Pesquisar
Pesquisar

Grilagem e garimpo ilegal na Amazônia levam a desmatamento recorde no 1º semestre de 2022

Segundo Ane Alencar, do IPAM, impunidade continua sendo a maior vetor de pressão contra a floresta e seus Povos
Redação ClimaInfo
ClimaInfo
Brasília (DF)

Tradução:

A Amazônia experimentou o pior junho da série histórica de desmatamento do sistema DETER/INPE: foram registrados alertas de derrubada de floresta de 1.120 km2, o pior índice desde 2016. O número é 5% maior que o de junho de 2021 (1.061 km2) e consolida o cenário característico do desmatamento no atual governo, com recordes sucessivos desde 2019.

O total do desmatamento no semestre também atingiu proporções históricas. De janeiro a junho, o DETER registrou alertas de desmate que acumulam 3.988 km2, o pior desde 2016, um aumento de assustadores 10,6% em relação ao mesmo período no ano passado. Assim, foram registrados recordes em quatro dos seis meses deste semestre – janeiro (430,44 km2), fevereiro (198,67 km2), abril (1.1026,35 km2) e junho.

Observatório do Clima (OC) lembrou que, considerando o acumulado dos últimos 11 meses (a série anual do INPE vai de agosto a julho), os alertas chegam a 7.104 km2, ligeiramente inferior aos 7.282 km2 registrados no mesmo período de 2021 e aos 7.557 km2 até junho de 2020.

“Espanto será se o desmatamento não subir de novo em 2022”, comentou Marcio Astrini, do OC. “A Amazônia está sob comando de gente que mata e desmata, com o incentivo do [presidente] e seus generais”

Segundo Ane Alencar, do IPAM, impunidade continua sendo a maior vetor de pressão contra a floresta e seus Povos

Fábio Nascimento / Greenpeace
Amazônia é chave para regulação das chuvas, essenciais para agricultura, água potável e hidroeletricidade, aponta Mariana Napolitano, do WWF

A destruição toma proveito da impunidade e do desinteresse do governo em combater a ilegalidade. “Os alertas de desmatamento de 2022 demonstram que a impunidade continua sendo o maior vetor de pressão contra a floresta e seus Povos. Em um ano de eleição isso se torna ainda mais preocupante, pois os esforços de fiscalização normalmente diminuem e a sensação de impunidade aumenta, deixando os desmatadores mais à vontade para avançar sobre a floresta”, disse Ane Alencar, do IPAM.

“É mais um triste recorde para a floresta e seus Povos. Esse número só confirma que o governo federal não tem capacidade, nem interesse, de combater toda essa destruição ambiental”, afirmou Rômulo Batista, do Greenpeace Brasil. “O que vemos é uma escalada inaceitável da destruição da floresta e do massacre de seus Povos e defensores”.

Quem perde com tudo isso não é apenas a população da floresta, mas todos nós. “A Amazônia é chave para a regulação das chuvas das quais dependem nossa agricultura, nosso abastecimento de água potável e a disponibilidade de hidroeletricidade”, explicou Mariana Napolitano, do WWF-Brasil. “O roubo de terras públicas e o garimpo ilegal, que não geram riqueza ou qualidade de vida, estão destruindo nosso futuro”.

Os dados do DETER/INPE foram destaque em veículos como Deutsche Welle, Estadão, Folha, O Globo e VEJA, e no exterior por Bloomberg, BBC, Reuters e Washington Post.

Redação ClimaInfo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação ClimaInfo

LEIA tAMBÉM

marx-ecologia
Marxismo ecológico: como Marx entendia a relação entre mudança climática e capitalismo?
Panamá-refugiados-climaticos
Governo do Panamá desloca refugiados climáticos, mas novas moradias ignoram tradições indígenas
Incendio_forestal_en_Puente_Sampayo
2024 pode superar 2023 em número de incêndios florestais no México
nordeste-seca-Fernando-Frazao
"Grande Seca": a tragédia climática que matou 500 mil pessoas no Nordeste entre 1877 e 1879