Pesquisar
Pesquisar

Inédito: traduções do tupi contam versão indígena, e não colonizadora, de guerra religiosa do século 17

"Por que faço guerra com gente de nosso sangue?" pergunta um dos indígenas nas cartas traduzidas por professor da USP.
Juliana Alves
Jornal da USP
São Paulo (SP)

Tradução:

Cartas escritas por indígenas no século XVIII durante a invasão holandesa no Nordeste foram traduzidas do tupi para o português pela primeira vez. O material é estudado desde o século XIX e até agora não tinha tradução.

A tradução foi executada pelo professor da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da Universidade de São Paulo (USP), Eduardo Navarro, relatou o G1.

De acordo com a mídia, as cartas apresentam diálogos de homens que lutavam entre si durante a guerra religiosa travada entre portugueses e holandeses, conhecida como Insurreição Pernambucana, entre 1645 e 1654.

De um lado, os indígenas protestantes, apoiadores dos holandeses que invadiram o nordeste brasileiro; do outro, indígenas que defendiam o governo português.

Basta! “COP é um grande negócio, é continuação do colonialismo onde não nos escutam”, diz indígena mixteca

“Por que faço guerra com gente de nosso sangue, se vocês são os verdadeiros habitantes desta terra? Será que falta compaixão para com nossa gente?”, pergunta o líder indígena Felipe Camarão ao cacique Pedro Poti, em um dos textos.

Quase todos os documentos do período colonial foram escritos pelos colonizadores do Brasil, e, esses são os únicos textos conhecidos em tupi trocados por indígenas nesta época.

"Por que faço guerra com gente de nosso sangue?" pergunta um dos indígenas nas cartas traduzidas por professor da USP.

Eduardo Navarro
Cartas escritas por indígenas no século XVIII

O idioma tupi era só falado, entretanto, os jesuítas criaram a representação escrita. Por isso, não são comuns documentos escritos redigidos pelos próprios indígenas.

As correspondências envolvem alguns dos principais combatentes da Insurreição Pernambucana, como Felipe Camarão, chefe nativo dos índios potiguares e alinhado aos interesses de Portugal. Durante a guerra, ele organizou diversas ações de guerrilha que se revelaram essenciais para conter o avanço dos holandeses no Nordeste brasileiro, segundo historiadores.

Nas cartas reveladas, Camarão pede a seus parentes Pedro Poti e Antônio Paraupaba, indígenas protestantes, que abandonassem os holandeses.

“Não pensem que se poupa a vida dos potiguaras, da gente nossa, por esses terem sido feitos chefes. Não pensem que os holandeses livram vocês de nós. Somente a vida deles é poupada”, diz Felipe Camarão, em carta escrita para o líder indígena Pedro Poti.

Durante o processo de tradução, o professor conta que uma das principais dificuldades foi decifrar a letra e a ortografia das cartas, mas a importância de revelar a visão dos indígenas sobre a guerra entre Portugal e Holanda justificou o empenho na pesquisa.

Segundo a mídia, a tradução de Navarro deve ser publicada em breve pelo Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, de Belém, no Pará.

Sputnik Brasil


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juliana Alves

LEIA tAMBÉM

Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)
Hipátia de Alexandria
O assassinato de Hipátia de Alexandria, a mulher filósofa