Pesquisar
Pesquisar

Gastos dos EUA com Ucrânia superam US$ 77 bilhões; mais da metade das armas é extraviada

Dentro do próprio país são cada vez mais numerosas as vozes que pedem por conversações entre as partes em conflito
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

A assistência militar dos Estados Unidos à Ucrânia adquire hoje matizes assombrosos pois, segundo o portal The Hill, entre os meses de janeiro de 2022 e 2023 o montante conferido chegou a 77,5 bilhões de dólares.

De acordo com a publicação, além dos US$ 29,3 bilhões outorgados depois do início da operação militar especial da Rússia em fevereiro do ano passado, foram dados a Kiev outros US$ 45 bilhões em fundos de emergência como parte da Lei de Atribuições Suplementares Adicionais.

Assista na TV Diálogos do Sul

E ainda, por meio dos mecanismos do Banco Mundial, foram repassados US$ 13 bilhões ao governo ucraniano, enquanto outros quase dois bilhões foram destinados supostamente a assistência humanitária, divulgou a fonte.

O continuado apoio militar dos Estados Unidos à Ucrânia provoca contínuas reclamações por parte de especialistas que mostram como a postura de Washington alonga e entroniza o conflito.

Dizem ainda que menos da metade do armamento enviado chega na verdade até seu destino, o que põe o equipamento bélico em risco de cair em mãos de traficantes de armas e movimentos terroristas.

Dentro do próprio país são cada vez mais numerosas as vozes que pedem à administração para promover conversações entre as partes em conflito.

Dentro do próprio país são cada vez mais numerosas as vozes que pedem por conversações entre as partes em conflito

CMA
No Congresso dos EUA, legisladores promovem iniciativas para esclarecer o destino do dinheiro fornecido ao governo de Zelensky




Marcha contra a máquina de guerra

A denominada “Marcha contra a máquina de guerra”, além de opor-se a um maior apoio financeiro para o governo de Volodymyr Zelenski, defendeu há poucos dias na capital da nação o corte do orçamento do Pentágono, a dissolução da Organização do Tratado do Atlântico Norte e a abolição da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos.

Um comunicado divulgado pelos organizadores da manifestação assegurou que “milhares de milhões de dólares dos contribuintes estão sendo incendiados no altar da hegemonia estadunidense, do complexo militar-industrial e de um Congresso corrupto”.

Ampliadas há 1 ano, sanções contra Moscou miram caos interno na Rússia e fracassam

Por outro lado, de acordo com informações de meios de imprensa, enquanto Washington atribui milhares de milhões de dólares a Kiev em equipamento militar, em algumas cidades do país persistem os problemas associados à pobreza.

Um artigo divulgado pelo Quincy Institute for Responsible Statecraft calculou que, se a Ucrânia fosse um estado do país, superaria outros 40 territórios em termos da quantidade de recursos federais que recebe.

No Congresso, alguns legisladores também promovem iniciativas para esclarecer o destino do dinheiro fornecido ao governo de Zelensky.

A representante republicana Marjorie Taylor Greene, por exemplo, apresentou um projeto de lei para forçar uma auditoria dos bilhões de dólares que os Estados Unidos envia à Ucrânia.

“Ponto sem retorno”: Um mundo sem Rússia não nos interessa, afirma Medvedev

“Isso é exatamente do que necessita o povo estadunidense, uma auditoria, porque não temos ideia de para onde vai todo este dinheiro”, disse.

Antes, o também congressista conservador Matt Gaetz defendeu uma resolução na Câmara de Representantes em que pressiona a administração do presidente Joe Biden para que ponha fim à ajuda militar e financeira à Ucrânia.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

milei-diaz-ayuso
Presidenta de Madri entrega a Milei medalha também dada a Zelensky e Guaidó
eua-louisiana-2
"Querem impor uma teocracia", alerta deputado dos EUA sobre "10 mandamentos" em Louisiana
Joe Biden
Nova medida de Biden para regularizar indocumentados é positiva, mas insuficiente, diz especialista
Vladimir Herzog
Amyra El Khalili: história de Vladimir Herzog se repete há 76 anos na Palestina Ocupada