Pesquisar
Pesquisar

Gás, petróleo e sanções contra Rússia: entenda o negócio por trás do massacre em Gaza

Ásia Ocidental possui vastos reservatórios de petróleo e é o primeiro foco de fornecimento opcional para abastecer o dependente mercado europeu
Redação Misión Verdad
Missão Verdade
Caracas

Tradução:

“A Itália disse que quer ser um centro para o fornecimento de energia para a Europa. Pensamos exatamente isso e temos reservas de gás que agora estamos exportando e gostaríamos de acelerar mais exportações de gás para a Europa pela Itália”: isto foi dito pelo primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em março deste ano.

É bem sabido que com o amplo pacote de sanções unilaterais contra o setor energético russo, os mercados globais de hidrocarbonetos sofreram mudanças devido à interrupção, principalmente, dos fluxos gasíferos para a União Europeia (UE), região que depende em grande parte desses recursos oriundos do país eslavo.

Assista na TV Diálogos do Sul

Só em 2021, os países da UE importaram 155 bilhões de metros cúbicos (bcm) de gás russo, o que representou cerca de 45% das importações totais de gás. São cifras significativas que se viram afetadas pela política de sanções do Ocidente. Por isso, a busca de fontes alternativas marcou as agendas comerciais dos países dependentes destas matérias-primas fundamentais.

Nesta equação geopolítica, a região da Ásia Ocidental, por ser uma área que em sua totalidade conta com os mais vastos reservatórios de petróleo do mundo, é o primeiro foco de fornecimento opcional para abastecer o dependente mercado europeu.

Continua após o banner

De modo que, em vista da escalada de violência genocida perpetrada por Israel contra a Palestina, é mister examinar algumas razões que poderiam somar-se à política de avanço bélico das facções sionistas em território palestino. Portanto, no contexto de crise energética e na órbita dos atuais acontecimentos palestino-israelenses, torna-se imperativo captar novos núcleos de recursos energéticos.

Embora a costa palestina conectada com o lado oriental do mar Mediterrâneo não tenha aparecido na mídia como depósito destacado de hidrocarbonetos, o geólogo Eitan Aizenberg anunciou em 2010 a descoberta do grande campo de gás Leviatã, que contém uma média aproximada de 1,7 bilhões de barris de petróleo passíveis de extração e uma média de 122 trilhões de pés cúbicos de gás recuperáveis. Além disso, calcula-se que esta bacia tem reservas de gás provadas e prováveis de 16,27 trilhões de pés cúbicos, e reservas de condensado de 35,8 milhões de barris.

Ásia Ocidental possui vastos reservatórios de petróleo e é o primeiro foco de fornecimento opcional para abastecer o dependente mercado europeu

Foto: Captura de tela/ONU
Benjamin Netanyahu aponta para um mapa do ‘Novo Oriente’ enquanto se dirige à 78ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas




Recursos estratégicos

Em 2012, Netanyahu deu conotação estratégica ao mencionado campo: “O gás natural é um ativo estratégico para o futuro econômico do Estado de Israel”. Em seguida, o político israelense iniciou um processo para desenvolver esta faixa gasífera, assinando, em 2015, um acordo com o conglomerado petroleiro Delek Group e com a empresa estadunidense Noble Energy —agora adquirida pela Chevron—. Depois da assinatura afirmou que “o acordo era também uma questão de diplomacia internacional”.

O fato de que Netanyahu dissesse que se tratava de “uma questão de diplomacia internacional”, exige traduzir para o proveito que trará aos múltiplos interesses envolvidos no comércio deste reservatório. Atualmente, a necessidade de hidrocarbonetos aparece como uma oportunidade para a atual administração israelense.

Cannabrava | Genocídio em Gaza

Assim fez ver em seu discurso na recente Assembleia Geral das Nações Unidas, ao destacar as potencialidades do corredor econômico Índia-Oriente Médio-Europa (IMEC, na sigla em inglês):

“Na Conferência do G20 o presidente Biden, o primeiro ministro Modi e os líderes europeus e árabes anunciaram planos para um corredor visionário que se estenderá ao longo da península Arábica e Israel. Conectará a Índia à Europa mediante conexões marítimas, ferroviárias, gasodutos energéticos e cabos de fibra ótica”.


Corredor IMEC

O corredor IMEC é multimodal, já que conecta a costa ocidental da Índia com os Emirados Árabes Unidos por mar, e contaria com uma rota ferroviária que cruzaria a península Arábica até o porto de Haifa, onde as mercadorias seriam transportadas por mar para a Europa.

Por isso, esta artéria comercial possui vantagens inigualáveis e seria um ponto estratégico para os Estados Unidos e seus aliados, enfrentando tanto o projeto chinês do Cinturão e Rota como o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul proposto pela Rússia para conectar os mercados europeus à Índia pelo Irã. 

Continua após o banner

Não obstante, o mais provável é que o IMEC permaneça como campanha publicitária ou promessa comercial porque não só enfrenta os grandes projetos das potências multipolares, como a dianteira no espectro de vias navegáveis com maiores vantagens é do canal de Suez, o trajeto comercial por excelência da região.


Finanças

Em termos financeiros, é coerente que as grandes empresas e os governos envolvidos no IMEC não priorizem seus investimentos em um projeto como este devido a diversos aspectos, a saber:

  • As ligações do longo sistema ferroviário da península saudita correspondem a mais de mil quilômetros entre o porto de Fujairah nos Emirados Árabes Unidos, o mais próximo da Índia, e Haifa, incluídas centenas de quilômetros entre outros portos do mencionado país árabe.

  • A China tem um contrato importante para o desenvolvimento de estradas de ferro na Arábia Saudita e uma concessão de 35 anos destinada a desenvolver e operar um terminal de contêineres no porto de Khalifa. Não há lugar para o IMEC envolver-se nesse circuito.

  • Os tempos de envio de mercadorias por meio do IMEC seriam de quase um mês; pelo contrário, o mesmo objetivo pelo canal de Suez levaria apenas algumas semanas.

  • Os detalhes técnicos do IMEC são escassos e os funcionários envolvidos no projeto admitem que ainda não está definido a contribuição do financiamento.

Assim, parece que o IMEC ficará como uma declaração política daquela sessão do G20.

Mundo já percebe que EUA são responsáveis pelo massacre em Gaza, aponta historiador

O campo de gás Leviatã e o corredor IMEC são duas variáveis destacadas no marco desta arremetida sionista contra a população palestina devido a que o método genocida busca conquistar definitivamente a Faixa de Gaza para controlar a costa palestina e assim poder gerir os recursos e, por conseguinte, os canais comerciais.

Com tantos interesses em jogo, e o mercado global em plena reconfiguração, evidenciam-se sinais de que este choque geopolítico se estenderá, afim de estabelecer uma nova pauta comercial de domínio sobre os recursos energéticos nessa importante zona.

Redação | Misión Verdad
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Misión Verdad

LEIA tAMBÉM

2560px-Hotel_InterContinental_(Madrid)_01
Grupo que articula ataques a Obrador faz novo encontro da ultradireita global em Madri
netanyahu-genocidio-Palestina
Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
Wu Qian - China
Líder em Taiwan empurra compatriotas para situação perigosa de guerra, afirma China
Rússia-Defesa
Kremlin manda prender altos funcionários da Defesa por corrupção; entenda o caso