Pesquisar
Pesquisar

Guatemala merece um destino melhor após décadas de governos violentos e corruptos

Maneira como age atual governante não é mais que uma consequência da queda paulatina da impunidade e do abuso de autoridade
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

O parque central era insuficiente para albergar a multidão. Era 1986 e Vinicio Cerezo havia chegado à presidência depois de uma longa e dolorosa sucessão de governos militares corruptos e violentos, amparados por um exército às ordens da oligarquia local. As fraudes eleitorais haviam sido perpetradas diante da vista e paciência de uma cidadania temerosa das represálias e obrigada a manter a boca fechada diante de tamanhos abusos. Mas a indignação bulia por dentro e desbordou-se em uma manifestação cívica de repúdio às ditaduras e uma tentativa cheia de esperanças por resgatar a utopia da democracia. 

Cerezo começou a governar e o povo lhe outorgou o benefício da dúvida. Havia sido aberta uma grande porta para a reparação institucional, com a retirada das forças armadas aos seus quartéis para permitir o estabelecimento de um governo livre e soberano, mas foi se fechando paulatinamente para dar passagem à poderosa influência de empresários e altos mandos do Exército. Os Estados Unidos nunca lhe tiraram os olhos de cima, vigiando seus interesses – usualmente opostos à independência das nações – e se consolidou finalmente o que seria um Estado débil e vulnerável.

A grande oportunidade começou a se desvanecer diante dos olhares de um povo cansado das decepções. Depois de Cerezo, se tornou patente como o discurso populista prendia novas ondas de entusiasmo e os governos que seguiram foram marcando uma tendência progressiva para o exercício de todos os vícios da má gestão governamental: enriquecimento ilícito, compadrio, repressão das vozes dissidentes, perseguição de líderes e manipulação das leis reitoras dos processos eleitorais para garantir o monopólio dos listados para cargos de eleição popular.

Leia também: Censura, violência, corrupção: Entenda o projeto de ditadura em curso na Guatemala

Esta constante perda de certeza nos valores democráticos, provocada por governos cada vez mais alheios aos interesses do país e dedicados em cheio a saquear as arcas públicas e apoderar-se dos bem nacionais, desembocou nas mais recentes administrações, lamentável exemplo de amoralidade – em todos os sentidos – e uma voracidade insaciável por destruir todo resquício de institucionalidade. A maneira como age o governo atual não é mais que uma consequência dessa queda paulatina na impunidade e do abuso de autoridade de uma cadeia de administrações incapazes e venais.

Maneira como age atual governante não é mais que uma consequência da queda paulatina da impunidade e do abuso de autoridade

Eric Walter – Wikimedia Commons

Guatemala parece ter entrado em uma voragem descendente, sem possibilidade de recuperação

A perseguição contra cidadãos comprometidos com seu país entrou em um franco ataque de ódio contra aqueles que tentam deter esta orgia de destruição, provocada pelo governante e seus aliados. Jornalistas, analistas políticos, líderes comunitários, operadores de justiça, organizações camponesas e de defesa dos direitos humanos foram as primeiras vítimas desta onda vingativa a partir dos despachos oficiais. Ao pacto de corruptos, liderados a partir dos salões daqueles que ostentam o poder econômico, se uniram organizações criminosos e de narcotráfico cujo dinheiro se encontra há décadas à disposição das máfias no poder.

Guatemala parece ter entrado em uma voragem descendente, sem possibilidade de recuperação. Os recursos de uma democracia funcional, normalmente postos à disposição da cidadania por meio de instituições fiáveis e sólidas, foram sequestrados e neste momento só servem de instrumentos para benefício de um grupo de oportunistas com ânsias de controle absoluto. Um triste fim para tanta esperança.

A Guatemala merece um melhor destino que ser vítima de um bando de corruptos. 

Carolina Vásquez Araya, colaboradora da Diálogos do Sul na Cidade da Guatemala.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025