Pesquisar
Pesquisar

Governo de Buenos Aires ameaça estudantes que ocupam escolas em defesa da Educação

Prefeitura recorreu a dados de espionagem e informações sobre as famílias dos alunos, que foram ainda filmados por serviços de inteligência
Stella Calloni
Diálogos do Sul
Buenos Aires

Tradução:

Com 25 colégios ocupados por seus alunos diante da falta de resposta do governo da Cidade de Buenos Aires às suas demandas, a atividade repressiva policial chegou a extremos nunca vistos, não só com a presença de fardados fotografando, filmando e ameaçando os estudantes, mas enviando patrulheiros à casa das famílias dos jovens, as quais são comunicadas que serão processadas e deverão pagar milhões de pesos por dia, enquanto continue o protesto estudantil. 

Centro de Estudos Legais e Sociais (CELS) e a Secretaria de Direitos Humanos da Nação exigiu que se retirem de imediato a polícia dos colégios e as ameaças de processos jurídicos contra as famílias, situação que as entidades qualificaram como uma “loucura jurídica”.

Evita é a poesia da rebelião dos povos. Sem ela, não haveria Perón nem peronismo na Argentina

A ação repressiva foi encabeçada pelos encarregados da Segurança do governo de Horacio Rodríguez Larreta, pertencente à opositora Juntos por el Cambio, e pela polêmica ministra da Educação da prefeitura de Buenos Aires, Soledad Acuña, cuja renúncia têm sido pedida há tempos por estudantes e docentes.

Prefeitura recorreu a dados de espionagem e informações sobre as famílias dos alunos, que foram ainda filmados por serviços de inteligência

Victor Carreira – Telam
A Secretaria de Direitos Humanos pediu ao governo que cesse o assédio, intimidação, perseguição contra as e os adolescentes e suas família




Demandas

As demandas vão desde a falta de merenda que devem ter os alunos de famílias com maiores problemas, os temas edilícios de escolas com graves problemas, falta de água, tetos e classes danificadas, cortes de luz, persianas caídas e janelas quebradas, como sucede na capital argentina.

Também protestam contra o cada vez mais restringido orçamento educativo, além de falta de calefação no inverno ou de instalações para enfrentar o verão. Mas há algo mais forte, como o fato de que Rodríguez Larreta e sua equipe decidiram que os estudantes realizassem estágios em empresas para prepararem-se em “práticas de trabalho” que são impostos e não remunerados.

A experiência foi denunciada porque a maioria dos jovens eram enviados a empresas, hotéis e outros lugares onde foram utilizados para preparar café, lavar pratos e outras atividade desse tipo “que não são nada pedagógicas”. 

Também reclamam que não se pode realizar reformas que afetem a estudantes, docentes e programas educativos sem consulta prévia.

Nunca havia sucedido algo similar contra estudantes na Argentina, o que é considerado como uma violação dos princípios constitucionais (Foto: Eliana Obregón – Télam)

A ministra Soledad Acuña, denunciada várias vezes por seus discursos discriminatórios, não respondeu ao diálogo, mas se dedicou a “criminalizar” a ocupação dos colégios e enviou patrulheiros e policiais para adverti-los que serão submetidos à justiça.

Embaixador dos EUA na Argentina se intromete nos assuntos internos do país e governo reage

Nunca havia sucedido algo similar contra estudantes na Argentina, o que é considerado como uma violação dos princípios constitucionais. O governo da cidade também recorreu aos dados de espionagem e das listas de famílias de posse da pasta de Segurança da Prefeitura para ameaçar os jovens, todos filmados por estes serviços de inteligência.

Em um país onde famílias inteiras desapareceram durante a passada ditadura (1976-1983) quando buscavam os perseguidos pelo regime e eram levadas como castigo ou para obrigar os detentos a falar, com métodos sinistros, a Secretaria de Direitos Humanos pediu ao governo portenho que “cesse o assédio, intimidação, perseguição, ameaça, intromissão ou amedrontamento sobre as e os adolescentes e suas família”.  

Stella Calloni, correspondente e colaboradora da Diálogos do Sul em Buenos Aires.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Stella Calloni Atuou como correspondente de guerra em países da América Central e África do Norte. Já entrevistou diferentes chefes de Estado, como Fidel Castro, Hugo Chávez, Evo Morales, Luiz Inácio Lula da Silva, Rafael Correa, Daniel Ortega, Salvador Allende, etc.

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei