Pesquisar
Pesquisar

Imigrantes: Quando irmãos partem rumo aos EUA, mas nem todos chegam a salvo no destino

Quando Guillermina morde a ameixa, o suco escorre pelos lábios e o sabor a faz lembrar de Miguel, seu irmão, que tanto apreciava a fruta
Ilka Oliva Corado
Diálogos do Sul Global
Território Estadunidense

Tradução:

Guillermina deixa os sacos do supermercado sobre a mesa e com urgência tira uma ameixa, lava-a e lhe dá uma mordida, o suco escorre pela comissura dos lábios.

Fecha os olhos e saboreia lentamente sua doçura enquanto agradece às mãos que a cuidaram desde que a semente da árvore foi plantada.

Regressar e recomeçar: O sonho que move imigrantes em busca de trabalho nos EUA

Desde criança seus avós camponeses a ensinaram a agradecer o trabalho que realizam aqueles que cultivam a terra.

Originária de Parramos, Chimaltenango, Guatemala, quando chegou aos Estados Unidos não falava mais que seu idioma materno, o cakchiquel. Palavras de espanhol, uma por aqui e outra por lá, do inglês jamais havia escutado.

Há vinte anos trabalha como empregada doméstica em Nova York, aí aprendeu a viajar de trem. A primeira vez que subiu em um e viu os mundos de gente na estação se surpreendeu com a tecnologia e a quantidade de pessoas que viajam nesse meio de transporte.

Na Guatemala nunca viu um, só conhece a melodia El ferrocarril de los altos, que os seus avós gostavam quando a escutavam no rádio, recorda que lhe contavam que na Guatemala um dia existiu um trem que foi o mais famoso da América Central.

Quando Guillermina morde a ameixa, o suco escorre pelos lábios e o sabor a faz lembrar de Miguel, seu irmão, que tanto apreciava a fruta

Stephanie Maze – NDLA

Por fim Guillermina tem notícias de Miguel, a equipe forense que fez as provas lhes confirmou sua identidade

Guillermina deixou a Guatemala junto com seu irmão Jacobo para ajudar seus pais a criar seus irmãos menores. Sua história não difere à de milhares de guatemaltecos que são forçados a emigrar de forma indocumentada.

Estava na véspera de seus quinze anos quando deixou sua indumentária indígena e meteu em uma mochila duas calças e duas camisetas que comprou na venda de roupas usadas do mercado. Para sapatos o dinheiro não deu e se foi com seus chinelos de uso diário. O único suéter de sua mãe foi todo o seu abrigo para a travessia.

Como vivem imigrantes que encontram trabalho nas lavouras da Califórnia, nos EUA

Não sabe como fez sua memória, mas conseguiu bloquear todas as lembranças do trajeto desde que chegaram a Tapachula. Seu irmão Jacobo os recorda patentemente, mas gosta tanto dela que seria incapaz de levar à sua memória novamente o abuso sexual que viveram os dois durante vinte dias nas mãos dos coiotes que depois os deixaram atirados em Tijuana. Desde esses dias, Jacobo não conseguiu dormir uma só noite inteira, de madrugada o despertam os pesadelos.

Tem três trabalhos. A cada sexta-feira junta dinheiro com Guillermina para enviar a remessa; nenhum dos dois autoriza que emigram seus irmãos menores, que em Parramos trabalham na terra de seus avós. Mas Miguel, o mais novo, não fez caso das negativas deles e emigrou com outro grupo de amigos; queria ir ajudar seus irmãos mais velhos na carga econômica da casa. Está desaparecido há três anos.

Guillermina morde a ameixa que a leva às recordações dos campos de cultivo de feijão, à sombra dos pés de abacate, laranja e aos sulcos dos milharais onde viu seus irmãos menores começarem a andar enquanto seus pais trabalhavam.

Indocumentadas, crianças guatemaltecas no México trabalham desde os 6 para sobreviver

O suco da ameixa lhe escorre pela comissura dos lábios. Guillermina agradece às mãos que a cuidaram desde que a semente da árvore foi plantada. O sabor da fruta que tanto Miguel apreciava lhe desata uma dor que tinha amarrada na garganta durante três anos; estava no supermercado quando recebeu a chamada de Jacobo. Por fim têm notícias de Miguel, a equipe forense que fez as provas lhes confirmou sua identidade.

Uma equipe de resgate humanitário que buscava uma migrante desaparecida meses atrás encontrou seus ossos em um rio seco em Sonora. Por fim seus pais poderão enterrar seu filho menor no cemitério do povoado.

Ilka Oliva-Corado é colaboradora da Diálogos do Sul em território estadunidense.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru
Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP