Pesquisar
Pesquisar

Inadimplência: EUA podem ficar sem dinheiro para pagar dívidas no início de junho

Casa Branca e líderes do Congresso passaram dias em negociações sobre como aumentar o limite de endividamento do país
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

O Gabinete do Orçamento do Congresso dos Estados Unidos alertou, no último dia 12, sobre a existência de um risco significativo de que o Governo fique sem recursos em algum momento das duas primeiras semanas de junho.

De acordo com o comunicado, isto levaria o país a entrar em um descumprimento de pagamentos, o que por sua vez desencadearia problemas financeiros, interrupções econômicas e aumentos rápidos nas taxas de juros dos empréstimos.

“Quebra” de bancos nos EUA e na Suíça confirma: o capitalismo é a crise. Qual o dever do Brasil?

A advertência ocorreu quando a Casa Branca e os líderes do Congresso passaram dias em negociações sobre como aumentar o limite de endividamento do país, de 31,4 trilhões de dólares, sem que houvessem avanços no tema.

O Departamento do Tesouro usou manobras contábeis conhecidas como medidas extraordinárias para continuar pagando as contas do país sem ultrapassar o teto da dívida, que foi alcançado oficialmente em 19 de janeiro, mas sua secretária, Yanet Yellen, reconheceu que estas ferramentas poderiam esgotar-se em 1º de junho próximo.

Continua após o banner

“Se o limite da dívida não for aumentado ou suspenso antes que se esgotem os fundos do Tesouro e as medidas extraordinárias, o Governo terá que atrasar os pagamentos de algumas atividades, descumprir suas obrigações de dívida ou ambas as coisas”, garantiu o Gabinete do Orçamento do Congresso em um informe citado pelo The New York Times.

Casa Branca e líderes do Congresso passaram dias em negociações sobre como aumentar o limite de endividamento do país

Joe BidenFoto: Gage Skidmore/Flickr

Bancada democrata insiste em que os conservadores devem concordar com um aumento do limite da dívida sem condicionamentos.

Consequências

A entidade predisse ainda que um descumprimento levaria a uma “angústia nos mercados creditícios, interrupções na atividade econômica e aumentos rápidos nas taxas dos empréstimos”.

Acrescentou que se o Departamento do Tesouro tivesse fundos suficientes para chegar até 15 de junho, uma entrada de recibos de impostos trimestrais e de medidas extraordinárias adicionais a sua disposição provavelmente permitiriam que o governo continuasse pagando suas faturas até “pelo menos o final de julho”.

Lobby e picaretagem: “crise financeira” nos EUA é fabricada pelos criminosos de sempre

Apesar das advertências da debacle que ocorreria em caso de suspensão de pagamentos, as conversações sobre o tema estão estancadas.

Os legisladores republicanos da Câmara de Representantes, por exemplo, aprovaram um projeto de lei que propõe profundos cortes de gastos e uma reversão da agenda promovida pelo presidente Joe Biden, como requisito prévio para aumentar o teto da dívida.

Continua após o banner

Enquanto isso, a bancada democrata insiste em que os conservadores devem concordar com um aumento do limite sem condicionamentos.

O limite da dívida “comumente chamado de teto” é a quantidade máxima que o Departamento do Tesouro pode emitir ao público ou para outras agências federais.

O montante é estabelecido pela lei, e foi aumentado ou suspenso ao longo dos anos para permitir o endividamento adicional necessário para financiar as operações do Governo.

Redação | Prensa Latina
Tradução: Ana Corbisier


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes