Pesquisar
Pesquisar

Início do diálogo entre Governo da Colômbia e Farc é vitória histórica do povo em luta pela paz

Cessar-fogo bilateral preliminar começou nesta terça-feira (17) e segue até 15/01/2024, com possibilidades de prorrogações sucessivas se tudo andar bem
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Depois de várias tentativas falidas e meses de aproximações, o governo colombiano e as dissidências das Farc, conhecidas como Estado Maior Central (EMC), instalaram nesta segunda-feira (16) uma mesa formal de diálogos de paz na cidade de Tibú, no norte-oriente do país. 

O começo das esperadas conversações esteve acompanhado da publicação, por parte do Ministério da Defesa, de um decreto de cessar-fogo bilateral, que começou à 00h00 de 17 de outubro e se estenderá até as 23h59 do 15 de janeiro do próximo ano, com possibilidades de prorrogações sucessivas se tudo andar bem. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Buscando que isto suceda, as partes criaram um comitê técnico que, com o apoio de delegados das forças militares e de polícia, elaborarão um protocolo para determinar as áreas onde poderão e não poderão estar as forças guerrilheiras

Sobre este ponto, o EMC se opõe à proposta governamental de que a guerrilha não esteja presente em áreas consideradas como de “segurança nacional”, entre elas as zonas de fronteira, onde é mais forte a insurgência. 

Preso político nos EUA, ex-chefe das Farc Simón Trinidad tem chance de retornar à Colômbia

Ao instalar oficialmente os diálogos, o Comissionado de Paz, Danilo Rueda, disse que o governo e sua delegação de paz, composta por uma diversa gama de forças políticas, sociais e econômicas, “assumimos o compromisso de levar essas negociações adiante”. 

Andrey Avendaño, comandante da Frente 33 do EMC e chefe da delegação rebelde, agradeceu às comunidades campesinas e indígenas que apoiaram o esforço de iniciar conversações e disse que “chegamos a esta mesa com a alegria que nos outorga o impulso de uma grande torrente popular que sonha com a paz definitiva para nosso país”. 

Continua após a imagem

Cessar-fogo bilateral preliminar começou nesta terça-feira (17) e segue até 15/01/2024, com possibilidades de prorrogações sucessivas se tudo andar bem

Foto: Misión de Apoyo al Proceso de Paz en Colombia
Com a instalação desta mesa, somam dois os processos de paz abertos pelo governo do presidente Petro

Diante de delegações internacionais e porta-vozes das Nações Unidas e da OEA que acompanharam este processo, Camilo González Posso, chefe da delegação do governo, explicou que a metodologia escolhida para avançar exclui a exigência de esperar que tudo esteja acordado: “Chega-se à paz final construindo a paz no caminho”, disse González Posso.

Com a instalação desta mesa, somam dois os processos de paz abertos pelo governo do presidente Petro, que cumpre um ano de diálogos com o Exército de Liberação Nacional (ELN), a mais numerosa e antiga guerrilha que operava no país.

Em 2016, o governo de Juan Manuel Santos e as Farc assinaram um acordo de paz cuja deficiente implementação deu origem ao surgimento de grupos dissidentes que, como o EMC, tentam agora pôr fim a um conflito armado de mais de 60 anos. 

Segundo estimativas das forças militares, o EMC tem cerca de 3.500 combatentes e opera em 17 dos 32 departamentos do país.

Jorge Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA