Pesquisar
Pesquisar

Guatemala: Abusos acobertados pelo Estado geram número assustador de jovens grávidas

Durante o primeiro semestre de 2021 o país registrou 57.578 gestações em meninas e adolescente entre 10 e 18 anos
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Uma das consequências mais devastadoras da falta de defesa das meninas em nossos países é a maternidade precoce. Na Guatemala, por exemplo, é pavorosa a cifra de gravidez e parto com pouca idade. De acordo com uma das instituições dedicadas a monitorar esse tema – O Observatório em Saúde Sexual e Reprodutiva, OSAR – se produziram 57.578 gravidezes em meninas e adolescente entre 10 e 18 anos, durante o primeiro semestre de 2021. Ou seja, um período no qual uma menina ainda não desenvolveu plenamente seu corpo e quando uma gravidez supõe um risco elevado.

Além da violência implícita na violação e suas consequências físicas e psicológicas, uma gravidez nessa idade significa a perda de direitos em todos os níveis e o submissão a um regime de vida duro, restritivo e submetido à autoridade dos adultos do seu entorno. A isso se soma a proibição legal de interromper o processo de gestação, mesmo quando se trate de um ser cujo corpo não reúne as condições para sustentá-la e levá-la a termo. Ou seja, a lei condena a vítima a partir de uma visão do Direito influenciada por doutrinas religiosas e um sistema patriarcal solidamente estabelecido. Visto como parte normal da vida, a gravidez em meninas e adolescentes é uma das mais graves consequências da marginação na qual vive e se desenvolve uma grande parte da população feminina. Assediadas por um conceito patriarcal da vida e do dever, milhares de meninas acabam sendo vítimas de abuso sexual desde antes de alcançar a puberdade, convertendo-se em mães em etapas tão precoces de seu desenvolvimento que inclusive perdem a vida no processo. Indefesas diante da pressão do autoritarismo exercido por pais, irmãos e outros homens de seu entorno, somado à falta de proteção por parte do resto da comunidade, as meninas-mães terminam esgotando a etapa da infância sem havê-la vivido, para enfrentar a dura realidade de uma existência de miséria.

Durante o primeiro semestre de 2021 o país registrou 57.578 gestações em meninas e adolescente entre 10 e 18 anos

Montagem Diálogos do Sul
A Guatemala bateu a marca de 57.578 gravidezes em meninas e adolescente entre 10 e 18 anos, durante o primeiro semestre de 2021

Diante dessa situação, derivada de padrões culturais absolutamente viciados, as meninas se vêm obrigadas a arrastar a humilhação de uma sexualidade não desejada, não consentida e de graves repercussões para sua saúde física e psicológica, em um entorno de falta de respeito que lhes veda o direito a experimentar as etapas normais de seu desenvolvimento. 

Neste cenário, as meninas-mães não entram nas prioridades de atenção das autoridades. Estas veem os casos de gravidez precoce como mais uma expressão do subdesenvolvimento e não como os atos criminosos de abuso sexual que realmente são. A mensagem que envia esta aproximação ao problema é de conformismo diante da submissão de um dos grupos sociais menos considerados nas políticas públicas dos governos. 

Sobre o tema:
Inocência interrompida: consequências da gravidez precoce repercutem pelo resto da vida 

Essas milhares de meninas e adolescentes cujo corpo mal alimentado e fraco mal pode carregar com o peso de sua própria existência, dão à luz em condições miseráveis, em meio à indiferença das autoridades e suportando o rechaço de sua própria família. Assim é o entorno social e esse é o resultado de uma cultura que as condena ao eterno subdesenvolvimento. 

Estes abusos têm sido um hábito inveterado durante gerações, profundamente arraigado e considerado uma prática socialmente aceitável; um destino inevitável para aqueles que ainda não possuem a força nem a proteção da lei para defender seus direitos. 

As meninas merecem alcançar seus sonhos. A maternidade precoce não é um deles. 

* Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala
** Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza