia da Marselhesa: hino da revolução francesa
Octavio_Brando
O marxismo de Octávio Brandão, um barbeiro e trabalhador itinerante